Dispositivo identitário e bandeira nacional

do autoritarismo às resistências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v5n1-2023-68018

Palavras-chave:

Discurso, Dispositivo identitário, Bandeira nacional, Autoritarismo, Resistência

Resumo

O artigo tem por objetivo problematizar o funcionamento da bandeira brasileira enquanto símbolo nacional e elemento do dispositivo identitário durante períodos autoritários, para posteriormente evidenciar os lugares de resistência construídos por meio de sua reativação. Para tanto, discute-se aquilo que se entende por dispositivo identitário, bem como sua operação por meio de diferentes elementos, para, na sequência, analisar o funcionamento discursivo da bandeira brasileira durante o Estado Novo, a Ditadura Militar, e mais recentemente, durante a convulsão social que culmina com a eleição de Jair Bolsonaro, em 2018. Para concluir, demonstram-se as formas de reativação desse símbolo, que possibilitam a resistência de grupos minorizados. Como perspectiva teórico-metodológica, este artigo ancora-se nos Estudos Culturais, a fim de discutir a construção das identidades e dos símbolos nacionais, em diálogo com os Estudos Discursivos Foucaultianos, a partir dos quais se adota o método arqueogenealógico para análise dos discursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacyane Dantas de Sousa, Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal da Paraíba (PROLING - UFPB), na área de concentração Linguística e Práticas Sociais. Pesquisadora do Observatório do Discurso (CNPQ).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? E outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BRASIL. Decreto de 18 de setembro de 1822 (1822). Dá ao Brazil um escudo de armas. 1822. Disponível em: https://www.camara.leg.br/internet/infdoc/conteudo/colecoes/legislacao/Legimp-F_16.pdf. Acesso em: 10 jan. 2023.

BRASIL. [Constituição (1934)]. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Brasília, DF. 1934. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm#:~:text=Constitui%C3%A7%C3%A3o34&text=Art%201%C2%BA%20%2D%20A%20Na%C3%A7%C3%A3o%20brasileira,15%20de%20novembro%20de%201889. Acesso em: 10 jan. 2023.

BRASIL. [Constituição (1937)]. Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 10 de novembro de 1937. Brasília, DF. 1934. Disponível em:https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao37.htm . Acesso em: 10 jan. 2023.

BRASIL. Decreto-Lei nº,4.545 de 04 de setembro de 1942. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos Símbolos Nacionais, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 04 set. 1942. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del4545impressao.htm. Acesso em: 10 jan. 2023.

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil?. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986.

DAMATTA, Roberto. Antropologia do óbvio. Notas em torno do significado do futebol brasileiro. Revista USP, Dossiê Futebol, São Paulo, v. 22, p. 10-19, 1994. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i22p10-17

DAMATTA, Roberto. Você sabe com quem está falando?: estudos sobre o autoritarismo brasileiro. 1 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2020.

DOYLE, Don. H.; PAMPLONA, Marco (org.) Nacionalismo no novo mundo: a formação dos Estados-nação no século XIX. Rio de Janeiro: Record, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. O Sujeito e o Poder. In: RABINOV, P.; DREYFUS, H. Michel Foucault: uma Trajetória Filosófica - para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 229-249.

FOUCAULT, Michel. Dits et écrits (Tome 2-1976-1988). Paris: Gallimard, 2001.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Resposta a uma questão. In: FOUCAULT, Michel. Repensar a política. Coleção ditos e escritos VI. Org. Manoel Barros da Motta. Trad. Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010, p. 1-25.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal (Introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil – 1). 51 ed. rev. São Paulo: Global, 2006.

GELLNER, Ernest. Nações e Nacionalismo. Trad. Inês Vaz Pinto. Lisboa: Gradiva, 1993.

GUEDES, Simoni Lahud; SILVA, Edison Márcio de Almeida da. O segundo sequestro do verde e amarelo: futebol, política e símbolos nacionais. Cuadernos de Aletheia, Buenos Aires, n. 3, p. 73-89, 2019.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 10 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LUZ, Milton. A história dos símbolos nacionais: a bandeira, o brasão, o selo, o hino. Brasília: Senado Federal, Secretaria Especial de Editoração e Publicações, 2005.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3 ed. São Paulo: Global, 2015.

SCHWARCZ, Lilia. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Maria Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

DANTAS DE SOUSA, J. Dispositivo identitário e bandeira nacional: do autoritarismo às resistências. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 16–39, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v5n1-2023-68018. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/68018. Acesso em: 15 jul. 2024.