COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO EXOCARSTE DE NATIVIDADE E CHAPADA DA NATIVIDADE – TO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG249161623

Palavras-chave:

Compartimentação geomorfológica, Relevo cárstico, Natividade, Chapada da Natividade, Tocantins

Resumo

O sudeste do Tocantins caracteriza-se, dentre outros aspectos geográficos, pela presença de um carste bem desenvolvido, o que motivou a realização da compartimentação geomorfológica do relevo cárstico localizado nos municípios de Natividade e Chapada da Natividade. Neste sentido, este artigo objetivou tecer considerações sobre a influência dos fatores endógenos e exógenos na configuração da paisagem, enquanto eram definidas cada porção do relevo. Para tanto, com o auxílio das imagens dos satélites ALOS/Palsar, Sentinel 2A e da carta topográfica (SC.23-Y-C-IV), foram feitos mapas da rede de drenagem local, de altimetria, declividade, assim como a confecção de perfis topográficos e bloco diagrama, para melhor detalhamento do exocarste. In loco, o software Avenza Maps e os pontos espacializados no Google Earth Pro tornaram a navegação rápida e objetiva. A partir de então, dividiu-se a área em três compartimentos: Compartimento dos Planaltos Metassedimentares Não-Carbonáticos (PMNC), Compartimento dos Planaltos Carbonáticos (CPC) e Superfícies com Ocorrência de Dolinas (SCOD). O trabalho resultou ainda na elaboração de um mapa exploratório de fenômenos cársticos em escala de semidetalhe (1:50.000). O trabalho pode contribuir para a elaboração de políticas ambientais e servir de referência às novas pesquisas, auxiliando na produção de conhecimento mais detalhado do carste da região estudada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Péricles Souza Lima, Universidade Federal de Goiás

Doutorando em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (2021). Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins, com bolsa de demanda social da CAPES (2021). Graduado em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (2018). Tem experiência na área de Geografia Física, especificamente em Geomorfologia Cárstica, atuando, principalmente, nos seguintes temas: Compartimentação Geomorfológica, Infiltração, Condutividade Hidráulica e Análise da Paisagem. Espeleólogo, com participação em atividades realizadas no âmbito do (TEG) Tocantins Espeleogrupo e do (LGA) Laboratório de Análises Geo-Ambientais da UFT de Porto Nacional.

Fernando de Morais, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual do Tocantins(2000), mestrado em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto(2003), doutorado em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto(2007) e pós-doutorado pela Universidad de Zaragoza(2015). Atualmente é Professor Associado III da Universidade Federal do Tocantins, Membro de corpo editorial da Interface (Porto Nacional), Revisor de periódico da Interface (Porto Nacional), Revisor de periódico da Espeleo-Tema (São Paulo), Revisor de periódico do Caderno de Geografia (PUCMG. Impresso), da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Revisor de projeto de fomento da Fundação de Apoio e Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do MS, Revisor de periódico da Revista Brasileira de Geomorfologia e Revisor de periódico da Revista Brasileira de Geografia Física. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física. Atuando principalmente nos seguintes temas:eletrorresistividade, bacia hidrográfica, infiltração, condutividade hidráulica.

Downloads

Publicado

22-02-2023

Como Citar

LIMA, P. S.; MORAIS, F. de. COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO EXOCARSTE DE NATIVIDADE E CHAPADA DA NATIVIDADE – TO. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 24, n. 91, p. 346–365, 2023. DOI: 10.14393/RCG249161623. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/61623. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos