A Rádio Excelsior e a contação de histórias no Recôncavo Baiano

a extensão universitária em ondas

Autores

  • Rony Henrique Souza Universidade do Estado da Bahia
  • Rosemary Lapa de Oliveira Universidade do Estado da Bahia
  • Liége Maria Queiroz Sitja Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2023-67147

Palavras-chave:

Extensão, Comunicação Radiofônica, Contação de Histórias, Educação

Resumo

Este texto versa sobre um projeto de extensão que consiste na contação de histórias no rádio. Por compreender a abrangência do rádio e como ele contempla várias esferas da sociedade, transitando, inclusive, entre as classes sociais, a presença da contação de histórias na Rádio Excelsior Recôncavo FM tem se configurado como um projeto fecundo. Neste trabalho, apresentamos, inicialmente, a importância do projeto de extensão como algo politicamente constituinte da essência universitária, dentro de uma perspectiva de saída. Paralelo a isso, situamos a rádio como um lugar/ponte entre a universidade e a sociedade dentro de uma das práticas culturais mais antigas da humanidade, que é a contação de histórias. A metodologia utilizada foi de cunho fenomenológico-descritiva, com o objetivo de colocar entre parêntese um fenômeno e situá-lo dentro de um universo de sentidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rony Henrique Souza, Universidade do Estado da Bahia

Doutorando em Educação e Contemporaneidade na Universidade do Estado da Bahia, Brasil; professor na rede estadual de educação da Bahia, Brasil; comunicador da Rádio Excelsior Recôncavo FM de Cruz das Almas, Bahia, Brasil; membro dos Grupos de Pesquisa Docência Universitária e Formação de Professores (DUFOP) e do Docência Universitária e Multirreferencialidade (GEDUM).

Rosemary Lapa de Oliveira, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia, Brasil; estágio pós-doutoral na Universidade do Estado da Bahia, Brasil; professora na Universidade do Estado da Bahia, Brasil; líder do Grupo de Pesquisa e Estudo em Leitura e Contação de Histórias (GPELCH); vice-líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Infância, Linguagens e EJA (FORINLEJA).

Liége Maria Queiroz Sitja, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia, Brasil; professora da Universidade do Estado da Bahia, Bahia, Brasil; líder do Grupo de Pesquisa em Docência Universitária e Multirreferencialidade (GEDUM); vice-líder do Grupo de Pesquisa em Docência Universitária e Formação de Professores (DUFOP).

Referências

ABRAMOVICH, F. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Sapione, 2003.

ALTUNA, R. R. A. A cultura tradicional banto. Luanda: Secretariado Arquidiocesano de Pastoral, 1985.

ANDRUETTO, M. T. Por uma literatura sem adjetivos. Tradução de Carmem Cacciacarro. São Paulo: Editora Pulo do Gato, 2012.

BÀ, A. H. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. História geral da África I: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190249POR.pdf. Acesso em: 24 jul. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 2011.

COLLINS, R.; COOPER, P. I. The power of story: teaching through storytelling. 2. ed. Illinois: Walveland Press, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

GURGEL, R. M. Extensão universitária: comunicação ou domesticação? São Paulo: Cortez, 1989.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. Tradução de Janaína Marcoantonio. 19. ed. Porto Alegre: L&PM, 2017.

JUNG, C. G. Psicologia do inconsciente. Tradução de Maria Luiza Appy. 24. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LÉVI-STRAUSS, C. A antropologia diante dos problemas do mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MANEN, M. V. El tacto en la enseñanza: el significado de la sensibilidade pedagógica. Tradução de Eliza Sanz Aisa. Barcelona: Paidós, 2010.

MATOS, G. A. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na contemporaneidade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

MEDEIROS, M. M. A extensão universitária no Brasil: um percurso histórico. Barbaquá, Dourados, v. 1, n. 1, p. 9-16, jan./jun. 2017. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/barbaqua/article/view/1447. Acesso em: 24 jul. 2021.

MORAES, F. Entre as ondas do rádio e as salas de aula: a contação de histórias no Brasil dos anos 40 aos anos 60 do século XX. In: GOULART, I. C. V.; LOBO, D. D. (org.). Os encantadores de histórias: sobre práticas orais, memórias e arte narrativa. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

OLIVEIRA, R. L.; ALMEIDA, R. L.; SANTOS, T. O. Enleituramento, um conceito que bem poderia ser freireano. In: GONÇALVES, M. C. S.; JESUS, B. G. (org.). Educação inclusiva: reflexões. Belo Horizonte: Poisson, 2020. DOI 10.36229/978-65-86127-86-7.CAP.13.

OLIVEIRA, R. L. A constituição do sujeito leitor pela via da contação de histórias. Sul-Sul Revista de Ciências Humanas e Sociais, Barreiras, v. 1, n. 2, p. 57-75, 2020. DOI 10.53282/sulsul.v1i02.750. Disponível em: https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/750. Acesso em: 24 jul. 2021.

OLIVEIRA, R. L. Pedagogia da rebeldia e enleituramento. Curitiba: Appris, 2019.

OLIVEIRA, R. L. Enleituramento na EJA. In: DANTAS, T. R.; DIONÍSIO, M. L. T.; LAFFIN, M. H. L. G. Educação de Jovens e Adultos: políticas, direito, formação e emancipação social. Salvador: EDUFBA, 2019.

ONG, W. J. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. São Paulo: Papirus, 2006.

PORFÍRIO, F. Mito da caverna. UOL Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/mito-caverna-platao.htm. Acesso em: 24 jul. 2021.

RIBEIRO, K. C. Contação de histórias: seguindo o curso de suas águas. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/21270/1/DISSERTACAO-VERSAOFINAL%20-%20Kelly%20Cristine.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.

STEIN, E. Pensar é pensar a diferença: filosofia e conhecimento empírico. Ijuí: UNIJUÍ, 2004.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo. 2. ed. Florianópolis: Insular, 2005.

ZUMTHOR, P. Tradição e esquecimento. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Hucitec, 2010.

Downloads

Publicado

28-04-2023

Como Citar

SOUZA, R. H.; OLIVEIRA, R. L. de; SITJA, L. M. Q. A Rádio Excelsior e a contação de histórias no Recôncavo Baiano: a extensão universitária em ondas. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 22, n. 1, p. 268–281, 2023. DOI: 10.14393/REP-2023-67147. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/67147. Acesso em: 21 jun. 2024.