Teatro amador e (re)existência

o Grupo de Teatro São Gonçalo do Bação

Autores

  • Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0001-7106-3592
  • Júlia de Castro Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.14393/OUV-v16n2a2020-54563

Palavras-chave:

Pedagogia do teatro, Comunidade, Prática teatral, Grupo de teatro amador

Resumo

O presente artigo traz à cena o Grupo de Teatro São Gonçalo do Bação para discutir as relações que envolvem a criação e formas de existência de um grupo de teatro amador em um contexto comunitário. Após uma pesquisa inicial para descobrir grupos amadores no Estado de Minas Gerais, elegemos o referido grupo para acompanhamento dos ensaios, conhecer mais de perto a comunidade na qual estava inserido e realizamos uma Entrevista Narrativa com o fundador e diretor do grupo, a fim de conhecermos os meandros da criação teatral e o processo de inserção na comunidade. Concluímos com essa pesquisa que grupos amadores (re)existem e realizam um trabalho artístico potente, inspirador e repleto de afetividade, sendo agentes culturais necessários para fortalecer o campo artístico e cultural no contexto do qual estão inseridos. Tensionam a política cultural local e nacional e são importantes fomentadores do teatro em lugares que há pouca, ou quase nenhuma manifestação artística. A força e a resistência de um grupo longevo demonstrou que, no coletivo, é possível existir e resistir ao tempo que amedronta e tolhe a criação artística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Carvalho de Figueiredo, Universidade Federal de Minas Gerais

Ricardo Carvalho de Figueiredo é professor do curso de graduação em Teatro e do Programa de Pós-Graduação em Artes da UFMG. Doutor em Artes (UFMG). Dedica-se à investigação no campo da Pedagogia do Teatro com ênfase em formação de professores, aprendizagem e prática em grupos de teatro amador.

Júlia de Castro Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Júlia Castro Oliveira é natural de Itabirito/MG e teve sua formação técnica em teatro pelo Atelier de Artes Integradas da cidade de Itabirito. É Licenciada em Teatro (UFMG).

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

FIGUEIREDO, R. C. de; OLIVEIRA, J. de C. Teatro amador e (re)existência: o Grupo de Teatro São Gonçalo do Bação. ouvirOUver, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 594–607, 2020. DOI: 10.14393/OUV-v16n2a2020-54563. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/54563. Acesso em: 9 dez. 2022.