Using statistical techniques to conduct the geo-environmental compartmentalization of Serra de Martins-RN, Brazil
PDF-pt (Português (Brasil))
PDF-en

Keywords

Systemic analysis
Serra de Martins
Multivariate analysis
Analysis of Clusters

How to Cite

MEDEIROS, J. F. de; CESTARO , L. A. Using statistical techniques to conduct the geo-environmental compartmentalization of Serra de Martins-RN, Brazil. Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 32, p. 404–415, 2020. DOI: 10.14393/SN-v32-2020-46691. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/46691. Acesso em: 24 feb. 2024.

Abstract

The systemic approach has been widely disseminated, with significant acceptance and applicability in geographic science, especially in Physical Geography. The geosystemic approach often refers only to the simple grouping of thematic information on the natural elements, using map overlay and visual interpretation as the main techniques for individualization and spatialization of homogeneous units. Thus, this article aims to present the geoenvironmental compartmentalization of Serra de Martins-RN, performed with support in the systemic approach and using multivariate cluster analysis as a technique for identification and spatialisation of geoenvironmental units. The methodological procedures used were: data treatment and analysis, unit taxonomy, physical-geographical descriptions, tabulation, and cartography. For the application of statistical techniques, a set of data was used involving geological, geomorphological, pedological, phytogeographical and land cover variables, from which the most significant ones were selected applying the Principal Component Analysis technique from the minimum variance. The method allowed to identify and to spatialize six Classes of Facies. In the end, it was verified that, although it requires a more in depth knowledge in data manipulation and in the use of complex techniques, the application of statistical treatment was objective and effective for the geoenvironmental compartmentalization.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-46691
PDF-pt (Português (Brasil))
PDF-en

References

ALENCAR, B. J. Análise multivariada aplicada ao tratamento da informação espacial: uma abordagem matemático-computacional em análise de agrupamentos e análise de componentes principais. Tese (Doutorado em Geografia e Tratamento da Informação Espacial) – Belo Horizonte: PUC. 2009.

BAILEY, R. G. Ecosystem Geography: From Ecoregions to Sites. 2ed. New York: Springer. 2009.

BARROS, J. S.; CASTRO, A. A. J. F. C. Compartimentação geoambiental no Complexo de Campo Maior, PI: uma área de tensão ecológica. Interações, Campo Grande, v. 8, n. 13, p. 119-130, 2006. https://doi.org/10.1590/S1518-70122006000200013

BRASIL. Decreto nº 4.297, de 10 de julho de 2002. 2002. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/cepsul/images/stories/legislacao/Decretos/2002/dec_4297_2002_zoneamentoecologico_economicodobrasil_zee_altrd_dec_7378_2010.pdf>. Acesso: Junho 06, 2015.

BRASIL. Decreto nº 5.300 de 7 de dezembro de 2004. 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5300.htm>. Acesso: Junho 25, 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável – Programa Zoneamento Ecológico-Econômico. Programa ZEE do Território Nacional: diretrizes metodológicas para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil. 3. ed. Brasília: MMA, 2006.

CARVALHO, R. G.; MEIRELES, A. J. A. Dinâmica Ambiental como critério para o zoneamento do litoral leste de Fortaleza - CE. Mercator, Fortaleza, v.7, n. 14, p. 166-178, 2008. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/217>. Acesso: July 07, 2015.

CAVALCANTI. L. C. de S. Da Descrição de Áreas à Teoria dos Geossistemas: Uma Abordagem Epistemológica sobre Sínteses Naturalistas. Tese (Doutorado em Geografia) – Recife: UFPE. 2013.

CAVALCANTI, L. C. S. Geossistemas de Curuçá, Bahia. Clio Arqueológica (Recife-UFPE), v. 32, n 3, p. 61-87. 2017. Disponível em: <https://www3.ufpe.br/clioarq/images/documentos/V32N3-2017/artigo3v32n3.pdf>. Acesso: Julho 07, 2015.

CESTARO, L. A.; ARAÚJO, P. C. MEDEIROS, C. N.; CISNEIROS, R.; ARAÚJO, L. P. Proposta de unidades geoambientais para o Rio Grande do Norte. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada – natureza, geotecnologia, ética e gestão do território, 2007, Natal. Anais... Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgard Blücher, 1999.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1980. 188 p.

HAIR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAMMER, O.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST – Paleontological Statistics, ver. 1.81 (http://folk.uio.no/chammer/past). 2008.

HOFFMANN, R. Componentes principais e análise fatorial. 4. ed. Piracicaba: ESALQ/USP, 1999.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Zoneamento Geoambiental do Estado do Maranhão: diretrizes gerais para ordenação territorial. Divisão de Geociências da Bahia, Salvador. 1997.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE. 2 ed. 2009. (Manuais Técnicos em Geociências).

ISACHENKO, A. G. Principles of landscape Science and physical-geographic regionalization. Melbourne: Melboune University Press, 1973.

LIMA, F. J.; CESTARO, L. A.; ARAÚJO, P. C. Sistemas geoambientais do municípo do Crato/CE. Mercator, Fortaleza, v. 9, n. 19, p. 129-142. 2010. https://doi.org/10.4215/RM2010.0919.0010.

PHILIPPS, J. D. Earth Surface Systems: Complexity, ordes and scale. Oxford: Blackwell, 1999.

RODRIGUES, J. M. M.; SILVA, E. V.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia das Paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 3. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

RODRIGUES, J. M. M.; SILVA, E. V. da. Planejamento e Gestão Ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria geossistêmica. 2. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2016.

ROGERSON, P. A. Métodos estatísticos para Geografia: um guia para o estudante. 3ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

ROSSETE, A. N.; SANTOS, J. E. Zoneamento Ambiental do Município de Querência (MT). In: SANTOS, J. E.; SILVA, C. J.; MOSCHINI, L. E. (Org.). Paisagem, biodiversidade e cultura. São Carlos: Rima Editora 2012, p. 01-32.

SALES. V. C. Geografia, sistemas e análise ambiental: abordagem crítica. Espaço e Tempo, São Paulo, n. 16, p.125-141, 2004. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2004.73959.

SANTOS, R. F. Planejamento ambiental: Teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004. 184 p.

SATO, S. E.; CUNHA, C. M. L. Carta de unidades geoambientais do município de Itanhaém, São Paulo, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 13, p. 329-342, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-88722013000300006>. Acesso: July 06, 2015.

SILVA, J. S. V; SANTOS, R. F. Zoneamento para o planejamento ambiental: vantagens e restrições de métodos e técnicas. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 21, n. 2, p. 221-263, 2004. Disponível em: <https://seer.sct.embrapa.br/index.php/cct/article/view/8710>. Acesso: JulHO 14, 2015.

SOTCHAVA, V. B. O estudo de geossistemas. São Paulo, Instituto de Geografia USP: Métodos em Questão, n. 16, p. 51, 1977.

SOTCHAVA, V. B. Introdução à Teoria do Geossistema. Novasibéria: Nauka, 1978.

SOUZA, M. J. N.; CARVALHO, G. M. B. S.; SANTOS, S. M.; OLIVEIRA, V. P. V.; CRUZ, L. B. Compartimentação Geoambiental do Estado do Ceará. Fortaleza: FUNCEME, 2009.

TRICART, J.; KIEWITDEJONGE, C. Ecogeography and rural management. Harlowl: Longman Scientific, 1992.

VICINI, L. Análise multivariada da teoria à prática. 2005. 215pf. Monografia (Especialização em Estatística e Modelagem Quantitativa no Departamento de Estatística) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 2005.

Authors hold the Copyright for articles published in this journal, and the journal holds the right for first publication. Because they appear in a public access journal, articles are licensed under Creative Commons Attribution (BY), which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...