A EDUCAÇÃO BURGUESA EM VIAGENS DE GULLIVER: APONTAMENTOS PARA UMA LEITURA NA PERSPECTIVA HISTÓRICA DO TEXTO LITERÁRIO CLÁSSICO

Conteúdo do artigo principal

Ana Maria Esteves Bortolanza

Resumo

O estudo analisa aspectos da educação burguesa em Viagens de Gulliver (1726), que refletem o movimento de transição da sociedade feudal para a sociedade burguesa, no final do século XVII e início do século XVIII, na Inglaterra. O corpus eleito para a análise foi o sexto capítulo: Os costumes dos habitantes de Lilipute - sua literatura - suas leis e maneira de educar os filhos. A fonte é a primeira edição portuguesa da Editora W. M. Jackson, da coleção Clássicos Jackson. Pesquisa histórica cuja fundamentação teórica apoia-se em autores como Marx e Engels (1993), Alves (1993), Vygotsky (2006) e Swift (2005). Poder-se-ia afirmar que é uma sátira à educação das crianças inglesas, mas também a defesa de algumas ideias pedagógicas da sociedade feudal em decomposição, imbricadas no discurso da personagem Gulliver. O estudo constitui uma proposta de abordagem dos clássicos universais para compreender as contradições da sociedade desigual em que vivemos hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Bortolanza, A. M. E. (2015). A EDUCAÇÃO BURGUESA EM VIAGENS DE GULLIVER: APONTAMENTOS PARA UMA LEITURA NA PERSPECTIVA HISTÓRICA DO TEXTO LITERÁRIO CLÁSSICO. Cadernos De História Da Educação, 14(1). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/32110
Seção
Artigos