INFUSÃO INTRA-ÓSSEA NA EMERGÊNCIA CLÃ?NICA VETERINÃ?RIA - RELATO DE CASO

Autores

  • PEREIRA, D.P. ICBIM - UFU
  • FERNANDES, S.M.L. Autonoma
  • SILVA, N.C. FAMEV - UFU
  • SILVA, T.L. FAMEV - UFU

Palavras-chave:

Infusão intra-óssea, emergências clínicas veterinárias, vias de administração.

Resumo

A via intra-óssea propicia uma excelente alternativa intravenosa em animais pequenos ou muito jovens, pacientes com trombose ou vasos colapsados. Relata-se alguns casos de pacientes emergenciais que deram entrada no Pronto Socorro Veterinário em Uberlândia-MG e passaram por infusão intra-óssea. Uma gata SRD, cinco anos em estado de choque toxêmico, hipotensão, anemia e com desidratação severa foi medicada por infusão intra-óssea com agulha hipodérmica 40X12 na fossa intertrocantérica do fêmur com solução Ringer® simples acrescido de uma ampola de glicose a 50% e tratamento para choque. A paciente respondeu muito bem seu estado clínico de choque, vindo a óbito dois dias após. Outro caso foi de um Ferret apresentando letargia, desidratação severa e inconsciência após histórico de crise convulsiva e desorientação. Foi realizada infusão intra-óssea com agulha hipodérmica 25X08 na fossa intertrocantérica do fêmur e infundido solução Ringer® simples, diazepan, cafazolina e tratamento suporte. O paciente recuperou-se muito bem e apesar de ter ficado com seqüelas neurológicas durante cerca de dois meses voltou às suas atividades normais. Um cão de oito semanas da raça Teckel apresentando desidratação grave decorrente de uma gastrenterite hemorrágica aguda, foi submetido à infusão intra-óssea, com agulha hipodérmica 40x12 na fossa intertrocantérica do fêmur, de solução Ringer® com lactato de sódio, metoclopramida, ranitidina, antibióticoterapia e medicação de suporte. Após dois dias de internação o paciente recebeu alta em excelente estado clínico. Para os efeitos práticos, fluidos administrados por via intra-óssea caem diretamente na corrente sangüínea. Conseqüentemente, as vantagens da via intravenosa também se aplicam à intra-óssea. Essa via é particularmente útil em pacientes muito desidratados, porquê a medula óssea não colapsa com a desidratação. Os locais mais utilizados para a administração intra-óssea são: tuberosidade da tíbia, fossa intertrocantérica do fêmur, asa do ílio, e tubérculo maior do úmero e nas aves utiliza-se a epífise distal da ulna. As principais complicações, embora raras, são osteomielite e dor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-02-12

Como Citar

D.P., P., S.M.L., F., N.C., S., & T.L., S. (2008). INFUSÃO INTRA-ÓSSEA NA EMERGÊNCIA CLÃ?NICA VETERINÃ?RIA - RELATO DE CASO. Veterinária Notícias - Vet Not, 12(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/18760

Edição

Seção

Artigos