Ação multidisciplinar na educação permanente de agentes comunitárias de saúde

Autores

  • Natália Ferreira Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Natália Madureira Ferreira Universidade Federal de Uberlândia
  • Nicole Geovana Dias Carneiro Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2017-40878

Palavras-chave:

Atenção Básica, Educação em Saúde, Educação Permanente

Resumo

A atenção básica deve ser o contato preferencial dos usuários e a principal porta de entrada para a rede de atenção à saúde por abranger a promoção e a proteção da saúde, objetivando desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas, nos determinantes e condicionantes de saúde das coletividades. As equipes de Saúde da Família (ESF) são compostas por diversos profissionais, dentre eles, destacamos as Agentes Comunitárias de Saúde (ACS) que cumprem papel estratégico junto à ESF. Sendo assim, o objetivo deste estudo é relatar a experiência da condução de um grupo com ACS, desenvolvido com metodologia participativa, com intuito de auxiliar no processo de educação permanente. As atividades de educação permanente foram realizadas em quatro Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF) e foram efetivados em quatro encontros. Acredita-se que a reorganização do processo de trabalho é favorecida pelo programa de educação permanente, uma vez que os ACS representam o elo inicial do trabalho. Por fim, constatamos que o desenvolvimento do projeto possibilitou refletirmos sobre o processo de construção da educação popular em saúde, consolidando conhecimentos que podem de fato promover saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Ferreira Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Graduanda em Fisioterapia na Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Natália Madureira Ferreira, Universidade Federal de Uberlândia

Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil; professora da Faculdade
de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil

Nicole Geovana Dias Carneiro, Universidade Federal de Uberlândia

Doutoranda em Saúde Pública na Universidade do Porto, Portugal; professora da Faculdade de Medicina da
Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. E-mail: nicole.geovana@gmail.com

Referências

ALBUQUERQUE, P. C.; STOTZ, E. N. A educação popular na atenção básica à saúde no município: em busca da integralidade. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 8, n. 15, 2004.

ALVIM, N. et al. Perspectiva problematizadora da educação popular em saúde e a enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 16, n. 2, 2007.

ÁVILA, M. Avaliação da formação técnica do agente comunitário de saúde no Ceará. Fortaleza: Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Ceará, 2010.

BACHILLI, R. et al. A identidade do agente comunitário de saúde: uma abordagem fenomenológica. Ciência & Saúde Coletiva, Cerquilho, v. 13, n. 1, p. 51-60, 2008.

BORNSTEIN, V. O agente comunitário de saúde na mediação de saberes. 2007. 243 f., Tese (Doutorado)

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2012. Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. O Trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Brasília, 2009. p. 84 Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_acs.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização: clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. Brasília, 2007. (Textos Básicos de Saúde. Série B).

______. Ministério da Saúde. Secretária Executiva. Programa Agentes Comunitários de Saúde: PACS. Brasília, 2001. p. 40. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pacs01.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2017.

FERNANDES, M. C. Educação em saúde: perspectivas de uma equipe da Estratégia da Saúde da Família sob a óptica de Paulo Freire. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 63, n. 4, p. 567-573, 2010. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000400011.

FEUERWERKER, L. et al. O Programa de Saúde da Família e o direito à saúde. Olho mágico, Londrina, v. 6, n. 22, p. 22-26, 2000.

FORTUNA, C. et al. Movimentos da educação permanente em saúde, desencadeados a partir da formação de facilitadores. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 2, p. 411-420, 2001. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000200025.

LIMA, A. C. et al. Educação popular e saúde no fortalecimento do controle social. In: CONGRESSO NACIONAL DA REDE UNIDA, 7., 2006, Curitiba. Anais... Curitiba: p. 15-18.

MACHADO, F. et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: um revisão conceitual. Ciência Saúde Coletiva, Fortaleza, v. 12, n. 2, p. 335-342, 2005. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000200009.

MALFITANO, A. P. et al. Educação popular, ações em saúde, demandas e intervenções sociais: o papel dos agentes comunitários de saúde. Caderno Cedes, Campinas, v. 29, n. 79, p. 361-72, 2009. doi: https://doi.org/10.1590/S0101-32622009000300006.

NUNES, M. de O. et al. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 6, p. 1.639-1.646, 2002. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000600018.

PAIM, J. S. Modelos de atenção e vigilância da saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 6, p. 567-71, 2003.

QUEIROZ, D. M. de; SILVA, M. R. F. da; OLIVEIRA, L. C. de. Educação permanente com agentes comunitários de saúde: potencialidades de uma formação norteada pelo referencial da Educação Popular e Saúde. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 18, n. 2, p. 1.199-1.210, 2014. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0303.

STOTZ, E. Enfoques sobre educação e saúde. Caderno de Educação Popular e Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. p. 46-57. (Textos Básicos em Saúde. Série B).

TOMAZ, J. O agente comunitário de saúde não deve ser um super-herói. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 6, n. 10, p. 75-94, fev. 2002.

VASCONCELOS, E. Educação popular: de uma prática alternativa a uma estratégia de gestão de gestão participativa das politicas de saúde. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, 2004, p. 67-83. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312004000100005.

______. Educação popular e atenção à saúde da família. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 332 p.

_______. Redefinindo as práticas de saúde a partir de experiências de educação popular nos serviços de saúde. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 5, n. 8, fev. 2001. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832001000100009.

_______. Espiritualidade, educação popular e luta política pela saúde. Revista de APS, Juiz de Fora, v. 11, n. 3, 2008.

Downloads

Publicado

09-01-2018

Como Citar

SILVA, N. F.; FERREIRA, N. M.; CARNEIRO, N. G. D. Ação multidisciplinar na educação permanente de agentes comunitárias de saúde. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 16, n. 3, p. 156–165, 2018. DOI: 10.14393/REP-2017-40878. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/40878. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais