Degradação de fitofisionomias do Cerrado e impactos erosivos hídricos lineares no sudoeste de Goiás – Brasil
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Cobertura e Uso do Solo
Impacto Ambiental
Análise Multitemporal
Erosão Linear

Como Citar

NUNES, E. D.; CASTRO, S. S. Degradação de fitofisionomias do Cerrado e impactos erosivos hídricos lineares no sudoeste de Goiás – Brasil. Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 33, 2021. DOI: 10.14393/SN-v33-2021-60606. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/60606. Acesso em: 10 ago. 2022.

Resumo

Mudanças na cobertura e uso do solo vêm se tornando um dos principais fatores de degradação ambiental, especialmente na forma de erosão dos solos. Neste contexto, nas últimas quatro décadas os ambientes de Cerrado passaram por intenso processo de conversão da cobertura vegetal em uso antrópico, em especial agricultura, solo exposto e, principalmente, pastagem. O objetivo deste trabalho é avaliar a relação entre essas mudanças e os processos erosivos hídricos, ressaltando as fitofisionomias mais afetadas e o consequente surgimento de áreas críticas quanto a degradação. A metodologia compreendeu a correlação entre a dinâmica do fator CP (cobertura/uso e práticas de manejo) de cada classe de fitofisionomia e uso de 1985 a 2014 e a densidade de focos e respectiva área de contribuição erosiva em 2014. Os resultados indicam que o período 1985-1995 foi marcado pela conversão de Cerradão, Cerrado Ralo e Cerrado Típico em Agricultura, Solo Exposto e Pastagem e no período 1995-2005 houve consolidação desses tipos de uso. No período 2005-2014 houve pouca conversão de fitofisionomias e aumento da consolidação por uso antrópico. As áreas com elevada densidade de focos, de até 3,5/km², e elevado percentual de contribuição erosiva de até 48 %, bem como aquelas em estágios críticos de degradação estão associadas à conversão dessas três fitofisionomias para Solo Exposto e, principalmente, Pastagem, ambos de elevados valores CP. Em todo o período 53,32 % da área de contribuição erosiva resultaram deste mesmo tipo de conversão e outros 33,88 % ocorreram em áreas nas quais em 1985 já predominavam esses mesmos tipos de uso e que permaneceram nessa condição por todo o período analisado.

https://doi.org/10.14393/SN-v33-2021-60606
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

AB’SABER, A. N.; COSTA JÚNIOR, M. Contribuição ao estudo do Sudoeste Goiano. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 3-26, 1950. Disponível em: https://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/boletim-paulista/article/view/1402/1260. Acesso em: 25 de março de 2020.

ALVES, W. S. et al. Análise da fragilidade ambiental da bacia do ribeirão das Abóboras, em Rio Verde, Sudoeste de Goiás. Revista Internacional de Ciencia y Tecnologia de La Información Geográfica, n. 19, p. 81-108, 2017. http://dx.doi.org/10.21138/GF.556.

ARNOUS, M. O.; EL-RAYES, A. E.; HELMY, A. M. Land-use/land-cover change: a key to understanding land degradation and relating environmental impacts in Northwestern Sinai, Egypt. Environ Earth Science, v. 7, n. 76, p. 263-283, 2017. http://dx.doi.org/10.1007/s12665-017-6571-3.

BARBALHO, M. G. S.; CASTRO, S. S. Compartimentação morfopedológica como subsídio ao planejamento do uso da terra das bacias dos rios Claro e dos Bois, Estado de Goiás. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v.3, n.2, p. 111-131, 2014. http://dx.doi.org/10.21664/2238-8869.2014v3i2.p111-131.

BAJOCCO, S. A. et al. The impact of land use/land cover changes on land degradation dynamics: A Mediterranean case study. Environmental Management, v. 49, n. 5, p. 978-989, 2012. http://dx.doi.org/10.1007/s00267-012-9831-8.

BRASIL, RADAMBRASIL, Projeto. Folha SE.22 Goiânia: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Rio de Janeiro: FIBGE, 1983. (Levantamento de recursos naturais, v. 31), 764 p.

BORGES, R. E. Complexos agroindustriais e desenvolvimento regional: O caso do sudoeste de Goiás. In: Encontro Nacional de Geografia Agrária, 21, Territórios em disputa: os desafios da Geografia Agrária nas contradições do desenvolvimento brasileiro, 2012, Uberlândia. Anais... Uberlândia: UFU, 2012. Disponível em: http://www.lagea.ig.ufu.br/xx1enga/anais_enga_2012/gts/1217_1.pdf. Acessado em: 09 de junho de 2020.

CAPITANI, C. et al. From local scenarios to national maps: a participatory framework for envisioning the future of Tanzania. Ecology and Society, v. 21, n. 3. p. 1-33, 2016. http://dx.doi.org/10.5751/ES-08565-210304.

CASTRO, B. L. G. Identificação de fitofisionomias do bioma Cerrado no estado de Goiás, por meio de aerogamaespectrometria e sensoriamento remoto. 2014. 210 p. Tese (Doutorado em Geociências Aplicadas) – Instituto de Geociências, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

DRAGO, V. A. et al. Contribuição ao estudo geológico do vale do Rio Araguaia. In: Simpósio de Geologia do Centro-Oeste, 1, 1981, Goiânia. Ata...Goiânia: SBG, 1981, p. 404-421.

ELLIS, E. C. Ecology in an anthropogenic Biosphere. Ecological Monographs, v. 85, n. 3, p. 287-331, 2015. https://doi.org/10.1890/14-2274.1.

FINDELL, A. K. et al. The impact of anthropogenic land use and land cover change on regional climate extremes. Nature Communications. v. 8, n. 989, p. 1-10, 2017. https://doi.org/10.1038/s41467-017-01038-w.

GRIGGS, D. M. et al. An integrated framework for sustainable development goals. Ecology and Society, v. 19, n. 4, p. 1-24. 2014. http://dx.doi.org/10.5751/ES-07082-190449.

HASSAN, Z. et al. Dynamics of land use and land cover change (LULCC) using geospatial techniques: a case study of Islamabad Pakistan. SpringerPlus, v. 5, n. 812, p. 1-11, 2016. http://dx.doi.org/10.1186/s40064-016-2414-z.

GRAZIANO DA SILVA, J. Do complexo rural aos complexos agroindustriais. In: GRAZIANO DA SILVA, J. A nova dinâmica da agricultura brasileira, 2ª ed.,Campinas: Instituto de Economia - UNICAMP, 1996. 217 p.

LACERDA FILHO, J. V. de; FRASCA, A. A. S. Compartimentação geotectônica. In: MOREIRA, M. L. O. et al. (Org.). Geologia do Estado de Goiás e do Distrito Federal. Goiânia: CPRM/SIC-FUNMINERAL, 2008. 143 p.

MENEZES, B. B. et al. Uso e ocupação agropecuária no cerrado brasileiro: transformações da paisagem e seus impactos ambientais no Estado de Goiás. In: Encontro de Geógrafos da América Latina, 12, 2009, Montevideo. Anais...Montevideo: 12° EGAL, 2009. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Procesosambientales/Impactoambiental/26.pdf. Acessado em: 12 de setembro de 2020.

MONTEIRO, C. A. F. Notas para o estudo do clima do Centro-Oeste brasileiro. Revista Brasileira de Geografia, v. 13, n. 1, 1951. p. 3 - 46. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/115/rbg_1951_v13_n1.pdf. Acesso em 22 de junho de 2020.

MOREIRA, M. L. O. et al. Geologia do Estado de Goiás e do Distrito Federal. Goiânia: CPRM/SIC-FUNMINERAL, 2008. 143 p.

NIMER, E. Climatologia da Região Centro-Oeste do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, ano 34, n. 4, p. 3-30, 1972. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/115/rbg_1972_v34_n4.pdf. Acesso em 22 de junho de 2020.

NUNES, E.D. Modelagem de processos erosivos hídricos lineares no município de mineiros - GO. 2015. 242 p. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

NUNES, E. D.; CASTRO, S. S. Compartimentação morfopedológica aplicada à distribuição de padrões espaciais de processos erosivos em solos frágeis – Município de Mineiros, GO. In: CASTRO, S. S.; HERNANI, L. C. (Orgs.). Solos Frágeis: Caracterização, manejo e sustentabilidade. Brasília, DF: Embrapa, 2015, p. 293-324.

OLIVEIRA, A. R. et al. A ocupação do Cerrado goiano pelo agronegócio canavieiro. Revista NERA, ano 21, n. 43, p. 79-100, 2018. https://doi.org/10.47946/rnera.v0i43.5525.

OLIVEIRA, I. J. Chapadões descerrados: relações entre vegetação, relevo, e uso das terras em Goiás. Boletim Goiano de Geografia, v. 34, n. 2, p. 311-336, 2014. https://doi.org/10.5216/bgg.v34i2.31734.

OLIVEIRA, J. S. Avaliação de modelos de elevação na estimativa de perda de solos em ambiente SIG. 2012. 103 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2012.

ÖZŞAHIN, E.; UYGUR, V. The effects of land use and land cover changes (LULCC) in Kuseyr plateu of Turkey on erosion. Turkish Journal of Agriculture and Forestry, v. 38, p. 478-487, 2014. https://doi.org/10.3906/tar-1306-86.

ÖZŞAHIN, E. et al. Land use and land cover changes (LULCC), a key to understand soil erosion intensities in the Maritsa Basin. Water v. 10, n. 3, 2018. https://doi.org/10.3390/w10030335.

PAULINO, H. B. et al. Atributos Bioquímicos do Solo Sob Diferentes Sistemas de Produção no Sudoeste Goiano. Global Science and Technology, v. 8, n. 2, p. 74-86, 2015. https://doi.org/10.14688/1984-3801/gst.v8n2p74-86.

PINTO, H. E.; WANDER, A. E. A formação econômica do Sudoeste Goiano e suas implicações à luz da teoria dos custos de transação. Revista Eletrônica de Economia da Universidade Estadual de Goiás, v. 12, n. 02, p. 29-41, 2016. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/economia/article/view/5034. Acesso em: 15 de outubro de 2019.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. (Edit.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. Cap. 6, p.151-212.

ROCHA, M. D. et al. II PND, o POLOCENTRO e o desenvolvimento do Estado de Goiás. UNINCOR- Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 12, n. 1, p. 682-692, 2014. http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v12i1.1459.g1208.

SCOPEL, I.; SOUSA, M.; MARTINS, A. P. Infiltração de água e potencial de uso de solos muito arenosos nos Cerrados (Savanas) do Brasil. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 33, n. 2, 2013, p. 45-61. https://doi.org/10.5216/bgg.v33i2.25556.

SILVA, R. B. M. et al. Relação solo/vegetação em ambiente de cerrado sobre influência do Grupo Urucuia. Ciência Florestal, v. 25, n. 2, p. 363 – 373, 2015. https://doi.org/10.5902/1980509818455.

SILVA, C. M. Entre Fênix e Ceres: a grande aceleração e a fronteira agrícola no Cerrado. Varia História, v. 34, n. 65, 409-444, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0104-87752018000200006.

SILVA, S. C. da; SANTANA, N. M. P. de; PELEGRINI, J. C. Caracterização climática do Estado de Goiás. Goiânia: Secretaria de Indústria e Comércio, Superintendência de Geologia e Mineração, 2006. 133 p.

STEIN, D. P.; DONZELLI, P.; GIMENEZ, A.F.; PONÇANO, W.L.; LOMBARDI NETO, F. Potencial de erosão laminar natural e antrópica na bacia do Peixe-Paranapanema. In: Simpósio Nacional de Controle de Erosão, 4, Marília, 1987. Anais, Marília, p. 105-135.

Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem em revista de acesso público, os artigos são licenciados sob Creative Commons Attribution (BY), que permite o uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que o trabalho original seja devidamente citado.

 
 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...