Ser ou não ser bilíngue: Os posicionamentos subjetivos de uma professora de inglês diante do Outro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL65-v32n3a2016-16

Resumo

As propostas da linguística para categorizar um indivíduo como bilíngue formam um espectro de possibilidades, e para torná-lo ainda mais extenso, uma abordagem psicanalítica nos oferece a possibilidade de tratarmos o tema pelo viés da singularidade, analisando como cada sujeito se inscreve discursivamente como sujeito bilíngue. Visto que me filio, aqui, ao pressuposto de que é no discurso, na relação com o Outro, que esse sujeito irá se constituir, temos que não haverá significantes que se esgotem para defini-lo como bilíngue. O corpus foi formado utilizando a metodologia dos Conversational rounds e a análise dos dizeres foi feita à luz das teorias da significação e dos quatro discursos esquematizadas por Lacan. Apresento alguns dizeres de uma professora a respeito do tema bilinguismo, destacando sua relação com a fala em língua inglesa. Pude observar giros discursivos, mas não constatei nenhum deslocamento subjetivo da professora em relação ao seu posicionamento como sujeito bilíngue, ou em relação à habilidade da fala. O principal resultado dessa pesquisa foi perceber que a definição de um sujeito bilíngue ultrapassa a singularidade de uma possível classificação para cada sujeito, uma vez que a cada giro discursivo o sujeito pode se dizer ou se colocar como sendo ou não bilíngue. Portanto, qualquer tentativa de significar o sujeito será tão evanescente quanto seus posicionamentos nos discursos. Este estudo contribui, assim, para que se considere o impossível na lida com as línguas e o modo singular como cada um lida com sua falta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arabela Vieira dos Santos Silva Franco, UFMG

Mestre em Estudos Linguísticos

Downloads

Publicado

2016-11-03

Como Citar

FRANCO, A. V. dos S. S. Ser ou não ser bilíngue: Os posicionamentos subjetivos de uma professora de inglês diante do Outro. Letras & Letras, [S. l.], v. 32, n. 3, p. 303–328, 2016. DOI: 10.14393/LL65-v32n3a2016-16. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/33642. Acesso em: 24 maio. 2022.