O ensino da matemática na educação infantil indígena Kaingang no Paraná

Conteúdo do artigo principal

Luciana Regina Andrioli
https://orcid.org/0000-0003-3399-9095
Adriana Silva Oliveira
https://orcid.org/0000-0001-6024-3205

Resumo

O texto apresenta uma discussão acerca do ensino de Matemática e a educação infantil indígena Kaingang no Paraná, destacando o papel da Matemática a partir dos pressupostos da Teoria Histórico-Cultural, com o objetivo de refletir sobre as possibilidades de desenvolvimento e processo do ensino e aprendizagem significativos. Por meio de pesquisa bibliográfica e empírica, foi possível perceber que os estudos são incipientes sobre a temática proposta, apesar de ser um tema relevante. Destacamos a organização do ensino de Matemática na educação infantil indígena como um componente curricular imprescindível, pois os conhecimentos matemáticos favorecem o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças Kaingang, bem como possibilitam o melhor desempenho dos indígenas na sociedade que estão inseridos, com as lutas e conquistas relacionadas à terra e garantias legais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Andrioli, L. R., & Oliveira, A. S. . (2020). O ensino da matemática na educação infantil indígena Kaingang no Paraná. Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 4(3), 618–642. https://doi.org/10.14393/OBv4n3.a2020-58427
Seção
Dossiê: Psicologia Pedagógica em interface com estudos socioantropológicos numa

Referências

ALVARES, M. M. KitokoMaxakali: a criança indígena e os processos deformação, aprendizagem e escolarização. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 8, vol. 15(1), 2004.

ANDRIOLI, L. R. Presença e significado da escola: estudo sobre a comunidade bilíngue Kaingang de Faxinal no Paraná. 182f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Maringá. Orientador: Rosangela Célia Faustino. Maringá, 2012.

ANDRIOLI, L. R. A política de educação infantil indígena e a sustentabilidade das famílias Kaingang: aprendizagens nas aldeias e nas cidades. 271f. Tese em Educação – Universidade Estadual de Maringá. Orientador: Prof. Dr. Rosangela Célia Faustino. Maringá, 2019.

ANDRIOLI, L. R.; FAUSTINO, R.C . Vivências de crianças indígenas Kaingang na cidade: elementos para a aprendizagem e o desenvolvimento. HUMANIDADES & INOVAÇÃO, v. 6, p. 54, 2019.

BRASIL, Ministério da Educação. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Brasília, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais n° 1/92 a 46/2005 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão n° 1 a 6/94. Brasília, DF: Senado Federal, 2005.

BRASIL. Censo: educação escolar indígena. Brasília, 2010.

BRASIL. Censo escolar da educação básica 2016: notas estatísticas. Brasília, 2017.

COELHO, R. O Mieib e a educação infantil de crianças indígenas. In: MIEIB. Discutindo políticas de educação infantil e educação escolar indígena, 2006. Disponível em: . Acesso em 18 set. 2015.

CRUZ, G. A Da. As políticas públicas educacionais: A (in)visibilidade da educação infantil indígena em Dourados - Mato Grosso do Sul. Revista Eventos Pedagógica. Número Regular: Formação de Professores e Desafios da Escola no Século XXI Sinop, v. 7, n. 2 (19. Ed.), p. 783-797, jun./jul. 2016.

FAUSTINO, R. C. Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena. 2006. 330 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

FAUSTINO. R. C. Cultura, diversidade cultural e prática educativa dos professores com a temática indígena. In: RODRIGUES, Elaine; ROSIN, Sheila Maria (Org.). Infância e práticas educativas. Maringá: Eduem, 2007. p. 235-248.
FAUSTINO, R. C. Aprendizagem escolar entre os Kaingang no estado do Paraná: questões sobre língua, alfabetização e letramento. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 5, n. 2, p. 213-219, jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em 30 nov. 2011.

FAUSTINO, R.C; SILVA, I. R da. A educação escolar indígena no Paraná. In: SEMINÁRIO NACIONAL ESTADO E POLÍTICA SOCIAIS NO BRASIL, 2003, Cascavel. Anais... Cascavel: Unioste, 2003. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2011.

FERREIRA, M. K. L. Madikauku: os dez dedos das mãos: matemática e povos indígenas no Brasil. Brasília: MEC, 1998.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características gerais dos indígenas: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em 10 Jan. 2014.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Estatísticas sobre educação escolar indígena no Brasil. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2007.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da educação básica: 2012: resumo técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013.

ISA - INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Povos indígenas no Brasil. Disponível em: . Acesso em abr. 2004.

KALMYKOVA, Z. L. Pressupostos psicológicos para uma melhor aprendizagem da resolução de problemas aritméticos. In: LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N.; VIGOTSKY, L. S. et al. Psicologia e Pedagogia II. Lisboa: Editorial Estampa, 1977. p. 9-26.

KRUPSKAYA, N.K. A construção da pedagogia socialista: escritos selecionados. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

KRUTIETAKI, V. A. Algumas características do desenvolvimento do pensamento nos estudantes com pouca capacidade para as matemáticas. In: LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N.; VIGOTSKY, L. S. et al. Psicologia e Pedagogia II. Lisboa: Editorial Estampa, 1977. p. 59-84.

KRUTIETAKI, V. A. Cuestiones generales sobre la estructura de las capacidades matematicas. In: ILIASOV, I. I.; LIAUDIS, V. Y. A. (Org.). Antologia de la psicologia pedagógica y de lasedades. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1986. p. 195-207.

LACANALLO, L. F. O jogo no ensino da matemática: contribuições para o desenvolvimento do pensamento teórico. 218 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá. Orientadora: Profª. Drª. Nerli Nonato Ribeiro Mori. Maringá, 2011.

LEONTIEV, A. O Desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Centauro, 2004.

LEONTIEV, A. Os princípios do desenvolvimento mental e o problema do atraso mental. In: LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N.; VIGOTSKY, L. S. et al. Psicologia e Pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. São Paulo: Centauro, 2005.p. 87-105.

LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2006.

LEONTIEV, A. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI, Lev Semenovichet al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001.

MACHADO, M.A. Educação infantil: criança Guarani e Kaiowá da reserva indígena de Dourados. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Grande Dourados. Orientadora: Prof. Dra. Maria Beatriz Rocha Ferreira. Dourados, 2016.

MAKARENKO, A. S. Conferências sobre educação infantil. Trad. Maria Aparecida AbelairaVizzotto. São Paulo: Moraes, 1981.

MARTINS, L. M. A brincadeira de papéis sociais e a formação da personalidade. In: ARCE, Alessandra; DUARTE, Newton. Brincadeira de papéis sociais na educação infantil: as contribuições de Vigotski, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã, 2006.

MELLO, S. A. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. In: PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 25, n. 1, 57-82, jan./jun. 2007.

MENEZES, M.C B. A política de educação escolar indígena e o processo de alfabetização em uma comunidade Kaingang no Paraná. 244f. Tese (Doutorado em Educação) –Universidade Estadual de Maringá. Orientadora: Rosangela Celia Faustino. Maringá, 2016.

MIEIB. Discutindo políticas de educação infantil e educação escolar indígena, 2006. Disponível em: . Acesso em 18 set. 2015.

MUKHINA, V. Psicologia na idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes,1995.

NASCIMENTO, A. C.; BRAND, A. J.; AGUILERA URQUIZA, A. H. A criança guarani/kaiowá e a questão da educação infantil. Série Estudos, Periódico do Mestrado em Educação da UCDB, Campo Grande, n. 21, p. 11-23, jul/dez. 2006.

NASCIMENTO, A. C; BRAND, A. J; AGULERA; URQUIZA, A. H. Entender o outro: a criança indígena e a questão da educação infantil. Caxambu: Trabalho Apresentado na 29º Reunião da ANPED, 2006.

NASCIMENTO, E. COSTA, R. Indígenas e trabalho infantil: da fronteira étnico-cultural à perspectiva de uma ação institucional diferenciada no Brasil. Argumenta Journal Law, Jacarezinho – PR, Brasil, n. 23., s/d. p. 129-158

NUNES, A. Brincando de ser Criança: contribuições da etnologia indígena brasileira à antropologia da infância. Lisboa, Portugal: Departamento de Antropologia do ISCTE, 2003. 341 f. Tese de doutoramento. Disponível em . Acesso em 15 set. 2020.

PARADISE, R. El conocimiento cultural en el aula: niños indígenas y su orientación hacia la observación. Infancia y Aprendizaje, 1991, p. 55; 73-85. DOI: https://doi.org/10.1080/02103702.1991.10822306

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL- COLÉGIO ESTADUAL INDÍGENA CACIQUE GREGÓRIO KAEKCHOT – EIEFEM. Terra Indígena Ivaí, 2016.

Proposta pedagógica e currículo em educação infantil: um diagnóstico e a construção de uma metodologia de análise/Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Departamento da Política de Educação Fundamental. Coordenação-Geral de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF/ DPEF/COEDI, 1996. 114p.

SILVA, A. R da; MOTA, M. L. Educação infantil na educação indígena: pontos e contrapontos. II Simpósio Luso Brasileiro em Estudos da Criança - Pesquisa com crianças: desafios metodológicos. Anais... 2014.

ROSEMBERG, F. Educação infantil e povos indígenas no Brasil: apontamentos para um debate. In: Discutindo políticas de educação infantil, educação escolar indígena: Recife-PE: MIEIB – Movimento Interfóruns de Educação Infantil no Brasil. Centro de Cultura Luiz Freire-CCLF. Edição: Margarida Azevedo, 2005.

ROSSATO, V. L. Educação infantil entre os Kaiowá e Guarani em Mato Grosso do Sul e suas implicações no Ava Reko. Comunicação apresentada no II Seminário Infância Criança Indígena está sendo organizado pela Universidade Federal de São Carlos, 2014. Disponível em: . Acesso em 08 de out 2015.

TIRIBA, L. Educação Infantil entre os povos Tupinambá de Olivença. 34ª Reunião Anual da ANPEd. Educação e Justiça Social. Natal, RN: Anped, 2011. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2014.

TROQUEZ, M. C. C. Educação infantil indígena na legislação e na produção do conhecimento. Horizontes – Revista de Educação, Dourados, MS, v.4, n.7, janeiro a junho 2016.

VIEIRA, D. da S. Crianças indígenas na cidade: a educação infantil no Centro Social Mitangue-Nhiri. X Seminário de Ciências Sociais - Tecendo diálogos sobre a pesquisa social. Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Ciências Sociais. Anais..., 2012.

VIGOTSKI, L. S. Obras Escogidas. Comisión editorial para la edición em lengua rusa. Academia de Ciencias Pedagógicas de la URSS, 1931.

VIGOTSKI, L. S. O desenvolvimento psicológico na infância. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, L. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. São Paulo: Ática, 2009.