Linguagem digital

os corpos heterotópicos dos videoclipes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v4n2-2022-66167

Palavras-chave:

Análise Discursiva, Videoclipes, Corpos Heterotópicos

Resumo

Esta pesquisa objetivou a compreensão de videoclipes como hipertextos, e se propôs a desenvolver uma análise crítica sobre produções de materialidades discursivas na ideia de corpo universal. A pesquisa foi bibliográfica, qualitativa, e partiu do questionamento heurístico: seriam as performances corporais, apresentadas nos videoclipes, possibilidades de materialização de corpos heterotópicos? A metodologia possuiu como base autores como Orlandi (2009), Deleuze (2005), Dias (2011), Souza (2006), e também nos apropriamos dos procedimentos metodológicos da arqueologia e da genealogia de Michel Foucault. Ao longo do processo, fizemos recortes de um videoclipe, no qual analisamos o corpo como resistência ao dispositivo da sexualidade. O videoclipe trazido como ferramenta de análise foi “Girl from Rio”, da cantora carioca Anitta, cujo hipertexto serviu como conceituação para exemplificar o imaginário discursivo que se construiu na ideia de mulher brasileira e nos moldes acerca da feminilidade tomada como correta e, sendo assim, utópica. O videoclipe também se tornou base para as reflexões foucaultianas sobre as marginalizações de corpos-outros, além de nos apresentar as Heterotopias na sua forma mais próxima dos conceitos filosóficos. Ao final da pesquisa, retomamos a pergunta que foi apresentada no início das discussões, e sendo assim, pudemos concluir que sim, os videoclipes funcionam como artificio de luta por espaço, de materialização e visibilidade dos corpos heterotópicos, corpos reais e, muitas vezes, silenciados e mutilados pelo dispositivo do exercício de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Huan Vynicius Campos Veiga, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduado em Letras - Português e Inglês pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM.

Danielle Gonzaga de Brito, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Professora do Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente – IEAA/UFAM.

Referências

ANITTA. Girl from Rio. Youtube, 30 abr. 2021. Disponível em: <https://youtu.be/CuyTC8FLICY>. Acesso em: 1 maio 2021.

DIAS, André Bonsanto. Formações e Análises Discursivas: as contribuições de Foucault e da Análise de Discurso para a interpretação do acontecimento midiático. In. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul – Londrina - PR – 26 a 28 de maio de 2011.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo. Capitalismo e esquizofrenia I. Lisboa: Assíro & Alvim, 2004.

FACHINETTO, Eliane Arbusti. O Hipertexto e as Práticas de Leitura. Revista Letra Magna, ano 2, n. 3, jul.-dez. semestre 2005. Disponível em: <http://www.letramagna.com/Eliane_Arbusti_Fachinetto.pdf >. Acesso em: 25 maio 2021.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber, tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975 – 1976) / Michel Foucault; tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes. 1999. (Coleção Tópicos).

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT, Michel. A ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 / Michel Foucault; tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 22. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012a.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do Saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012b.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: n-1 Edições, 2013.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e Revisão Técnica de Roberto Machado. – Rio de Janeiro, RJ: Graal. 2014.

FOUCAULT, Michel. Subjetividade e Verdade: curso no Collège de France (1980-1981). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

MILANEZ, N. As divas da Linguagem: a audiovisualidade dos corpos no videoclipe. In: HASHIGUTI, Simone T. (Org). O corpo e a imagem no discurso: gêneros híbridos. Uberlândia: EDUFU, 2019, p. 86-104.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

SOUZA. Sérgio Augusto Freire de. Conhecendo Análise de Discurso – Linguagem, Sociedade e Ideologia. Manaus: Editora Valer, 2006.

VEIGA-NETO, Alfredo. Teoria e método em Michel Foucault (im)possibilidades. Cadernos da Educação. Pelotas, v. 34, p. 83-94, set.-dez. 2009.

Downloads

Publicado

2023-01-31

Como Citar

CAMPOS VEIGA, H. V.; GONZAGA DE BRITO, D. Linguagem digital: os corpos heterotópicos dos videoclipes. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 120–140, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v4n2-2022-66167. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/66167. Acesso em: 20 jul. 2024.