TRANSMISSÃO DE Pasteurella multocida PARA HUMANO ATRAVÉS DE MORDIDA DE GATO - RELATO DE CASO

Autores

  • Cristina da Costa Krewer Universidade Federal Santa Maria
  • Franciele Maboni UFSM
  • Niura Mazzini Witt
  • Sydney Hartz Alves LABAC
  • Agueda Palmira Castagna de Vargas UFSM

Palavras-chave:

Pasteurella multocida, homem, infecção, gatos

Resumo

Pasteurella multocida é um cocobacilo Gram negativo encapsulado que faz parte da microbiota de gatos, cães e outros animais domésticos e selvagens, nos quais pode causar principalmente pneumonia e septicemia. É transmitido ao ser humano pela mordida de animais, especialmente gatos. Este microrganismo provoca infecções de pele e tecidos adjacentes ao local da inoculação, podendo alcançar a corrente sangüínea e se disseminar pelo organismo. Em maio de 2004, na cidade de Santa Maria-RS, uma mulher sadia foi mordida no dedo indicador direito por seu gato. Após 24 horas, o braço apresentou-se hiperêmico e dolorido, com elevação da temperatura e edema no local da mordida. Passadas 48 horas, os sintomas permaneciam e surgiu uma pústula no local na mordida. Realizou-se coleta da secreção da pústula e semeadura em placas de ágar sangue ovino 5%, ágar colúmbia e caldo BHI. Com 24 h de incubação observou-se o crescimento de colônias grandes, acinzentadas, não hemolíticas, que apresentavam morfologia de cocobacilos gram negativos, e bioquimismo de Pasteurella multocida, confirmando a suspeita clínica. O teste de sensibilidade "in vitroâ€? aos antimicrobianos realizado foi condizente com o tratamento clínico recomendado amoxicilina + ácido clavulânico (500/125 mg três vezes ao dia) associada à pomada de fibrinolisina, desoxirribonuclease e sulfato de gentamicina, para uso tópico. Após 16 horas do início do tratamento observouse nítida redução da hiperemia local e edema, com completa resolução do caso, em cinco dias. Com esse relato, salienta-se a importância de cuidados com o contato, mordidas ou arranhões de animais domésticos, evitando deste modo a infecção de humanos por Pasteurella multocida, bem como, outros agentes infecciosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-10-14

Como Citar

da Costa Krewer, C., Maboni, F., Mazzini Witt, N., Hartz Alves, S., & Palmira Castagna de Vargas, A. (2008). TRANSMISSÃO DE Pasteurella multocida PARA HUMANO ATRAVÉS DE MORDIDA DE GATO - RELATO DE CASO. Veterinária Notícias - Vet Not, 14(1). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/18885

Edição

Seção

Artigos