Equações de 1° grau e estratégias para sua resolução por estudantes do 7° ano do ensino fundamental

Conteúdo do artigo principal

Beatriz Aparecida Silva Alves
Fabiana Fiorezi de Marco
https://orcid.org/0000-0002-7126-5626

Resumo

O presente trabalho apresenta reflexões sobre a formação do conceito de equações de 1° grau e as estratégias de resolução elaboradas por estudantes, sob a perspectiva da Teoria Histórico-Cultural (Vigotski, 1989; 1991; Leontiev, 1978; 1983) e da atividade de ensino (Moura, 2000; 2001; 2002). A pesquisa foi realizada com 27 estudantes do 7° ano do ensino fundamental de uma escola municipal de uma cidade do interior de Uberlândia/Minas Gerais, com faixa etária entre 12 a 15 anos. Para esse artigo, temos como objetivo analisar ações e reflexões dos estudantes possibilitadas pelas situações desencadeadoras que lhes foram apresentadas no processo de formação do conceito de equações de 1º grau e suas resoluções. Pelas análises, podemos inferir que conseguimos gerar a necessidade nos estudantes para que se envolvessem na proposta perfazendo um ambiente de construção do conhecimento teórico, propiciando a ruptura do pensamento mecânico. Além disso, foi possível perceber que esses estudantes foram envolvidos em um processo de ensino e de aprendizagem intencionalmente organizado, compreendendo as justificativas de suas ações mediante as necessidades que os mobilizaram.


 


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Alves, B. A. S., & de Marco, F. F. (2018). Equações de 1° grau e estratégias para sua resolução por estudantes do 7° ano do ensino fundamental . Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 1(4), 113–138. https://doi.org/10.14393/OBv2n1a2018-6
Seção
Dossiê Cont. teórico-metodológicas da Teoria Histórico-Cultural para a Educ Mat

Referências

ALVES,B.A.S. A álgebra na perspectiva histórico-cultural: uma proposta de ensino para o trabalho com equações de 1ºgrau. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Faculdade de Matemática, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2016.

BAUMGART, J. K. Tópicos de história da matemática para uso em sala de aula: álgebra. Trad. Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1992.

CARAÇA. B. J. Conceitos fundamentais da matemática.1 ed. Lisboa: Gradiva, 1951.

CEDRO, W. L. O espaço de aprendizagem e a atividade de ensino: O Clube de Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2004.

COLE, M.; SCRIBNER, S. Introdução. In: COLE, M. et al. (Orgs.). A formação social da mente. Tradução de José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LANNER DE MOURA, A. R. et al. Movimento conceitual: atividade de ensino e de pesquisa In: EBRAPEM - Encontro brasileiro de estudantes de pós graduação em educação matemática, 7., Rio Claro. Anais... 2003.

LANNER DE MOURA. A. R.; SOUSA, M.C. O lógico-histórico da álgebra não simbólica: dois olhares diferentes. Zetetiké — Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, SP, v. 13, n.24, p.11-45, 2005.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Editora Moraes Ltda, 1978.

_____. Actividad, consciência, personalidad. 2. ed. Habana: Pueblo y Educación, 1983.

LIMA, L.; TAKAZAKI, M.; MÓISES, R. P. Equações: o movimento se particulariza. São Paulo: CEVEC-CIARTE, 1998.

MARCO, F. F. Atividades computacionais de ensino na formação inicial do professor de matemática.Tese (Doutorado em Educação: Educação Matemática) — Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

MOURA, M. O. O educador matemático na coletividade de formação:uma experiência com a escola pública. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2000.

_____. A Atividade de Ensino como ação formadora. In: CASTRO, A. D. de; CARVALHO, A. M. P. de (Orgs.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, p.143-162, 2001.

______. A atividade de ensino como ação formadora. In: CASTRO, A. D.; CARVALHO, Ana Maria Pessoa de (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

_______. Pesquisa colaborativa: um foco na ação formadora. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.) Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Editora UNESP, 2004, p. 257-284.

MOURA, M. O. et al. A atividade Orientadora de Ensino como Unidade entre Ensino e Aprendizagem. In: MOURA, Manoel Oriosvaldo (Org.). A atividade pedagógica na teoria Histórico-Cultural.Brasília: Líber livro, 2010. p.81-110.

PANOSSIAN, M. L. O movimento histórico e lógico dos conceitos algébricos como princípio para constituição do objeto de ensino da álgebra.Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SOUSA, M. C. O ensino de álgebra numa perspectiva lógico-histórica:um estudo das elaborações correlatas de professores do Ensino Fundamental. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Faculdade de Educação. UNICAMP, Campinas, 2004.

SOUSA, M. C.; PANOSSIAN, M. L.; CEDRO, W. L. Do movimento lógico e histórico à organização do ensino: o percurso dos conceitos algébricos. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

_______. A formação social da mente:o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

_______. Obras Escogidas III–Problemas del desarrollo de la psique. 2 ed. Madrid: Visor Dis., S.A., 2001.