DIAGNÓSTICO DOS SISTEMAS ANTRÓPICOS E USO E OCUPAÇÃO DO MUNICÍPIO DE ALCOBAÇA (BA)

Autores

  • Pedro Spanghero Universidade Estadual de Campinas
  • Samuel Macedo Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Ralph Charles Universidade Estadual de Campinas
  • Regina Célia de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG207246639

Palavras-chave:

Sistemas antrópicos, Análise sistêmica, Município de Alcobaça/BA.

Resumo

As regiões litorâneas constituem-se em áreas de grande fragilidade e vulnerabilidade devido aos processos naturais e a relação secular de ocupação destas zonas. As ações antrópicas podem resultar em danos irreversíveis; exemplos de danos aos ambientes costeiros são observados em todo o litoral brasileiro que impulsionam os conflitos de ordem ambiental e social. Em virtude deste cenário, este trabalho tem como objetivo de promover um processo de ordenamento de uso e ocupação do município de Alcobaça de forma eficaz a partir da execução de uma análise dos sistemas naturais na escala 1:50.000 utilizando a metodologia proposta por Rodriguez, Silva e Cavalcanti (2013), da Geoecologia da Paisagem, que a partir da articulação dos componentes antrópicos da paisagem foi possível identificar a predominância de dois vetores econômicos que predominam na polarização territorial em Alcobaça com grandes avanços. Os resultados mostram mudanças de forma significativa na dinâmica de uso e ocupação no município de Alcobaça durante os últimos anos. A vulnerabilidade social do município de Alcobaça, alinhada ao processo de monopolização do território por parte da monocultura de eucalipto desde o final da década de 1970, foi responsável pela elevada taxa de desemprego estrutural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

23-12-2019

Como Citar

SPANGHERO, P.; MACEDO, S.; CHARLES, R.; OLIVEIRA, R. C. de. DIAGNÓSTICO DOS SISTEMAS ANTRÓPICOS E USO E OCUPAÇÃO DO MUNICÍPIO DE ALCOBAÇA (BA) . Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 20, n. 72, p. 454–471, 2019. DOI: 10.14393/RCG207246639. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/46639. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos