Por um ensino de literatura discursivo e decolonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v4n1-2022-64494

Palavras-chave:

Ensino de Literatura, Discurso Literário, Linguística Aplicada, Círculo de Bakhtin

Resumo

Ao pensarmos novas formas de politização do discurso literário com horizonte em uma escolarização crítica e social da literatura, nos aproximamos dos estudos dialógicos do Círculo de Bakhtin e da agenda da Linguística Aplicada crítica organizada por Moita Lopes (2013; 2006), os quais nos permitem lançarmos um olhar de ação e intervenção que seja capaz de identificar modos de decolonizar as estruturas hegemônicas de produção do conhecimento que aparelham o cânone escolarizado e as formas de produzir sentidos e subjetividades sobre o texto literário na escola. Dessa forma, a partir dessas inscrições teóricas e do reconhecimento do poder humanizador da literatura, objetivamos discutir as potencialidades de um ensino de literatura discursivo que seja viável ao contexto da escola pública. Para tanto, propomos que o ensino-aprendizagem se dê por meio de práticas de letramento literário, as quais defendem a formação efetiva do leitor na escola, bem como se apresentam como uma ferramenta produtiva. Mais do que revelar um método para a escolarização da literatura, nosso estudo busca incitar reflexões sobre contextos escolares em que os professores de literatura, agentes de letramento, possam provocar transformações nas malhas do poder colonial e fazer emergir uma produção mais democrática e (trans)formativa de conhecimentos sobre o discurso literário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thyago Madeira França, Universidade Estadual de Goiás - UEG

Doutor em Estudos Linguísticos, docente da Universidade Estadual de Goiás (UEG) - Câmpus Sul, colíder do grupo de pesquisa “Laboratório de Estudos Polifônicos” (UFU) e pesquisador em Análise do Discurso e Linguística Aplicada.

Referências

ALMEIDA, Leonardo Pinto de. O conceito foucaultiano de literatura. Filosofia Unisinos, v. 9, n. 3, p. 269-280, set./dez. 2008. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/filosofia/article/view/5364>. Acesso em: 7 nov. 2021. DOI: https://doi.org/10.4013/fsu.20083.07

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de estilística no ensino da língua. Tradução, posfácio e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo; apresentação de Beth Brait; organização e notas da edição russa de Serguei Botcharov e Liudmila Gogotichvíli. São Paulo: Editora 34, 2013.

BARTHES, Roland. Aula. Tradução Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1989.

BRAIT, Beth. Lições de gramática do professor Mikhail M. Bakhtin. In: BAKHTIN, M. Questões de estilística no ensino da língua. Tradução, posfácio e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo; apresentação de Beth Brait; organização e notas da edição russa de Serguei Botcharov e Liudmila Gogotichvíli. São Paulo: Editora 34, 2013.

CANAGARAJAH, Suresh. Reconstructing Local Knowledge, Reconfiguring Language Studies. In: CANAGARAJAH, S. (Org.). Reclaiming the Local in Language Policy and Practice. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2005, p. 3-24. DOI: https://doi.org/10.4324/9781410611840

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011, p. 195-216.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

COSSON, Rildo; JUNQUEIRA, Renata. Letramento literário: uma proposta para a sala de aula. In: Caderno de Formação: formação de professores, didática de conteúdos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, v. 2, p. 101-108.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2009.

FIGUEIRA, Luís Fernando Bulhões. Literatura em discursividade: implicações, para o ensino de literatura, de posições epistemológicas da Teoria do Discurso. In: GUILHERME, M. F. F.; SANTOS, J. B. C. (Orgs.). Estudos Polifônicos em língua, literatura e ensino. Uberlândia: EDUFU, p. 229-252.

FOUCAULT, Michel. A Loucura, a Ausência da Obra. In: Ditos e Escritos I. Problematização do Sujeito: Psicologia, Psiquiatria e Psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999, p. 190-198.

FOUCAULT, Michel. Linguagem e literatura. In: MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: JZE, 2000, p. 137-174.

FRANÇA, Thyago Madeira. A discursividade literária em João Anzanello Carrascoza - por uma episteme do ensino de literatura. 2017. 228f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos), Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

FRANÇA, Thyago Madeira. Reflexões sobre uma escolarização responsiva e responsável da literatura: práticas de letramento literário. In: MICHELLI, R.; GARCÍA, F.; GREGORIN FILHO, J. N. (Orgs.). A literatura infantil/juvenil entre textos e leitores: reflexões críticas e práticas leitoras. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2020, p. 57-92.

FRANÇA, Thyago Madeira. Livro didático de língua portuguesa e o ensino de literatura na escola pública: caminhos possíveis. Cadernos Discursivos, [Dossiê Funcionamentos discursivos de livros didáticos e de materiais didáticos: possibilidades de análise e de trabalho], Catalão-GO, v. 1, n. 1, p. 85-104, 2021. Disponível em: <https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/595/o/Artigo_05.pdf>. Acesso em: 7 nov. 2021.

GUILHERME. Maria de Fátima Fonseca. Bakhtin e Pêcheux: atravessamentos teóricos. In: STAFUZZA, G.; PAULA, L. (Orgs.). Círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado das Letras, 2013.

KLEIMAN, Ângela Bezerra. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. p. 39-58.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. (Org.). Por uma Lingüística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

PÊCHEUX, Michel. O papel da memória. In: ACHARD, P. et al. O papel da memória. Campinas: Pontes, 2010, p.49-57.

PENNYCOOK, Alastair. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Lingüística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 67-84.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 84-130.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. São Paulo: Cortez, 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, João Bôsco Cabral dos. Por uma teoria do discurso universitário institucional. 2000. 236f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

SANTOS, João Bôsco Cabral dos. A polifonia no discurso literário. In: SANTOS, J. B. C. (Org.). Teorias Linguísticas – Problemáticas Contemporâneas. Uberlândia: EDUFU, 2003, p. 45-50.

SANTOS, João Bôsco Cabral dos. Panóptico da Discursividade Literária. In: FERNANDES, C. A.; GAMA-KHALIL, M. M.; ALVES JÚNIOR, J. A. (Orgs). Análise do Discurso na Literatura: rios turvos de margens indefinidas. São Carlos: Editora Claraluz, 2009, p. 160-175.

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

MADEIRA FRANÇA, T. Por um ensino de literatura discursivo e decolonial. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 85–102, 2022. DOI: 10.14393/HTP-v4n1-2022-64494. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/64494. Acesso em: 7 ago. 2022.