Da Bossa Nova ao Clube da Esquina: diálogos e relações estético-musicais na Música Popular Brasileira

Autores

  • Sheyla Castro Diniz Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

DOI:

https://doi.org/10.14393/OUV16-v11n1a2015-13

Palavras-chave:

Música Popular Brasileira, Bossa Nova, Clube da Esquina, diálogos e relações estético-musicais

Resumo

Este artigo explora alguns aspectos estético-musicais que ligam duas manifestações da Música Popular Brasileira: a Bossa Nova e o Clube da Esquina. A primeira desenvolveu-se no Rio de Janeiro aproximadamente em 1958, ganhando, quase concomitantemente, sua vertente belo-horizontina pelas mãos dos músicos Pacífico Mascarenhas e Roberto Guimarães. A segunda refere-se a um conjunto de artistas "mineiros" que despontou no cenário fonográfico em 1967, tendo como principal expoente Milton Nascimento. Tal articulação permite-nos entender um pouco mais sobre os novos paradigmas lançados à produção da música popular no Brasil a partir do surgimento da Bossa Nova e como esta recebeu diferentes rearranjos em algumas canções do Clube da Esquina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheyla Castro Diniz, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Sheyla Castro Diniz é graduada em Ciências Sociais e em Música (instrumento violão) pela Universidade Federal de Uberlândia.

Downloads

Publicado

2015-12-31

Como Citar

DINIZ, S. C. Da Bossa Nova ao Clube da Esquina: diálogos e relações estético-musicais na Música Popular Brasileira. ouvirOUver, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 218–236, 2015. DOI: 10.14393/OUV16-v11n1a2015-13. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/30136. Acesso em: 7 out. 2022.