Abordagem sócio histórica da creche em Portugal. O caso de Vila Nova de Gaia (1883-1971): entre o nacional e o local

Conteúdo do artigo principal

Eva Baptista
https://orcid.org/0000-0001-6880-9656

Resumo

As creches, durante a primeira centúria da sua existência, acolhiam crianças desde os primeiros meses de vida até à idade da entrada na escola e não até aos 3 anos como hoje são concebidas, aliando nos seus propósitos higienistas e eugénicos, não só a procura da redução da mortalidade infantil mas, também, a educação da criança em idade pré-escolar extensível à mãe, à família, à comunidade e à nação. Foi nosso objetivo perceber o processo de implementação destes espaços de modernidade educativa em Vila Nova de Gaia até à década de setenta do século XX, um território com especificidades geográficas e sociodemográficas favorecedoras de um acompanhamento económico e cultural aparentemente recetivo à criação e sustentação de creches. Cruzando o percurso da implementação das creches em Portugal com o caso gaiense, rastreamos os impulsos das filosofias educativas e os obstáculos físicos e económicos que fizeram a sociedade portuguesa tardar em encarar a primeira infância como uma prioridade e a encarar a creche sem preconceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Baptista, E. (2019). Abordagem sócio histórica da creche em Portugal. O caso de Vila Nova de Gaia (1883-1971): entre o nacional e o local. Cadernos De História Da Educação, 18(2), 503–525. https://doi.org/10.14393/che-v18n2-2019-13
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Eva Baptista, Universidade do Porto (Portugal)

https://orcid.org/0000-0001-6880-9656
evacristinabaptisa@gmail.com

Referências

ABREU, Carlos. Vaz, Ângelo Alves de Sousa. In: NÓVOA, António. Dicionário de Educadores Portugueses. Porto: ASA, 2003, p. 1418-9.

ALMEIDA, Paulo. A Maçonaria no Porto durante a 1.ª República. Lisboa: Chiado Editora, 2015.

BAIRRÃO, Joaquim e VASCONCELOS, Teresa. A educação pré-escolar em Portugal: contributos para uma perspetiva histórica. Inovação, n.º 10, p. 7-19, 1997.

BANDEIRA, Filomena. Assistir e educar a infância na modernidade: espaços de acolhimento, lugares de memórias. Lisboa: Santa Casa Misericórdia, 2010, p. 76-103.

BAPTISTA, Eva. Associação das Creches de Santa Marinha. Espaço de Modernidade Educativa. Vila Nova de Gaia: Associação das Creches de Santa Marinha/CITCEM, 2018.

CARDONA, Maria João. Para a história da educação da infância em Portugal: o discurso oficial (1834-1990). Porto: Porto Editora, 1997.

CARVALHO, Mônica. A invisibilidade social da creche como espaço educativo. Porto: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Dissertação de Mestrado, 2014. https://doi.org/10.21011/apn.2017.1207

CASTANHEIRA, Manuel Luís Pinto. Para a História da Educação de Infância em Portugal: o caso de Bragança (1934-1986). Universidade de Lisboa: Tese de Doutoramento, 2013. https://doi.org/10.17013/risti.27.109-125

CORREIA, Fernando António da Silva. A Misericórdia: a Santa Casa de Vila Nova de Gaia. Vila Nova de Gaia: Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Gaia, 2012. https://doi.org/10.32932/pjnh.2019.03.001

CORREIA, Fernando António da Silva. António Almeida da Costa. Vila Nova de Gaia: Santa Casa da Misericórdia, 2014.

COSTA, Virgília Braga da. As condições higiénico-sanitárias e as doenças infeciosas em Vila Nova de Gaia na 2.ª metade do século XIX e nos primeiros anos do século XX. Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia, vol. 10, n.º 60. Vila Nova de Gaia: ACAG, p. 45-48, 2005. https://doi.org/10.17925/enr.2015.10.02.157

DIAS, Regina Celia, CORREIA, José Alberto e PEREIRA, Maria de Fátima. A creche e a construção da cidadania de mulheres e crianças em Portugal. Revista Educação Pública. vol. 22, n.º 50. Cuiabá (Brasil), p. 665-685, 2017.

FELGUEIRAS, Margarida Louro. A educação e a escolarização da infância em Portugal (1910-1974). Linguagens, Educação e Sociedade: revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da UF, ano 17, n.º 26. Teresina (Brasil): Universidade Federal do Piauí, p. 17-42, 2012. https://doi.org/10.29280/rappge.v2i2.4342

FERREIRA, António Gomes; MOTA, Luís; VILHENA, Carla Cardoso. Discursos sobre a emergência da educação da infância formal em Portugal (1880-1950). Revista História da Educação (online). v.23: e.85647, 2019. https://doi.org/10.1590/2236-3459/85647

GOMES, Joaquim Ferreira. A educação Infantil em Portugal. Coimbra: Livraria Almedina, 1977.

GOMES, Joaquim Ferreira. Estudos para a História da Educação no século XIX. Coimbra: Livraria Almedina, 1980.

GUIMARÃES, Hercília; FERRAZ, Amélia Ricon. Sobre a mortalidade infantil (até aos 5 anos) na cidade do Porto e os meios de a evitar. Porto: Faculdade de Medicina, 2008. Facsimile de GARRETT, António de Almeida. Porto: Typ. A Vapor da Empresa Guedes, 1908. https://doi.org/10.23911/comentario_faculdade_de_medicinado_porto

LEANDRO, Maria Elisa. Lisboa, Irene do Céu Vieira. In: NÓVOA, António, dir. – Dicionário de Educadores Portugueses. Porto: Edições ASA, 2003, 773-784.

MAGALHÃES, Justino Pereira de. Para uma história da educação da infância em Portugal. Saber (e) Educar. n.º 2. Porto: ESE Paula Frassineti, p. 21-26, 1997.

MARQUES, A. H. Oliveira. Dicionário de Maçonaria Portuguesa. vol. 1. Lisboa: Delta, 1986.

MARTINS, Ernesto Candeias Martins. O discurso oficial da educação de infância: um antes e um depois. Revista Intersaberes. vol. 1, n.º 1, p. 101-136, 2006.

MARTINS, Ernesto Candeias. O discurso oficial da educação de infância: um antes e um depois. Revista Intersaberes. vol. 1, n.º 1, p. 101-136, 2006.

MIRANDA, Sacuntala. A base demográfica. In: MARQUES, A. H. de Oliveira (coordenador) Nova história de Portugal: Portugal da Monarquia para a República. vol. 11. Lisboa: Editorial Presença, p. 13-36, 1991.

PESSOA, Ana Maria Pires. A educação das mães e das crianças no Estado Novo: a proposta de Maria Lúcia Vassalo Namorado. Lisboa: Universidade de Lisboa/ Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Tese de doutoramento, 2005. https://doi.org/10.32932/rpia.2019.03.002

PIMENTEL, Irene Flunser. A assistência social e familiar do Estado Novo nos anos 30 e 40. Análise Social. vol. 34 (151-152), p. 447-508, 1999.

PINTO, Jorge. A creche em Portugal: entre uma perspetiva assistencialista e educacional. Mediações: revista OnLine da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal. vol. 3, n.º 2, 2015. https://doi.org/10.22355/exaequo.2017.36.05

REMA, Henrique Pinto (organização). Crónica do Centenário da Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição: 1871-1976. [S.l.: s.n.]. Braga: Tip. Editorial Franciscana, 2008.

SANTOS, Licínio. Cultura e Lazer Operários em Gaia, entre o final da Monarquia e o início da República (1893-1914). Vila Nova de Gaia: Amigos do Solar Condes de Resende-Confraria Queirosiana/ Edições Afrontamento, 2017. https://doi.org/10.21747/9789898351708/hist2017

SILVA, António. Torne: Um lugar na História 1868-2018. Vila Nova de Gaia: Igreja Lusitana Católica, Apostólica, Evangélica, 2018.

SILVA, Isabel Lopes da, (coordenação). Orientações curriculares para a educação Pré-Escolar. Lisboa: Ministério da Educação/ Direção-Geral da Educação (DGE), 2016. https://doi.org/10.19091/reced.v0i0.108

SOUSA, Fernando. A Maçonaria do Porto e a Revolta Republicana de 1861. Porto: Livros Horizonte, 1991, p. 391-409.

TADEU, Bárbara. A legislação portuguesa para a pequena infância: uma visão sociológica sobre a infância. Interacções, n.º 30, p. 159-175, 2014.

TEIXEIRA, Maria de Fátima. Companhia de Fiação de Crestuma: do fio ao pavio. Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto, 2017.

TOMÉ, Maria Rosa. A cidadania infantil na Primeira República e a tutoria de infância. A criação da tutoria de Coimbra e do Refúgio anexo. Revista de História da Sociedade e da cultura. t. 2. Coimbra: Centro de História da Sociedade e da Cultura/ Universidade de Coimbra, p. 481-500, 2010. https://doi.org/10.14195/1645-2259_10-2_6

VENTURA, António. Os Constituintes de 1911 e a Maçonaria. Círculo de Leitores e Temas e Debates, 2012, p. 95-96.