Arquivos pessoais de professores: o que guardam e o que nos dizem?

Conteúdo do artigo principal

Libânia Nacif Xavier
https://orcid.org/0000-0003-4422-2118
Mychelle Nelly Maia Robert
https://orcid.org/0000-0003-4545-6979

Resumo

O artigo se remete ao Arquivo Pessoal do Professor Rubin Santos Leão de Aquino (1929-2013): professor de história de cursinhos pré-vestibulares da zona sul da cidade do Rio de Janeiro e ativo mediador intelectual, tendo atuado em programas de rádio; sindicatos e entidades dedicadas à luta em defesa dos direitos políticos, durante o regime militar. Está dividido em quatro  seções: a primeira reflete sobre a natureza dos arquivos pessoais de professores da educação básica; a segunda descreve o conteúdo do Arquivo em questão; a terceira articula as características pessoais de seu detentor com as marcas próprias de uma cultura profissional atinente aos professores de história do ensino médio; a quarta e última seção aponta os indícios e desafios que emergiram nas pesquisas que foram tecidas no diálogo entre a organização arquivística e as atividades de pesquisa com essas fontes documentais.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Xavier, L. N. ., & Robert, M. N. M. . (2021). Arquivos pessoais de professores: o que guardam e o que nos dizem?. Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e045. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-45
Seção
Dossiê - Traços que deixam traços: arquivos pessoais no tempo presente
Biografia do Autor

Libânia Nacif Xavier, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-4422-2118
http://lattes.cnpq.br/1009093134243267
libanianacif@gmail.com

Mychelle Nelly Maia Robert, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-4545-6979
http://lattes.cnpq.br/6934428044536567
michellerobert@gmail.com

Referências

BAHIA, Bruno. As negociações identitárias do professor de filosofia no Ensino Médio da escola pública no Rio de Janeiro: tempo, experiência e seu lugar na escola. 2016.330f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016.

BORGES, Jorge Luis. A Biblioteca de Babel. In: BORGES, Jorge Luis. Obras Completas: Ficções.v.1. São Paulo: Editora Globo, 1999.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: as artes de fazer; 16 Ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

CHARTIER, Roger (Org.) Práticas de leitura. São Paulo: Ed. Liberdade, 1998.

FARGE, Arlette. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2019.

GOMES, Ângela de Castro; HANSEN, Patrícia Santos. Intelectuais Mediadores: Práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.489p.

HEYMANN, L. Q. (1997). Indivíduo, memória e resíduo histórico. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, CPDOC-FGV, n.19, pp. 41-66.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. São Paulo: Contraponto, 2006.

MILLS, Charles Wright. Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2009.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da Revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro-São Paulo: Record, 2000.

SILVA, Amanda. Tempo e docência: dilemas, valores e usos na realidade educacional. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

SIRINELLI, Jean François. Os Intelectuais. In: REMOND, René. (Org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ-FGV, 1996.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

XAVIER, Libania Nacif. Relações e vínculos evocados no ato de ensinar. Tese apresentada à Faculdade de Educação da UFRJ para progressão à categoria de professora titular, outubro de 2018 (mimeo).