Olhares sobre o currículo para a formação de professores no primeiro curso superior de Matemática no Norte de Minas Gerais (1968-1978)

Conteúdo do artigo principal

Shirley Patrícia Nogueira de Castro e Almeida
http://orcid.org/0000-0002-4785-7963
Maria Laura Magalhães Gomes
http://orcid.org/0000-0003-2423-7750

Resumo

Este artigo apresenta olhares sobre o currículo para a formação de professores no primeiro curso superior de Matemática da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras (FAFIL), no Norte de Minas Gerais, nos anos 1968 a 1978. Realizamos uma investigação fundamentada em narrativas de memórias e em documentos educacionais da época. Nossos objetivos foram analisar aspectos dessas narrativas e dos documentos que apresentam indícios sobre o currículo adotado, o que se ensinava e aprendia no curso em foco e registrar nossas impressões sobre o tipo de professor de Matemática que se queria formar. Prestigiamos, em nosso trabalho, a metodologia da História Oral, com a preocupação de articular e fazer dialogar o oral e o escrito. Concluímos que os docentes desenvolviam suas práticas com o objetivo de formar bons professores de Matemática na perspectiva das teorias tradicionais do currículo e que o modelo de formação adotado era calcado no rigor, revelando que o ensino e a aprendizagem da Matemática eram destinados aos bem dotados intelectualmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Castro e Almeida, S. P. N. de ., & Gomes, M. L. M. . (2020). Olhares sobre o currículo para a formação de professores no primeiro curso superior de Matemática no Norte de Minas Gerais (1968-1978). Ensino Em Re-Vista, 27(2), 659–679. https://doi.org/10.14393/ER-v27n2a2020-12
Seção
Dossiê Currículos em Educação Matemática I

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. Impacto da pesquisa educacional sobre as práticas escolares. In: ZAGO, Nadir, CARVALHO, Marília Pinto; VILELA, Rita Amélia Teixeira. (Org.). Itinerários de pesquisa: perspectivas qualitativas em Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DPA, 2003, p. 33-48.

AMADO, Janaina; FERREIRA, Marieta de Moraes. (Org.) Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

ALMEIDA, Shirley Patrícia Nogueira de Castro; GOMES, Maria Laura Magalhães. Formação de professores de Matemática: o desafio de superação das urgências e carências no Norte de Minas Gerais (1960-1990). Educação, Escola & Sociedade, Montes Claros, v. 11 , n. 12, p. 38-50, jan./jun. 2018.

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Ensinar, aprender, apreender e processos de ensinagem. In: ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. (Org.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. reimp. Joinville: UNIVILLE, 2004, p. 15-44.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

BOURDIEU, Pierre. A distinção. Crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BRASIL. Documenta. Brasília, número 10. Publicação Oficial do Conselho Nacional de Educação, 1962.

CASTRO, Amélia Domingues de. A licenciatura no Brasil. Revista de História, São Paulo, v. 50, n. 100, tomo II, p. 627-652, out./dez. 1974.

FEBVRE, Lucien. Honra e pátria. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

GADDIS, John Lewis. Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

GARNICA, Antônio Vicente Marafioti. (Re)traçando trajetórias, (re)coletando influências e perspectivas: uma proposta em História Oral e Educação Matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; BORBA, Marcelo de Carvalho. (Org.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004, p. 151-163.

GARNICA, Antônio Vicente Marafioti. História Oral em Educação Matemática: outros usos, outros abusos. In: PACHECO, Edilson Roberto; VALENTE, Wagner Rodrigues (Org.) Coleção história da Matemática para professores. Rio Claro: Sociedade Brasileira de História da Matemática, 2007.

GARNICA, Antônio Vicente Marafioti.; FERNANDES, Déa Nunes. Licenciaturas em Matemática: um estudo sobre as concepções vigentes. UNESP: Bauru, 2002.

GARNICA, Antônio Vicente Marafioti.; FERNANDES, Déa Nunes; SILVA, Heloísa. Entre a amnésia e a vontade de nada esquecer: notas sobre Regimes de Historicidade e História Oral. Bolema, Rio Claro, v. 25, n. 41, 2011.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais, morfologia e História. Tradução de Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

LARROSA, Jorge. Algunas notas sobre la experiencia y sus lenguajes. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: UNESP, 2005, p. 19-24.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

MARTINS, Pura Lúcia Oliver. A Didática e as contradições da prática. Campinas: Papirus, 1998.

MOREIRA, Plinio Cavalcanti; FERREIRA, Ana Cristina. Entre o lugar da Matemática na Licenciatura em Matemática. Bolema, Rio Claro, v. 27, n. 47, p. 981-1005, dez. 2013.

PONTE, João Pedro da. Concepções dos professores de Matemática e Processos de Formação. Educação Matemática: Temas de Investigação, Instituto de Inovação Educacional, Lisboa, p. 185-239, 1992.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p.143-155, jan./abr. 2009.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3 ed. 5. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.