Saberes evidenciados nos documentos oficiais de âmbito federal para o currículo de cursos de licenciatura em Matemática

Conteúdo do artigo principal

Armando Traldi Junior
https://orcid.org/0000-0001-8337-3977
Reginaldo Guilhermino Cabral Libório
https://orcid.org/0000-0003-0929-5397

Resumo

O objetivo de pesquisa apresentado neste artigo é compreender os saberes explicitados nos documentos oficiais que normatizam a formação inicial do professor de matemática. O estudo desenvolvido é de natureza qualitativa e do tipo documental. A partir deste estudo é possível afirmar que os “saberes a ensinar” e os “saberes para ensinar” estiveram presentes nas normativas oficiais para a configuração curricular dos cursos de licenciatura em Matemática desde a implantação dos primeiros cursos. Porém, a ênfase estava prioritamente nos “saberes a ensinar”, pois a inserção da “matemática escolar” nos documentos oficiais ocorreu a partir de 1961, entretanto, ainda, sem considerar o contexto real da escola. É no documento publicado em 2002 que é  explicitada a real necessidade da articulação entre estes saberes. Neste sentido, pode-se afirmar a necessidade de se compreender um novo saber que é o amálgama entre estes saberes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Traldi Junior, A. ., & Libório, R. G. C. . (2020). Saberes evidenciados nos documentos oficiais de âmbito federal para o currículo de cursos de licenciatura em Matemática. Ensino Em Re-Vista, 27(2), 458–481. https://doi.org/10.14393/ER-v27n2a2020-3
Seção
Dossiê Currículos em Educação Matemática I

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4024.htm. Acesso em: 02 mar 2018.


BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 02 mar 2018.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 02 mar 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 9/2001, de 08 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível Superior, curso de licenciatura, de graduação Plena. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12636&Itemid=86 >. Acesso em: 02 mar 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP 01/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, em cursos de licenciatura de graduação plena. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12633&Itemid=86 >. Acesso em: 02 mar 2018.

BRASIL. Parecer CNE/CES 1.302/2001, de 06 de novembro de 2001. Diretrizes curriculares nacionais para os cursos de matemática, bacharelado e licenciatura. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf >. Acesso em: 02 mar 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2/2015, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file >. Acesso em: 02 mar 2018.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. Currículos mínimos dos cursos de graduação. 4. ed. Brasília, 1981.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. 5. reimpr. São Paulo: Atlas, 2012.

GOMES, M. L. M. Os 80 anos do primeiro curso de Matemática brasileiro: sentidos possíveis de uma comemoração acerca da formação de professores no Brasil. Bolema. Rio Claro, v. 30, n. 55, p. 424-438, 2016.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes,1995.

HOFSTETTER, R.; SCHNEUWLY, B. Saberes: um tema central para as profissões do ensino e da formação. In: HOFSTETTER, R.; VALENTE, W. R. (orgs.) Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores. São Paulo: Livraria da Física, 2017.

LIBORIO, R. G. C.; TRALDI Jr, A. Estudo exploratório de pesquisas relacionadas ao tema currículo de cursos de licenciatura em matemática. Educação Matemática Pesquisa, 2019. No prelo.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MOREIRA, P. C.; DAVID, M. M. M. S. A Formação Matemática do Professor: licenciatura e prática docente escolar. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SÃO PAULO. Decreto nº 6.283, de 25 de janeiro de 1934. Cria a Universidade de São Paulo e dá outras providências. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/norma/130436. Acesso em: 02 mar 2018.

SCHNEIDER, M. P. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica: das determinações legais às práticas institucionalizadas. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. 2007. Disponível em: < https://core.ac.uk/download/pdf/30371634.pdf> Acesso em: 28 nov 2018.