Grupo psicoeducacional com em situação de violência contra filhos: relato de experiência

Autores

  • Amailson Sandro de Barros Universidade Federal de Mato Grosso
  • Maria de Fátima Quintal de Freitas Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/rep-v15n22016-rel02

Palavras-chave:

grupo de pais, violência doméstica contra crianças e adolescentes, grupo psicoeducacional

Resumo

Este estudo tem como objetivo apresentar o relato de uma experiência profissional interdisciplinar realizada no âmbito do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) de um município do interior do estado do Paraná, especificamente no atendimento a situações de violência doméstica. Participaram dessa experiência 19 pais, encaminhados ao CREAS para atendimento psicossocial e educacional devido a atos de violência por eles perpetrados contra seus filhos. Foram realizados 10 encontros semanais, cada um com duração de 90 minutos. Os resultados obtidos indicam boa participação dos pais nos grupos, mudanças na interação familiar e redução da violência doméstica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amailson Sandro de Barros, Universidade Federal de Mato Grosso

Professor do curso de Psicologia da UFMT, mestre em Educação pela UFPR, doutorando em Educação pela UFPR.

Maria de Fátima Quintal de Freitas, Universidade Federal do Paraná

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR,  Curitiba-PR. Mestre e Doutora em Psicologia Social (PUC-SP) e Pós-Doutora em Psicologia Comunitária (ISPA,Lisboa e Un.Porto, Portugal

Referências

ABRANCHES, C. D. de; ASSIS, S. G. de. A (in) visibilidade da violência psicológica na infância e adolescência no contexto familiar. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 5, p. 843-854, maio 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011000500003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 out. 2015.

AFONSO, M. L. M. (Org.). Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção psicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

ASSIS, S. G. et al. Situação de crianças e adolescentes brasileiros em relação à saúde mental e à violência. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 349-361, mar./abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000200002>. Acesso em: 8 de out. 2015.

BAZON, M. R. et al. Negligência infantil: estudo comparativo do nível socioeconômico, estresse parental e apoio social. Temas Psicologia, Ribeirão Preto, v. 18, n. 1, p. 71-84, 2010. . Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2010000100007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 3 dez. 2015.

B

BOARATI, M. C. B.; SEI, M. B.; ARRUDA, S. L. S. Abuso sexual na infância: a vivência em um ambulatório de psicoterapia de crianças. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 426-433, 2009. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 12822009000300008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 10 nov. 2015.

CAMPANA, N. T. C.; ANDERY, M. C. R.; MARIAN, I. da S. K. Família, violência e o trabalho na rede: possibilidades e desafios. Estilos Clínicos, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 166- 179, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S14151282013000100011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 2 jan. 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

FREITAS, M. de F. Q. Tensões na relação comunidade-profissional: implicações para os processos de conscientização e participação comunitária. In: LACERDA JR, F.; GUZZO, R. S. L. (Org.). Psicologia e Sociedade: interfaces no debate sobre a questão social. Campinas, SP: Alíena, 2010. p. 83-98.

_____. Psicologia social comunitária como politização da vida cotidiana: desafios à prática em comunidade. In: STELLA, C. (Org.). Psicologia Comunitária: contribuições e experiências. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 65-85.

LANE, S. T. M. O que é psicologia social? 22. ed. São Paulo: Brasiliense, 2002.

MARTIN-BAR

MINAYO, M C de S. Violência contra crianças e adolescentes: questão social, questão de saúde. Revista Brasileira Materno Infantil de Recife, Recife, v. 1, n. 2, p. 91-112, maio/ago. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-38292001000200002&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 nov. 2015.

MONTERO, M. A tensão entre o fortalecimento e as influências alienadoras no trabalho psicossocial comunitário e político. In: LACERDA JR, F.; GUZZO, R. S. L. (Org.). Psicologia e Sociedade: interfaces no debate sobre a questão social. Campinas-SP: Alínea, 2010. p. 65-82.

NEVES, A. S; ROMANELLI, G. A violência doméstica e os desafios da compreensão interdisciplinar. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 23, n. 3, p. 299-306, set. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2006000300009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 2 jan. 2016.

SANCHEZ, R. N.; MINAYO, M. C. de S. Violência contra crianças e adolescentes: questão histórica, social e de saúde. In: Violência faz mal a saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p. 29-38.

Downloads

Publicado

03-01-2017

Como Citar

DE BARROS, A. S.; QUINTAL DE FREITAS, M. de F. Grupo psicoeducacional com em situação de violência contra filhos: relato de experiência. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 15, n. 2, p. 137–148, 2017. DOI: 10.14393/rep-v15n22016-rel02. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/33748. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Relatos de experiência