Ensino de Física

vivências de uma unidade de aprendizagem antirracista em uma escola pública de Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Autores

  • Anderson Castro de Oliveira Rede Pública de Ensino do Rio Grande do Sul
  • Berenice Vahl Vaniel Universidade Federal do Rio Grande
  • Gilian Vinicius Dias Cidade Rede Estadual de Ensino do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.14393/rep-v18n12019-46354

Palavras-chave:

Ensino de Física, Relações Étnico-Raciais, Currículo

Resumo

Neste artigo traz-se resultados de uma investigação realizada em uma escola de ensino médio, da rede pública estadual de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. A pesquisa visou compreender como o ensino de Física pode contribuir para uma educação antirracista, a partir da vivência e análise de uma Unidade de Aprendizagem (UA) que articulou o ensino de diferentes conteúdos de Física – como força, pressão, torque, trabalho e potência – com as relações étnico-raciais. Para este fim, as tecnologias desenvolvidas por africanos/as e afro-brasileiros/as escravizados/as no período escravista criminoso no Brasil foram utilizadas na qualidade de recursos didático-pedagógicos. A UA teve foco no questionamento, no diálogo, na leitura, na escrita, bem como na construção de argumentos (GALIAZZI; GARCIA; LINDEMANN, 2004). Utilizou-se a Análise Textual Discursiva (ATD), de Moraes e Galiazzi (2013), e o corpus da pesquisa constituiu-se pelas produções escritas e diálogos dos estudantes e do professor. Evidenciou-se como resultados, que o processo de descolonização do currículo de Física envolve: exercitar um discurso contra-hegemônico, romper com as práticas que silenciam as contribuições africanas e afro-brasileiras; incluir demandas e discussões comprometidas com as relações sociais éticas que emergem da inquietude e das indagações dos estudantes articulados ao ensino dos diferentes conteúdos de Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Castro de Oliveira, Rede Pública de Ensino do Rio Grande do Sul

Mestre em Ensino de Física pela Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil; professor de Física da rede pública de ensino do Rio Grande do Sul, Brasil.

Berenice Vahl Vaniel, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Ciências pela Unviersidade Federal do Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil; professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande, Campus São Lourenço do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil

Gilian Vinicius Dias Cidade, Rede Estadual de Ensino do Rio Grande do Sul

Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil; professor de Sociologia na rede pública de ensino do Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

AARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. 5 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2018. p. 137-146.

BAZZO, W. A. Ciência, tecnologia e sociedade: e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: EDUFSC, 2017. 288 p.

BENITE, A. C.; SILVA, J. P.; ALVINO, A. C. Ferro, ferreiros e forja: o ensino de química pela Lei Nº 10.639/03. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 21, n. 3, p. 735-768, 2016.

BRASIL. Lei nº 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 de jan. 2003.

BRASIL. Lei nº 11.645/08, de 10 de março de 2008. Diário Oficial da União, Brasília, Df, 10 mar. 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e ações para a educação das relações étnico-raciais. Brasília, DF: SECAD, 2014. p. 262. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/orientacoes_etnicoraciais.pdf. Acesso em: 21 mar. 2019.

BRITO, A. A.; BOOTZ, V.; MASSONI, N. Uma sequência didática para discutir as relações étnico-raciais (Leis 10.639/03 e 11.645/08) na educação científica. Caderno brasileiro de Ensino de Física, v. 35, n. 3, p. 917-955, 2018. Doi: 10.5007/2175-7941.2018v35n3p917.

CACHAPUZ, A. et al. A necessária renovação do Ensino de Ciências. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2017. 264 p.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 8. ed. Ijuí: Unijuí, 2018. 368 p.

CHIQUETTO, M. J. O currículo de física do ensino médio no Brasil: discussão retrospectiva. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 1-16, 2011.

CUNHA JUNIOR, H. Tecnologia africana na formação brasileira. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016a. 54 p.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 62. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016b. 107 p.

GALIAZZI, M. C.; GARCIA, F. A.; LINDEMANN, R. Construindo caleidoscópios: organizando unidades de aprendizagem. In: MORAES, R.; MANCUSO, R. (org.). Educação em Ciências: produção de currículos e formação de professores. Ijuí: Editora da Unijuí, 2004. p. 65-84.

GOMES, N. L. Diversidade e currículo. In: Indagações sobre o currículo do ensino fundamental. Brasília, 2007. p. 30-33.

GOMES, N. L. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, jan-abr. 2012.

IPEAFRO. Adinkra. Disponível em: http://ipeafro.org.br/acoes/pesquisa/adinkra/. Acesso em: 21 mar. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 21 mar. 2019.

MENEZES, M. G.; SANTIAGO, M. E. Contribuição do pensamento de Paulo Freire para o paradigma curricular crítico-emancipatório. Revista Pró-Posições, Campinas, v. 25, n. 3, p. 45-46, 2014. Doi: 10.1590/0103-7307201407503.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí: Editora da Unijuí, 2013. 264 p.

MORAIS, R. F.; SANTOS, A. C. F. Lewis Howard Latimer e sua história aprisionada. Física na Escola, São Paulo, v. 15, n. 2, 2017, p. 19-23.

MUNANGA, K. A questão da diversidade e da política de reconhecimento das diferenças. Crítica e Sociedade: Revista de Cultura Política, v. 4, n. 1, p. 34-45. jul. 2014. (Dossiê: Relações Raciais e Diversidade Cultural).

MUSEU AFRO BRASIL. Arte, adorno, design e tecnologia no tempo da escravidão. Disponível em: https://artsandculture.google.com/partner/museu-afro-brasil. Acesso em: 21 mar. 2019.

NASCIMENTO, E. L. Introdução às antigas civilizações africanas. In: NASCIMENTO, E. L. (org.). Sankofa: a matriz africana no mundo. São Paulo: Selo Negro, 2008. p. 55-72.

OSOWSKI, C. I. Cultura do silêncio. In: STRECK, D. (org.). Dicionário Paulo Freire. 3. ed Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 101-102.

PONCZEK, R. I. L. Da Bíblia a Newton: uma visão crítica da mecânica. In: ROCHA, J. F. M. Origens e Evolução das ideias da Física. Salvador: EDUFBA, 2015. p. 374.

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. (org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 159-177.

SAUL, A. M. A construção do currículo na teoria e prática de Paulo Freire. In: APPLE, M. W.; NÓVOA, A. (org.). Paulo Freire: política e pedagogia. Porto: Porto Editora, 1998. p. 151-165.

SAUL, A. M.; SILVA, A. F. G. Uma leitura a partir da epistemologia de Paulo Freire: a transversalidade da ética na educação, currículo e ensino. Revista Cocar, Belém, v. 6, n. 11, p. 7-15, jan.-jul. 2012.

SAUL, A. M. Currículo. In: STRECK, D. (org.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 3. ed., 2017. p. 109-110.

SCOCUGLIA, A. C. As reflexões curriculares de Paulo Freire. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 6, n. 6, p. 81-92, 2009.

VERRANGIA, D.; SILVA, P. B. G. Cidadania, relações étnico-raciais e educação: desafios e potencialidades do Ensino de Ciências. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 3, p. 705-718, 2010. Doi: 10.1590/S1517-97022010000300004.

VERRANGIA, D. Educação científica e diversidade étnico-racial: o ensino e a pesquisa em foco. Revista Interacções, Lisboa, v. 10, n. 31, p. 2-27, 2014. Doi: 10.25755/int.6368.

Downloads

Publicado

13-06-2019

Como Citar

OLIVEIRA, A. C. de; VANIEL, B. . V. .; CIDADE, G. V. D. . Ensino de Física: vivências de uma unidade de aprendizagem antirracista em uma escola pública de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 18, n. 1, p. 54–71, 2019. DOI: 10.14393/rep-v18n12019-46354. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/46354. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais