As concepções de linguagem e a formação de professores do ensino bilingue em Moçambique

Conteúdo do artigo principal

Dagoberto Buim Arena
https://orcid.org/0000-0001-9285-6487
Lourenço Alfredo Covane
https://orcid.org/0000-0002-3253-4918

Resumo

Este artigo propõe a reformulação dos planos curriculares de formação de professores primários em Moçambique, no que diz respeito às concepções da linguagem. Para os estudiosos do marxismo e filosofia da linguagem os quais apoiam este trabalho, a natureza da linguagem é social, por esse motivo deve ser estudada no meio das relações sociais onde ela acontece. A pesquisa privilegia a leitura de trabalhos académicos produzidos, principalmente no contexto nacional, passando pela análise dos planos curriculares de formação de professores primários e da legislação sobre o Sistema Nacional da Educação (SNE). As conclusões apontam que foram construídos, desde a Independência Nacional até a data de hoje, vários modelos de formação de professores primários e, em quase todos, domina uma abordagem fônica no ato de apropriação da linguagem, tanto na disciplina de português quanto na disciplina da língua materna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Arena, D. B. ., & Covane, L. A. . (2019). As concepções de linguagem e a formação de professores do ensino bilingue em Moçambique. Ensino Em Re-Vista, 26(Especial), 1034–1054. https://doi.org/10.14393/ER-v26nEa2019-4
Seção
Artigos

Referências

AGIBO, J. B. Formação de professores para o ensino básico em moçambique: análise do modelo de formação 10ª + 1 ano. caso dos institutos de formação de professores da província de nampula (2007-2016). 2017. 106f. Dissertação (Mestrado em educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências. Universidade Estadual Paulista – Unesp. Marília, 2017.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Fontes. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

_____________. Os géneros do Discurso. Sao Paulo: Editora 34, 2016.

_____________. Questões de Literatura e de Estética: A teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2002.

DARCH, C. As publicações da Frelimo: um estudo preliminar. Estudos Moçambicanos. Maputo, publicações da Frelimo, 1981, p. 102-120.

DONANCIANO, B.. A formação de professores primários em Moçambique desenvolvimento da competência docente dos formandos durante o estágio, no modelo 10ª+1+1. 2006. 185f. Dissertação (Mestrado em Educação/Currículo). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em Convénio com a Universidade Pedagógica de Maputo, 2006.

FARACO, C. A. GILBERTO de. Por uma teoria linguística que fundamente o ensino de língua materna (ou de como apenas um pouquinho de gramática nem sempre é bom). Educar em revista, 15, 1999, pp. 1-9. Disponível em .

JAKUBINSKIJ, L. Sobre a fala dialogical. Trad. Dóris de Arruda C. da Cunha e Suzana Leite Cortez. Parábola. São Paulo, 2015.

Lei 6/92 de 6 de Maio, do SNE adequada as disposições contidas na Lei nº 4/83. Boletim da República II SÉRIE-NÚMERO 19.

Lei nº 4/83 de 23 de Março, que aprova a Lei do Sistema Nacional de Educação e define os princípios fundamentais na sua aplicação. Publicada no Boletim da República, II SÉRIE- Número 12.

LIBÂNEO, José Carlos. Formação de Professores e Didática para Desenvolvimento Humano. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 629-650, 2015. Disponível em ˂https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/46132˃. Acessado em 29/jul/2019.

MAZULA, B. Educação, cultura e a ideologia em Moçambique. Maputo: Edições Afrontamento e Fundo Bibliográfico da Língua Portuguesa, 1995.

MINEDH. Relatório do Estudo Holístico da Situação do Professor em Moçambique, 2015. Maputo, MINEDH, 2017.

INDE/MINED, Plano Curricular do Ensino Básico (PCEB) – Objectivos, Política, Estrutura, Planos de Estudo, e Estratégias de Implementação. Maputo: INDE/MINED, 2003.

MOÇAMIQUE. Constituição da República Popular de Moçambique. Maputo, 23 de Dezembro de 1977: INLD. 1997.

MINED. Estratégia para formação de professores, 2004 – 2015: proposta política. Maputo: INDE, 2004.

NGUNGA, A.; BAVO, N. N. O. G. Práticas linguísticas em Moçambique: Avaliação da vitalidade linguística em seis distritos. Maputo: Autores, 2012.

NGUNGA, A.; FAQUIR, O. G. Padronização da Ortografia de Línguas Moçambicanas: Relatório do III Seminário. Maputo: Autores, 2012.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, 166, pp. 1106-1133, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cp/v47n166/1980-5314-cp-47-166-1106.pdf . Acesso em: 12 de Mar. 2019.

SHULMAN, L. Conocimiento y Enseñanza: fundamentos de la nueva reforma. Profesorado. Revista de Currículum y Formación del Profesorado, v. 9, n. 2, p. 1-30, 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2019.

STELLA, P. R. Palavra. In: BRAIT. (Org.). Bakhtin: Conceito-Chave. São Paulo: editora contexto, 2018. pp. 177 – 190.

TAMIR, P. Conocimiento Profesional Y Personal De Los Profesores Y De Los Formadores De Profesores. Revista de currículum y formación del profesorado, v. 9, n. 2, p. 1-10 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2019.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes, 2000.

VOLOCHÍNOV. V. N. A Construção da Enunciação e Outros Ensaios. São Paulo: Pedro & João Editores, 2013.

________. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2017.