Práticas populares de saúde no cuidado

prevalência de utilização em um distrito do interior do estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2020-53250

Palavras-chave:

Terapias complementares, Educação Popular em Saúde, Assistência Integral à Saúde, Participação da comunidade

Resumo

As práticas populares de saúde (PPS) são uma forma de manifestação cultural, presentes no cotidiano daqueles que buscam tratamento para além dos conhecimentos biomédicos. Foram introduzidas oficialmente no Sistema Único de Saúde (SUS) por meio da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) e da Política Nacional de Educação Popular em Saúde (PNEPS). Entretanto, há carência de diálogo efetivo entre as PPS e as práticas de cuidado biomédicas. O objetivo deste estudo foi levantar a prevalência do uso das PPS em um distrito do interior do estado de São Paulo. Foi realizada amostra estratificada da população do território, de acordo com sexo e faixa etária, aplicado um questionário e realizada análise estatística. Os dados revelaram alto índice no uso de algumas PPS e baixa procura por outras práticas, com diferenças de sexo e idade. Também apresentaram a frequência de uso do serviço de Atenção Básica. Práticas que requerem formação profissional especializada, como Acupuntura e Homeopatia, ainda não estão tão disseminados nesse território, apesar dos investimentos na PNPIC, enquanto benzimento e uso de ervas medicinais apresentam alto índice de uso. A população analisada está familiarizada com PPS e faz uso frequente de pelo menos uma das práticas sugeridas neste estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Sanches Rocha, Universidade Federal de São Carlos

Graduada em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil,  com período sanduíche na University of British Columbia, Canadá; Terapeuta Ocupacional no Centro de Convivência Espaço das Vilas, unidade do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira, Campinas, São Paulo, Brasil.

Aline Guerra Aquilante, Universidade Federal de São Carlos

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de São Paulo, Brasil; professora adjunta do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil.

Referências

AZEVEDO, D. A Igreja Católica e seu papel político no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 109-120, 2004. Doi: 10.1590/S0103-40142004000300009.

BARROS, N. F.; SIEGEL, P.; SIMONI, C. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: passos para o pluralismo na saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 12, p. 3.066-3.067, 2007. Doi: 10.1590/S0102-311X2007001200030.

BERNARDES, M. E. “Eu não acredito, mas não duvido”: a tessitura das identidades coletivas a partir do catolicismo popular e da crença nas assombrações em Caldas, Minas Gerais. 2018. 211 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual Paulista, Marília. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. 2017. Disponível em: http://www.lex.com.br/legis_27357131_portaria_n_849_de_27_de_marco_de_2017.aspx. Acesso em: 30 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html. Acesso em 30 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Parto e nascimento domiciliar assistidos por parteiras tradicionais: o Programa Trabalhando com Parteiras Tradicionais e experiências exemplares. Brasília: MS, 2010. 90 p. (Série C. Projetos, Programas e Relatórios).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Comitê Nacional de Educação Popular em Saúde - CNEPS. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CARREIRA, L.; ALVIM, N. A. T. O cuidar ribeirinho: as práticas populares de saúde em famílias da ilha Mutum, Estado do Paraná. Acta Scientiarum Health Sciences, Maringá, v. 24, n. 3, p. 791-801, 2002.

CRUZ, P. L. B.; SAMPAIO, S. F. As práticas terapêuticas não convencionais nos serviços de saúde: revisão integrativa. Revista de Atenção Primária à Saúde, Juiz de Fora, v. 19, n. 3, p. 483-494, jul.-set. 2016.

CRUZ, P.; VASCONCELOS, E. M. Desvelando processos formativos das práticas extensionistas em educação popular na saúde. Interagir: pensando a extensão, Rio de Janeiro, n. 27, p. 1-10, jan-jun. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: contagem populacional. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html. Acesso em: 15 fev. 2020.

KARDEC, A. O livro dos espíritos: princípios da Doutrina Espírita. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005.

MANDU, E. N. T.; SILVA, G. B. Recursos e estratégias em saúde: saberes e práticas de mulheres dos segmentos populares. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 4, p. 15-21, 2000. Doi: 10.1590/S0104-11692000000400003.

MANO, R. P. O sofrimento psíquico grave no contexto da religião protestante Pentecostal e Neopentecostal: repercussões da religião na formação das crises do tipo psicótica. 2010. 178 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) – Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

MARTA, I. E. R. et al. Benzimentos e benzedeiras: um estudo etnográfico sobre recursos terapêuticos tradicionais. In: Congresso Ibero-americano em Investigação Qualitativa, 8., 2019, Lisboa. Atas [...]. Lisboa: CIAQ, p. 1.080-1.089. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/CIAIQ2019/article/view/2222. Acesso em: 13 de fev. 2020.

OLIVEIRA, M. W. et al. Catálogo de práticas populares de saúde de São Carlos-SP, v. 3. [catálogo]. São Carlos: MAPEPS, 2011.

PRANDI, R. O Brasil com axé: candomblé e umbanda no mercado religioso. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 223-238, 2004. Doi: 10.1590/S0103-40142004000300015.

RAMOS, B. F. Ambulatório de homeopatia em unidade de saúde de pediatria: por que não continuar? Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 432-438, out-dez. 2018.

ROCHA, S. P. et al. A trajetória da introdução e regulamentação da acupuntura no Brasil: memórias de desafios e lutas. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 155-164, 2015. Doi: 10.1590/1413-81232014201.18902013.

RODRIGUES NETO, J. F.; FARIA, A. A.; FIGUEIREDO, M. F. S. Medicina complementar e alternativa: utilização pela comunidade de Montes Claros-MG. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 55, n. 3, p. 296-301, 2009. Doi: 10.1590/S0104-42302009000300022.

SIEGEL, P. Yoga e saúde: o desafio da introdução de uma prática não convencional no SUS. 2010. 217 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2010.

SILVA, M. I.; OLIVEIRA, H. B. Desenvolvimento de software com orientações sobre o uso de plantas medicinais mais utilizadas do sul de Minas Gerais. Brazilian Applied Science Review, Curitiba, v. 2, n. 3, p. 1.104-1.110, jul-set. 2018.

TOMELERI, K. R.; MARCON, S. S. Práticas populares de mães adolescentes no cuidado aos filhos. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 272-280, 2009. Doi: 10.1590/S0103-21002009000300006.

VASCONCELOS, E. M. Educação popular e atenção à saúde da família. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2015.

VASCONCELOS, E. M. Educação popular: de uma prática alternativa a uma estratégia de gestão participativa das políticas de saúde. Physis, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 67-83, 2004. Doi: 10.1590/S0103-73312004000100005.

VASCONCELOS, E. M. Redefinindo as práticas de saúde a partir de experiências de educação popular nos serviços de saúde. Interface, Botucatu, v. 5, n. 8, p. 121-126, 2001. Doi: 10.1590/S1414-32832001000100009.

VIEIRA, I. C. et al. Demanda de atendimento em práticas integrativas e complementares por usuários da Atenção Básica e fatores associados. Revista de Atenção Primária à Saúde, Juiz de Fora, v. 21, n. 4, p. 4.445-4.569, out.-dez. 2018. Doi: 10.34019/1809-8363.2018.v21.16559.

VIEIRA, M. R.; BONILHA, A. L. L. A parteira leiga no atendimento à mulher no parto e nascimento do seu filho. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 27 n. 1, p. 19-26, 2006.

Downloads

Publicado

13-07-2020

Como Citar

ROCHA, L. S.; AQUILANTE, A. G. Práticas populares de saúde no cuidado: prevalência de utilização em um distrito do interior do estado de São Paulo. Revista de Educação Popular, Uberlândia, p. 29–47, 2020. DOI: 10.14393/REP-2020-53250. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/53250. Acesso em: 15 abr. 2024.