As práticas integrativas e complementares nos cursos da saúde de universidades públicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2022-67311

Palavras-chave:

Práticas Complementares, Promoção da Saúde, Sistema Único de Saúde, Educação Superior

Resumo

O ensino em Práticas Integrativas e Complementares (PICS) vem sendo, aos poucos, introduzido em cursos de graduação da área da saúde. O presente artigo avalia a oferta de ensino em PICS na graduação dos referidos cursos por meio de um estudo documental exploratório de 17 cursos de graduação da área da saúde de duas Instituições de Ensino Superior (IES) públicas do Nordeste do Brasil. Foi realizada a análise dos projetos pedagógicos, ementários e matrizes curriculares nas páginas eletrônicas das IES e caracterizou-se o curso, a oferta, as disciplinas, a carga horária e a modalidade terapêutica das PICS ensinadas. Nas IES, observaram-se 30 disciplinas, 12 obrigatórias e 18 optativas, sendo 17 com carga horária de 30-32 horas. As modalidades mais ofertadas são Fitoterapia, Homeopatia e Acupuntura/Medicina Tradicional Chinesa, e os cursos com maior disponibilidade de disciplinas foram Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia. Conclui-se que a inserção do ensino em PICS nos cursos da saúde nas duas IES, embora abrangente, é fragmentada e isolada em disciplinas pontuais, principalmente, no formato optativo, deixando muitos estudantes sem o conhecimento das PICS, seus pressupostos teóricos e práticas terapêuticas.

O ensino em Práticas Integrativas e Complementares (PICS) vem sendo, aos poucos, introduzido em cursos de graduação da área da saúde. O presente artigo avalia a oferta de ensino em PICS na graduação dos referidos cursos por meio de um estudo documental exploratório de 17 cursos de graduação da área da saúde de duas Instituições de Ensino Superior (IES) públicas do Nordeste do Brasil. Foi realizada a análise dos projetos pedagógicos, ementários e matrizes curriculares nas páginas eletrônicas das IES e caracterizou-se o curso, a oferta, as disciplinas, a carga horária e a modalidade terapêutica das PICS ensinadas. Nas IES, observaram-se 30 disciplinas, 12 obrigatórias e 18 optativas, sendo 17 com carga horária de 30-32 horas. As modalidades mais ofertadas são Fitoterapia, Homeopatia e Acupuntura/Medicina Tradicional Chinesa, e os cursos com maior disponibilidade de disciplinas foram Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia. Conclui-se que a inserção do ensino em PICS nos cursos da saúde nas duas IES, embora abrangente, é fragmentada e isolada em disciplinas pontuais, principalmente, no formato optativo, deixando muitos estudantes sem o conhecimento das PICS, seus pressupostos teóricos e práticas terapêuticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Trindade Morais, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba, Brasil; professora do Departamento de Promoção da Saúde do Centro de Ciências Médicas da mesma instituição; líder do Grupo de Pesquisa em Práticas Integrativas e Complementares em Saúde.

Beatriz Brasileiro de Macedo Silva, Universidade Federal da Paraíba

Graduanda em Medicina na Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Franklin Delano Soares Forte, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Odontologia Preventiva e Social pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, Brasil; estágio pós-doutoral na Universidade de Campinas, São Paulo, Brasil; professor do Departamento de Odontologia Clínica e Social do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Paraíba, Brasil. 

João Pedro Pedreira Alencar , Universidade Federal da Paraíba

Graduando em Medicina na Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Referências

ALBUQUERQUE, L V da C. et al. Complementary and alternative medicine teaching: evaluation of the teaching-learning process of integrative practices in brazilian medical schools. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 43, p. 109-116, 2019. Doi: 10.1590/1981-52712015v43n4RB20180259ingles. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/vbVNgQsGRfWdQTcscjMNzrM/?lang=en. Acesso em: 25 out. 2022.

BADKE, M. R. et al. Nursing students knowledge on use of medicinal plants as supplementary therapy. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 459-465, 2017. Doi: 10.9789/2175-5361.2017.v9i2.459-465. Disponível em: https://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/53574. Acesso em: 15 out. 2022.

BARBOSA, F. E. S. et al. Oferta de Prácticas Integradoras y Complementarias en Salud dentro de la Estrategia Salud de la Familia en Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, 2019. Doi: 10.1590/0102-311X00208818. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/SvzNQ9FJXX64TxypvjXKJNn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 25 out. 2022.

BARROS, L. C. N. de. et al. Práticas Integrativas e Complementares na atenção primária à saúde: percepções dos gestores dos serviços. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 24, 2020. Doi: 10.1590/2177-9465-EAN-2019-0081. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ean/a/bZjwfQhHM7mSBLjDV33NBBp/?lang=pt. Acesso em: 26 out. 2022.

BARROS, N. F de.; SIEGEL, P.; SIMONI, C. de. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: passos para o pluralismo na saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 12, p. 3066-3067, 2007. Doi: 10.1590/S0102-311X2007001200030. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/BGFHPVNV9B5nWhQNzstsQwf/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2022.

BARROS, N. F. de. FIUZA, A. R. Evidence-based medicine and prejudice-based medicine: the case of homeopathy. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, p. 2.368-2.376, 2014. Doi: 10.1590/0102-311X00183513. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/fkxzyFcL6JDjyRyDHvjB4sq/?lang=en. Acesso em: 22 out. 2022.

BARROS, N. F. de.; SPADACIO, C; COSTA, M. V. da. Trabalho interprofissional e as Práticas Integrativas e Complementares no contexto da Atenção Primária à Saúde: potenciais e desafios. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, p. 163-173, 2018. Doi: 10.1590/0103-11042018S111. Disponível em:https://www.scielo.br/j/sdeb/a/WhJFzVYJtKrZs7zNjq5k49R/abstract/?lang=pt. Acesso em: 22 out. 2022.

BARROS, N. F.; SIEGEL, P.; OTANI, M. A. O ensino das Práticas Integrativas e Complementares: experiências e percepções. São Paulo: Hucitec, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 4 de maio de 2006. Dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília, DF, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html. Acesso em: 22 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006a. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Disponível em: http://dab.saude.gov.br/docs/publicacoes/geral/pnpic.pdf. Acesso em: 22 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. (Série A., Normas e Manuais Técnicos) (Caderno de Atenção Básica; n. 31).

CARNEVALE, R. C. et al. O ensino da acupuntura na escola médica: interesse e desconhecimento. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 41, p. 134-144, 2017. Doi: 10.1590/1981-52712015v41n1RB20160040. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/fdTrnmHMphTWJ9xrnpgtYtK/?lang=pt. Acesso em: 25 out. 2022.

FEITOSA, M. H. A. et al. Inserção do conteúdo fitoterapia em cursos da área de saúde. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 40, p. 197-203, 2016. Doi: 10.1590/1981-52712015v40n2e03092014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/Rmbg6DyCvzvC85yLrqnX3bS/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2022.

GALHARDI, W. M. P.; BARROS, N. F. de. The teaching of homeopathy and practices within Brazilian Public Health System (SUS). Interface: Comunicação, Saúde, Educação, v. 12, p. 247-266, 2008. Doi: 10.1590/S1414-32832008000200003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/TVjhQKYJFMtgzP45dYj6wkS/abstract/?lang=en. Acesso em: 15 out. 2022.

GONTIJO, M. B. A. NUNES, M. de F. Práticas integrativas e complementares: conhecimento e credibilidade de profissionais do serviço público de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 15, p. 301-320, 2017. Doi: 10.1590/1981-7746-sol00040. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tes/a/zq6d5V4fFXMVz7n9qsScffG/abstract/?lang=pt. Acesso em: 22 out. 2022.

LOSSO, L. N. FREITAS, S. F. T. de. Avaliação do grau da implantação das práticas integrativas e complementares na Atenção Básica em Santa Catarina, Brasil. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 41, p. 171-187, 2017. Doi: 10.1590/0103-11042017S313. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/msvtPZBbytTQC84JjpCtYjQ/abstract/?lang=pt. Acesso em: 26 out. 2022.

LUZ, M. T.; BARROS, N. F. de. (org.). Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde: estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: UERJ/IMS/LAPPIS, 2012. Disponível em: https://lappis.org.br/site/racionalidades-medicas-e-praticas-integrativas-em-saude-estudos-teoricos-e-empiricos/4599. Acesso em: 26 out. 2022.

MORALES, N. M.; MIN, L. S.; TEIXEIRA, J. E. M.. Medical students’ attitudes toward alternative and complementary therapies. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 39, p. 240-245, 2015. Doi: 10.1590/1981-52712015v39n2e02012014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/bvBssR86VRY5Hx9Dwpq5RDj/abstract/?lang=en&format=html. Acesso em: 10 out. 2022.

NASCIMENTO, M. C. do. et al. A categoria racionalidade médica e uma nova epistemologia em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, p. 3.595-3.604, 2013. Doi: 10.1590/S1413-81232013001200016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/pc64qpYhDGL9QDZp9DnJWzc/?lang=pt. Acesso em: 22 out. 2022.

NASCIMENTO, M. C. do. et al. Formación en medicina complementaria y alternativa: desafíos para las universidades públicas. Trabalho, Educação e Saúde, v. 16, n. 2, p. 751-772, 2018. Doi: 10.1590/1981-7746-sol00130. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tes/a/4PGykgCDsjXR3BjJYMqvrts/abstract/?lang=es. Acesso em: 26 out. 2022.

OCK, S. M. et al. The use of complementary and alternative medicine in a general population in South Korea: results from a national survey in 2006. J Korean Med Sci., Seul, v. 24, n. 1, p. 1-6, 2009. Doi: 10.3346/jkms.2009.24.1.1. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2650987/. Acesso em: 26 out. 2022.

OLEGARIO, N. B. C. et al. Knowledge and attitude about Complementary and Alternative Medicine: perceptions of brazilian health care students. International Journal of Advanced Engineering Research Science, Jaipur, v. 7, p. 487-494, 2020. Doi: 10.22161/ijaers.75.60. Disponível em: https://ijaers.com/detail/knowledge-and-attitude-about-complementary-and-alternative-medicine-perceptions-of-brazilian-health-care-students/. Acesso em: 26 out. 2022.

ROBINSON, M. M.; ZHANG, X. Traditional medicines: global situation, issues and challenges. In: WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. The World Medicines Situation. Geneva: WHO, 2011. Disponível em: http://biofarmaka.ipb.ac.id/biofarmaka/2011/Material%20of%20Workshop%20HerbalNet%20(World%20Medicine%20Situation%202011)%20-%20WMS%20ch18w%20TraditionalMed%202011.pdf. Acesso em: 10 out. 2022.

SALLES, L. F. HOMO, R. F. B. SILVA, M. J. P. da. Situação do ensino das práticas integrativas e complementares nos cursos de graduação em enfermagem, fisioterapia e medicina. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 19, n. 4, 2014. Doi: 10.5380/ce.v19i4.35140. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/35140. Acesso em: 24 out. 2022.

SALLES, S. A. C. Homeopathy in brazilian medical schools: results of an exploratory investigation. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 32, p. 283-290, 2008. Doi: 10.1590/S0100-55022008000300002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/pM8HvVP4bbPqvYBLy4QkVbG/abstract/?lang=en. Acesso em: 22 out. 2022.

SALLES, S. A. C.. SCHRAIBER, L. B. Support for and resistance to Homeopathy among managers of the Unified National Health System. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, p. 195-202, 2009. Doi: 10.1590/s0102-311x2009000100021. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19180302/. Acesso em: 23 out. 2022.

SOUSA, M do S.; COSTA, D. A. da. Sistema floral Saint Germain e a extensão universitária: experiência prática com a terapia floral. João Pessoa: Moura Ramos, 2018.

TEIXEIRA, M. Z. Panorama mundial da educação médica em terapêuticas não convencionais (homeopatia e acupuntura). Revista de Homeopatia, São Paulo, v. 80, n. 1/2, p. 18-39, 2017. Disponível em: http://revista.aph.org.br/index.php/aph/article/view/392. Acesso em: 22 out. 2022.

TESSER, C. D.; SOUSA, I. M. C. de.; NASCIMENTO, M. C. do. Traditional and complementary medicine in primary health care in Brazil. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, p. 174-188, 2018. Doi: 10.1590/0103-11042018S112. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/SY9PZWpk4h9tmQkymtvV87S/abstract/?lang=en. Acesso em: 26 out. 2022.

TESSER, C. D.; SOUSA, I. M. C. de; NASCIMENTO, M. C. do. Traditional and complementary medicine in primary health care in Brazil. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, p. 174-188, 2018. Doi: 10.1590/0102-311X00150215. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/DkyXcQybgkSLYVCzMNpf9wS/?lang=pt. Acesso em: 22 out. 2022.

THIAGO, S. de C. S.; TESSER, C. D. Family Health Strategy doctors and nurses' perceptions of complementary therapies. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 45, p. 249-257, 2011. Doi: 10.1590/S0034-89102011005000002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rsp/a/kdVs7VFgvQPsmwgN3GBR5Yz/?lang=en. Acesso em: 26 out. 2022.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Downloads

Publicado

2022-11-05

Como Citar

MORAIS, M. do S. T.; SILVA, B. B. de M.; FORTE, F. D. S.; ALENCAR , J. P. P. As práticas integrativas e complementares nos cursos da saúde de universidades públicas. Revista de Educação Popular, Uberlândia, MG, p. 117–134, 2022. DOI: 10.14393/REP-2022-67311. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/67311. Acesso em: 8 dez. 2022.