A Química no Estatuto da Faculdade de Filosofia de Coimbra (1772): origens de uma Disciplina

Conteúdo do artigo principal

Ademir Valdir dos Santos
http://orcid.org/0000-0002-5958-689X
Renato da Silva Custódio
https://orcid.org/0000-0003-0424-3790

Resumo

Objetiva caracterizar a origem e desenvolvimento da disciplina de Química no ambiente de embates entre a tradição humanista e a racionalidade científica em Portugal, no século XVIII. A metodologia empregada é a Análise de Conteúdo do Estatuto da Faculdade de Filosofia de Coimbra, considerando um diálogo com Chervel (1990) sobre a história das disciplinas escolares. Os resultados apontam aspectos referentes à Química em quatorze diretrizes. A Análise de Conteúdo permitiu construir três categorias relacionadas à gênese, organização e desenvolvimento da disciplina: objetivos, conteúdos e metodologia, com base numa categorização que admite o movimento entre a Química enquanto ciência de referência e como disciplina escolar, destacando palavras-chave como examinar, separar, corpo, substância, composição, afinidade, propriedade, combinação, misturas, comparação, lente/professor, teoria e experiência/prática/laboratório. Foram analisadas finalidades reais - relacionadas às práticas escolares - e finalidades de objetivo - prescritas no texto oficial, delineando a Química enquanto disciplina vinculada às transformações históricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Santos, A. V. dos ., & Custódio, R. da S. . (2020). A Química no Estatuto da Faculdade de Filosofia de Coimbra (1772): origens de uma Disciplina. Cadernos De História Da Educação, 19(2), 409–425. https://doi.org/10.14393/che-v19n2-2020-9
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Ademir Valdir dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil)

http://orcid.org/0000-0002-5958-689X
http://lattes.cnpq.br/3561356499117598
ademirvaldirdossantos@gmail.com

Renato da Silva Custódio, Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-0424-3790
http://lattes.cnpq.br/3558924452371552
renatodsc2@gmail.com

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

CARDOSO, T.F.L. As aulas régias no Brasil. In: In: STEPHANOU, M; CÂMARA BASTOS, M.H. (Orgs.) Histórias e Memórias da Educação no Brasil. Petrópolis: Vozes. 2004. v.I, p.179-191.

CHASSOT, A. Para que(m) é útil o nosso ensino de Química? 1994. 316 f. Tese (Doutorado em Educação) – PPGE. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1994.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n.2, 1990, p. 177-229.

FONSECA, M. R. M. Química. São Paulo: Ática, 2013.

GAUER, R. M. C. A modernidade portuguesa e a reforma pombalina de 1772. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

GIL, A. C. Metodologia do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2011.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

NUNES, C. T. F. M. Os Estatutos de 1772 da Universidade de Coimbra. In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação, VI. Anais. Vitória, 2011. Disponível em: /anais_vi_cbhe/conteudo/file/1405.doc+&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=BR>. Acesso em: 19 maio 2017.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.