(Rel)ações raciais e pesquisa-intervenção um percurso de formação continuada

Conteúdo do artigo principal

Maria Gabriela Neves
https://orcid.org/0000-0003-2885-1993
Orlando Afonso Camutue Gunlanda
https://orcid.org/0000-0003-1680-1294
Allan Henrique Gomes
https://orcid.org/0000-0001-5366-8600

Resumo

O presente artigo apresenta os resultados de uma pesquisa-intervenção com trabalhadoras do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) de uma cidade no sul do Brasil que teve o objetivo de investigar suas perspectivas acerca das relações étnico-raciais nos seus contextos de atuação profissional. Foram realizados três encontros na modalidade de oficinas estéticas com discussões sobre as relações étnico-raciais. Como resultados da pesquisa discute-se o percurso realizado com as trabalhadoras, enfatizando a formação continuada como possibilidade de construção de saberes que tensionam as relações étnico-raciais. Outro resultado refere-se aos recursos metodológicos dessa pesquisa-intervenção, pois se mostraram potentes no encontro com as/os trabalhadoras/es participantes. Por fim a pesquisa justificou a necessidade de criação de mais espaços de discussão e formação continuada de profissionais sobre as relações étnico-raciais e suas configurações no contexto das políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Neves, M. G. ., Gunlanda, O. A. C. ., & Gomes, A. H. (2020). (Rel)ações raciais e pesquisa-intervenção: um percurso de formação continuada. Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 4(3), 667–688. https://doi.org/10.14393/OBv4n3.a2020-58432
Seção
Dossiê: Psicologia Pedagógica em interface com estudos socioantropológicos numa

Referências

ALMEIDA, L. P. et al. Construindo intervenções na comunidade tamarindo através da escuta qualificada e do diálogo com a alteridade. Hum. & sociais aplicada, Campos dos Goytacazes, 16 (6), 59-64, 2016. DOI: https://doi.org/10.25242/887661620161042.

ALMEIDA, S. L. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ALVES, M. C.; JESUS, J. P. J.; SCHOLZ, D. Paradigma da afrocentricidade e uma nova concepção de humanidade em saúde coletiva: reflexões sobre a relação entre saúde mental e racismo. Saúde Debate. Rio de Janeiro, V. 39, n. 106, P. 869-880, jul-set. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201510600030025.

ANDRADE, L.; GOMES, A. H.; MAHEIRIE, K. Mediação audiovisual: uma tecnologia para a educação continuada de trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social. In: II Colóquio Luso-Brasileiro de Educação, 2016, Joinville. Anais do II COLBEDUCA - Colóquio Luso-Brasileiro de Educação, 2016. v. 1. p. 511-524.

AQUINO, P. S. et al. Análise do conceito de tecnologia na enfermagem segundo o método evolucionário. Acta Paul Enferm, 2010; 23(5), pp. 690-6. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000500017.

ARAÚJO, C. de L. Racismo e humor: o impacto de piadas nas expressões de racismo. 2016. 132 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. 2016.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Introdução e tradução de Paulo Bezerra. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoievski. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. (Revista). Rio de Janeiro: Forense, 2013.

BARROS, D. L. P. de. Contribuições de Bakhtin às teorias do discurso. In: Bakhtin: dialogismo e construção do sentido. Beth Brait (org). 2ª ed. rev. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2015.

BERTH, J. O que é empoderamento? Belo Horizonte (MG): Letramento: Justificando, 2018.

BENTO, M. A. S. Branqueamento e branquitude no Brasil. 2002. In. Psicologia Social do Racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. CARONE, I.; BENTO, M. A. S. (orgs.) ed. 6ª, 2014.

BRANDÃO, H. H. N. Escrita, leitura, dialogicidade. In: Bakhtin: dialogismo e construção do sentido. Beth Brait (org). Campinas: Editora da UNICAMP, 2015.

CAMPOS, G. W. S. A mediação entre conhecimento e práticas sociais: a racionalidade da tecnologia leve, da práxis e da arte. Ciência & Saúde Coletiva, 16(7): 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800002.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relações raciais: referências técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília: CFP, 2017.
CORES E BOTAS. Direção: Juliana Vicente. Produção de Preta Portê Filmes. São Paulo. Portal Curtas. 2010. 16 min. Disponível em . Acesso em: 23/04/2017.

ESPINOSA, B. Ética. (Tomaz Tadeu, Trad.). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERREIRA, A. C.; GROSSI, Y. S. A narrativa na trama da subjetividade: perspectivas e desafios. Economia & gestão, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 120-134, jan./jun. 2012.

GOMES, A. H. Mediação audiovisual e atividade imagética: um encontro com trabalhadoras no campo da desigualdade social. 2016. 155 f. Tese. (Doutorado em Psicologia) – Universidade de Santa Catarina, Florianópolis. 2016.

GOMES, A. H.; GUNLANDA, O. A. C. Entre telas e cenas da rua: a mediação audiovisual no encontro com vidas outras nas cidades. In: Juliano Del Gobo. (Org.). A psicologia frente ao contexto contemporâneo. Ponta Grossa: Antonella Carvalho de Oliveira, 2018, v.1, p. 80-94.

MENEGASSI, R. J.; CAVALCANTI, R. S. Conceitos axiológicos bakhtinianos em propaganda impressa. Alfa, São Paulo, v.57, n.2, p.433-449, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-57942013000200005.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL. 2017. Disponível em http://mds.gov.br/assuntos/assistencia-social/servicos-e-programas. Acesso em: 30/09/2017.

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira. Niterói: EDUFF; 2004.

NOGUEIRA, M. J. et al. Criação compartilhada de um jogo: um instrumento para o diálogo sobre sexualidade desenvolvido com adolescentes. Ciência & Educação, v. 17, n. 4, 2011, p.941-956. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132011000400011.

PEREIRA, L. C. A construção da identidade da mulher negra no Brasil. XV Congreso Internacional de Humanidades, Palabra y Cultura en América latina: Herencias y desafios. 2012, p. 34-49.

PEREIRA, V. T.; FREITAS, C. R.; DIAS, D. D. Violação de direitos no SUAS: a precarização da vida. Rev. Polis e Psique; 6(2): 25 – 44 2016. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2238152X2016000200003&lng=pt&nrm=iso.

REIS, A. C.; ZANELLA, A. V. Psicologia Social no campo das políticas públicas: oficinas estéticas e reinvenção de caminhos. Revista de Ciências Humanas, v. 49, n.1, p. 17-34, 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2015v49n1p17 .

RIBEIRO, A. B. et al. Desafios da atuação dos psicólogos nos CREAS do Rio Grande do Norte. Fractal, Rev. Psicol., v. 26 – n. 2, p. 461-478, Maio/Ago. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-0292/421.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento: Justificando, 2017.

ROCHA, M. L. Pesquisa-Intervenção e a Produção de Novas Análises. Psicologia Ciência e Profissão, 23 (4), 64-73, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932003000400010.

SANTOS, M. V. F.; SILVA, R. H. G.; SINQUEIRA, M. M. Tecnologias leves presentes na atenção de usuários de drogas em internação. Saúde & Transformação Social, v.7, n.2, Florianópolis, 2016, p.83-92.

SANTOS, D. J. S. et al. Raça versus etnia: diferenciar para melhor aplicar. Dental Press J. Orthod. vol.15. no. 3. Maringá, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S2176-94512010000300015.

SILVA, M. L. da. (org.). Instituto Amma Psique e Negritude. São Paulo: 2008.
SCHUCMAN, L., NUNES, S., & COSTA, E. A Psicologia da Universidade de São Paulo e as relações raciais: perspectivas emergentes. Psicologia USP, 28(1), 2017, 144-158. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-6564a20132413.

SCHUCMAN, L. V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese. Orientadora Leny Sato - São Paulo, 2012.

SCHUCMAN, L. V. Sim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. Psicologia & Sociedade, 26(1), 2014, 83-94. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000100010.

SCHUCMAN, L. V.; NUNES, S. S.; COSTA, E. S. A Psicologia da Universidade de São Paulo e as relações raciais: perspectivas emergentes. Psicologia USP, volume 28 (1), 2017, pp. 144-158. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-6564a20132413.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1ª reimpressão, São Paulo, Editora Companhia das Letras, 1995.

STRAPAZZON, A. L.; MAHEIRIE, K. Bons encontros como composições: experiências em um contexto comunitário. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 68 (2), Rio de Janeiro: 2017, pp. 114-127. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180952672016000200010&lng=pt&nrm=iso.

XADREZ DAS CORES. Direção: Marco Schiavon. Produção de Midmix Entretenimento. Rio de Janeiro. Portal Curtas. 2004. 22 min. Disponível em: http://portacurtas.org.br/filme/?name=o_xadrez_das_cores. Acesso em 23/04/2017.

ZANELLA, A. V. Atividade criadora, produção de conhecimentos e Formação de pesquisadores: algumas reflexões. Psicologia & Sociedade; 16 (1): 135-145; 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822004000100011.

ZANELLA, A. V. Arte, Resistência, Criação, Práticas em Psicologia Social: Alguns diálogos. In: As práticas da Psicologia Social com(o) movimentos de resistência e criação. Irme Salete Bonamigo, Celso Francisco Tondim e Karin Bruxel. Porto Alegre: ABRAPSO Sul, 2008.