Processos grupais e atividade docente uma proposta interventiva para saúde psicológica

Conteúdo do artigo principal

Luciete Valota Fernandes
https://orcid.org/0000-0002-0582-4194

Resumo

A pesquisa investigou como o processo grupal pode ser um instrumento de resistência ao sofrimento, ao adoecimento e à alienação no trabalho docente. Apresenta como aportes teóricos a Psicologia Histórico-Cultural e a perspectiva histórico-dialética dos grupos humanos. Os procedimentos metodológicos basearam-se em uma palestra sobre “Saúde do Professor”, entrevistas de orientação e o processo grupal concreto. Os resultados principais demonstram que a reflexão coletiva sobre os elementos singulares e gerais da negatividade e da positividade do trabalho docente produzem contradições e avanços nas consciências pedagógicas. O processo grupal permite a satisfação de múltiplas necessidades humanizadoras que se transformam em motivos estimuladores das atividades individuais, quais sejam: motivos terapêuticos, motivos reveladores das dificuldades docentes, motivos de aprendizagem, motivos do trabalho coletivo, motivos reflexivos do processo saúde-doença e motivos afetivo-emocionais. A satisfação das necessidades humanizadoras, obliteradas no plano concreto da realidade escolar e social, produzem afetos positivos nos professores.  Essas constatações autorizam a defesa da tese de que a atividade grupal e coletiva gera processos de resistência ao sofrimento e à alienação no trabalho pedagógico e, por conseguinte, de saúde psicológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Fernandes, L. V. (2022). Processos grupais e atividade docente: uma proposta interventiva para saúde psicológica. Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 6(1), 106–130. https://doi.org/10.14393/OBv6n1.a2022-64387
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Luciete Valota Fernandes, Universidade Federal de Jataí - Brasil

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0582-4194

Referências

AGUIAR, W. M. J. Professor e educação: realidades em movimento. In: ROCHA, M; SOUZA, M. R. P.; TANAMACHI, E. (Orgs). Psicologia e educação: desafios teórico-práticos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. p.170-184.

ANTUNES, M. A. M. A Psicologia no Brasil: um ensaio sobre suas contradições. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 32, n. spe, p. 44-65, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500005.

ASBAHR, F. da S. R. Sentido pessoal e projeto político pedagógico: análise da atividade pedagógica a partir da psicologia histórico-cultural. 199f. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano), Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

ASBAHR, F. da S. R. “Por que aprender isso, professora?” Sentido e atividade de estudo na Psicologia Histórico-Cultural. 2011. 220f. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano), Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

BATISTA, A. S.; ODELIUS, C. C. Gestão democrática nas escolas e burnout nos professores. In: CODO, W. (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 333-337.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências Técnicas para Atuação de Psicólogos na Educação Básica. Brasília: CFP, 2013.

DALLA VECCHIA, M. Trabalho em equipe na atenção primária à saúde: o processo grupal como unidade de análise da dialética cooperação-trabalho coletivo. 2011. 228f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva), Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2011.

FACCI, M. G. D. Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigostskiana. 2003. 213 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar), Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara, 2003.

FERNANDES, L. V. Considerações teórico-metodológicas acerca do processo grupal na formação de professores. In: XI CONGRESSO NACIONAL DE

PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL, 2013, Anais. Uberlândia: Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 2013. p. 1-19.

FERNANDES, L. V. O processo grupal como resistência ao sofrimento e ao adoecimento docente: um estudo à luz da perspectiva histórico-dialética. 2015. 270 f. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano), Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

FIRBIDA, F. B. G.; VASCONCELOS, M. S. O desenvolvimento histórico da psicologia escolar crítica no Brasil. Psicologia em Estudo, v. 23, 15 nov. 2018. DOI: https://doi.org/10.4025/psicolestud.v23i0.40300.

HELLER, A. O cotidiano e a história, 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

LANE, S. T. M. O processo grupal. In: LANE, S. T. M.; CODO, W (Orgs.). Psicologia social: o homem em movimento. 13. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. 2 ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LEONTIEV, A. N. Actividad, consciencia y personalidad. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1983.

LUKÁCS. G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARTÍN-BARÓ, I. Sistema, grupo y poder: psicología social desde centroamérica II. San Salvador: UCA, 1989.

MARTINS, L. M. Análise sócio-histórica do processo de personalização de professores. 2001. 276f. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, 2001.

MARTINS, S. T. F. Educação científica e atividade grupal na perspectiva sócio-histórica. Ciência & Educação, Bauru, v. 8, n. 2, p. 227-235, 2002.

MARTINS, S. T. F. Processo grupal e a questão do poder em Martín-Baró. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 201-217, jan/jun. 2003.

MARX, K. Introdução [à Crítica da Economia Política]. In: GIANNOTTI, J. A. (Org.). Marx. Tradução José Arthur Gianotti, Edgar Malagodi. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p.103-25.

MOURA, M. O. et al. A atividade Orientadora de Ensino de ensino como Unidade entre Ensino e Aprendizagem. In: MOURA, M. O (Org.). A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. Brasília: Liber Livro, 2010. p. 81-109.

NETTO. J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização, Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set/dez. 2004.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo,1999.

PETROVSKI, A. V. Personalidad, Actividad y Colectividad. Trad. Alcira Kessler. Buenos Aires: Editorial Cartago, 1984.

PETROVSKI, A. V. Comentarios terminológicos. In:______. Teoria Psicologica Del Colectivo. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 1986, p. 301-309.

RÊSES, E. S. De vocação para profissão: organização sindical docente e identidade social do professor. 2008. 308f. Tese (Doutorado em Sociologia), Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

SÃO PAULO. Lei Complementar nº 1097, de 27 de outubro de 2009. Institui o sistema de promoção para os integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação e dá outras providências. Assembleia legislativa do estado de São Paulo. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei.complementar/2009/lei.complementar-1097-27.10.2009.html. Acesso em: nov. 2021a.

SÃO PAULO. Lei Complementar nº 1.078, de 17 de dezembro de 2008. Institui Bonificação por Resultados - BR, no âmbito da Secretaria da Educação, e dá providências correlatas. Assembleia legislativa do estado de São Paulo. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei.complementar/2008/lei.complementar-1078-17.12.2008.html. Acesso em: 01 nov. 2021b.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SILVA, F. G. O professor e a educação: entre o prazer, o sofrimento e o adoecimento. 2007. 408f. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

SOUZA, M. P. R. Psicologia Escolar e políticas públicas em Educação: desafios contemporâneos. Em aberto. Brasília, v. 23, n. 83. mar. 2010. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2255/2222. Acesso em: 08 dez, 2020.

SOUZA. B. de P. Funcionamentos escolares e a produção do fracasso escolar e sofrimento. In:______. Orientação à queixa escolar. Casa do Psicólogo: São Paulo, 2013. p. 241-278.

TANAMACHI, E. Mediações teórico-práticas de uma visão crítica em psicologia escolar. In: ROCHA, M; SOUZA, M. R. P.; TANAMACHI, E. (Orgs.). Psicologia e educação: desafios teórico-práticos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. p. 74-103.