Avaliação de ensino e aprendizagem sobre Suporte Básico de Vida (BLS) em recrutas da Força Aérea Brasileira

Autores

  • Henrique Figueiredo Ottoni Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v14n12015_art04

Palavras-chave:

Medicina de emergência. Parada cardíaca extrahospitalar. Morte súbita cardíaca. Ressuscitação cardiopulmonar. Relações comunidade-instituição.

Resumo

O Basic Life Support (BLS) é um protocolo internacional de atendimento às vítimas de parada cardiorrespiratória (PCR) que tem como objetivo reduzir a morte e a incapacitação por doenças cardiovasculares. Com a divulgação dessa diretriz para a sociedade, é possível reduzir a morbimortalidade por essas doenças e prevenir a morte súbita cardíaca, já que o indivíduo treinado pode passar a atuar precocemente diante desses agravos. Em 2012, a Liga de Trauma, Reanimação e Emergência da Universidade Federal Fluminense (LiTRE-UFF) foi convidada a ensinar o BLS aos recrutas da primeira e da segunda turma do Curso de Formação de Soldados da Força Aérea Brasileira (FAB). Os monitores da Liga ministraram aula teórica e prática sobre o protocolo para 215 soldados. Foi distribuído um questionário sobre o BLS aos militares, que deveria ser respondido antes e depois do curso teórico-prático. Os resultados dessa intervenção foram positivos, na medida em que houve um aumento significativo do número de questões acertadas na avaliação pós-curso em relação à pré-curso, evidenciando a promoção e difusão do conhecimento sobre o BLS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Figueiredo Ottoni, Universidade Federal Fluminense

Graduado em Medicina pela Universidade Federal Fluminense

Referências

FREDRIKSSON, M; HERLITZ, J; NICHOL, G. Variation in outcome in studies of out-of-hospital cardiac arrest: a review of studies conforming to the Utstein guidelines. Am J Emerg Med, Philadelphia, v. 21, n. 4, p. 276-281, jul. 2003.

HERLITZ, J. et al. Efficacy of bystander CPR: intervention by lay people and by health care professionals. Resuscitation, London, v. 66, n. 3, p. 291-295, set. 2005.

HOLMBERG, M; HOLMBERG, S; HERLITZ, J. Effect of bystander cardiopulmonary resuscitation in out-of-hospital cardiac arrest patients in Sweden. Resuscitation, London, v. 47, n. 1, p. 59-70, set. 2000.

MEISSNER, T. M.; KLOPPE, C.; HANEFELD, C. Basic life support skills of high school students before and after cardiopulmonary resuscitation training: a longitudinal investigation. Scandinavian Journal of Trauma, Resuscitation and Emergency Medicine, London, v. 20, n. 31, p. 20-31, abr. 2012.

STRATTON, S. J.; RASHI, P. Out-of-hospital unwitnessed cardiopulmonray collapse and nobystander CPR: a practical addition to resuscitation termination guidelines. J Emerg Med, New York, v. 35, n. 2, p. 175-179, ago. 2008.

SWOR, R. et al. CPR training and CPR performance: do CPR-trained bystanders perform CPR? Acad Emerg Med, Philadelphia, v. 13, n. 6, p. 596-601, jun. 2006.

TANIGAWA, K. et al. Are trained individuals more likely to perform bystander CPR? An observational study. Resuscitation, London, v. 82, n. 5, p. 523-528, maio 2011.

Downloads

Publicado

2015-08-12

Como Citar

FIGUEIREDO OTTONI, H. Avaliação de ensino e aprendizagem sobre Suporte Básico de Vida (BLS) em recrutas da Força Aérea Brasileira. Revista Em Extensão, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 76–90, 2015. DOI: 10.14393/REE-v14n12015_art04. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/29059. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais