Socio-Environmental Vulnerability to Drought in the Seridó Potiguar, Brazil: Building Indicators
PDF-pt (Português (Brasil))
PDF-en

Keywords

Drought
Vulnerability
Semi-arid
Serido Potiguar

How to Cite

DE BRITO, A. G. M.; DE ALMEIDA, L. Q. Socio-Environmental Vulnerability to Drought in the Seridó Potiguar, Brazil: Building Indicators. Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 35, n. 1, 2023. DOI: 10.14393/SN-v35-2023-67826. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/67826. Acesso em: 14 jul. 2024.

Abstract

Imprecise in space-time and with damaging effects, drought as a historical-natural phenomenon of high complexity has been afflicting the population of the Seridó Potiguar Region, located in the state of Rio Grande do Norte, Northeast Brazil. For centuries, the region, of state relevance, is part of the Brazilian semiarid region. This reality produces socio-spatial, socio-economic, and political-institutional conflicts. Considering this, and the fact that drought in the 21st century continues to reach disastrous proportions and cause harm to human systems, this research aimed to offer a partial overview of the socio-environmental vulnerability of the Seridó region to drought, focusing on seven key municipalities: Bodó, Caicó, Currais Novos, Ipueira, Jardim de Piranhas, Jucurutu, and Parelhas. The Drought Vulnerability Index (DVI) was applied to these municipalities, composed of the sub-indices of Exposure, Susceptibility, and Adaptive Capacity, based on socio-economic and physical-environmental variables, which were calculated, classified, and cartographically represented using the RGB color composition. After analyzing the results, it was found that the municipalities ranged from low to moderate vulnerability, which can be justified by the compensation between the variables themselves and the good indicators regarding social assistance, mixed economy, hydraulic infrastructure, and means of coping with the semiarid region.

https://doi.org/10.14393/SN-v35-2023-67826
PDF-pt (Português (Brasil))
PDF-en

References

ALMEIDA, L. Q. Riscos ambientais e vulnerabilidades nas cidades brasileiras: conceitos, metodologias e aplicações. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Catálogo de Metadados da ANA: semiárido. Arquivos Shapefiles, 2020. Disponível em: https://metadados.snirh.gov.br/geonetwork/srv/por/catalog.search#/metadata/3c8b249e-8ec3-4db1-b188-bab3c3c3240f. Acesso em: 24 jul. 2020.

BRASIL. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). Ministério da Economia. Perfil do Município: 2010-2017. Dados fornecidos através do Programa de disseminação das estatísticas do trabalho, 2017 Disponível em: https://bi.mte.gov.br/bgcaged/caged_perfil_municipio/index.php. Acesso em: 21 dez. 2019.

BRASIL. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (DATASUS). Ministério da Saúde. Informações em Saúde (TABNET): 2010. Disponível em: BRASIL. MINISTÉRIO DA CIDADANIA. Auxílio Brasil e Cadastro Único no seu município. 2017a. Disponível em: https://aplicacoes.cidadania.gov.br/ri/pabcad/. Acesso em: 30 jun. 2021.

BRASIL. Resolução nº 107, de 27 de julho de 2017. Estabelece Critérios Técnicos e Científicos Para Delimitação do Semiárido Brasileiro e Procedimentos Para Revisão de Sua Abrangência. Recife, Recife, PE, 27 jul. 2017b.

BRITO, A. G. M. Vulnerabilidade socioambiental à seca: uma perspectiva do Seridó Potiguar. 2021. 163f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2021.

BURITI, C. O.; BARBOSA, H. A. Um século de secas: por que as políticas hídricas não transformaram o semiárido brasileiro? São Paulo, SP: Chiado, 2018. 434 p.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. Ministério de Minas e Energia. Sistema de Informações de Águas Subterrâneas (SIAGAS). 2020. Disponível em: http://siagasweb.cprm.gov.br/layout/. Acesso em: 13 maio 2020.

DOMINGUES, F. Desertificação atinge 13% do semiárido brasileiro e ameaça conservação da caatinga. G1. August 20, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/natureza/desafio-natureza/noticia/2019/08/20/desertificacao-atinge-13percent-do-semiarido-brasileiro-e-ameaca-conservacao-da-caatinga.ghtml. Acesso em: 27 jan. 2020.

EMPARN – EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Rainfall Indexes: 1977-2017. Disponível em: http://www.emparn.rn.gov.br/. Acesso em: 03 set. de 2019.

ESTEVES, C. J. O. Risco e Vulnerabilidade Socioambiental: Aspectos Conceituais. Caderno Ipardes, Curitiba, v. 1, p.62-79, 2011.

HOGAN, D. J.; MARANDOLA JR., E. As dimensões da Vulnerabilidade. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 20, p.33-43, 2006. 434 p.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário 2017. Rio de Janeiro, 2010a. Disponível em: https://ibge.gov.br/. Acesso em: 02 mai. 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010b. Disponível em: http:// https://ibge.gov.br/. Acesso em: 16 fev. 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Malhas Territoriais 2020: Rio Grande do Norte. Arquivos Shapefiles, 2020. Disponível em: http:// https://ibge.gov.br/. Accessed on: jul. 24, 2020.

IGARN – Instituto de Gestão das Águas do Estado do Rio Grande do Norte. Ministério da Economia. Monitoramento Volumétrico. 2017. Disponível em: https://bi.mte.gov.br/bgcaged/caged_perfil_municipio/index.php. Acesso em: 04 fev. 2020.

INSS – INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Quantidade de benefícios emitidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, nos municípios brasileiros, segundo grupos de espécies. Brasília, 2017. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/pt-br. Acesso em: 16 fev. 2020.

JESUS, E. dos S.; MATTOS, A. Análise espaço temporal da evapotranspiração sobre a microrregião do Seridó no Estado do Rio Grande do Norte. HOLOS, [S. l.], v. 6, p. 22–32, 2013. https://doi.org/10.15628/holos.2013.1713.

MORAIS, H. A. R. Avaliação do programa um milhão de cisternas rurais (P1MC): eficácia, eficiência e efetividade nos territórios do Rio Grande do Norte (2003/2015). 2016. 85 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Administração, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016. https://doi.org/10.18764/2178-2865.v21n1p133-158

PAIVA, A. L.; OLIVEIRA, H. E. L.; GOMES, J. F. Memória social, políticas públicas e estratégias locais de enfrentamento da seca no Rio Grande do Norte. In: CONGRESSO NACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO., 2018, Natal. Anais [...] . Natal: Revista Conadis, 2018. p. 0-10.

ROSENDO, E. E. Q. Desenvolvimento de indicadores de vulnerabilidade à seca na região semiárida brasileira. 2014. 137 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Geografia, Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014.

SOUZA, J. L. SANTOS, M. P. S.; GUEDES, M. L. M.; ALMEIDA, L. Q. Água sobre rodas: Água sobre rodas: O uso de carros-pipa como medida de resposta à seca no Seridó Potiguar. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO, 1., 2016, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande: Realize, 2016. v. 1, p. 1 - 13.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Anderson Geová Maia de Brito, Lutiane Queiroz de Almeida

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...