Escola em Torto Arado

um retrato literário da importância do aprender libertador de Paulo Freire

Autores

  • Mariana Fernandes Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas
  • Gustavo Faria Universidade do Vale do Sapucaí

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2021-62012

Palavras-chave:

Educação, Paulo Freire, Torto Arado

Resumo

O livro Torto Arado, de Itamar Vieira Junior, é um fenômeno da literatura contemporânea no Brasil. Sua importância está não apenas em uma escrita fluida e interessante, mas também na temática atual a que se dedica. Uma questão social que aparece na narrativa é a construção de uma escola na comunidade de Água Negra e a partir dali duas questões se colocam: Bibiana vê na educação uma possibilidade de alcançar as melhorias necessárias para seu povo e deseja se tornar professora. Por outro lado, Belonísia enxerga na educação formal uma perda de tempo, pois não se enxerga inserida nas atividades escolares guiadas por dona Lourdes, a professora que vem ensinar em Água Negra. As duas formas de enxergar a educação podem ilustrar a importância da teoria freiriana e a necessidade de uma educação inclusiva e libertadora. Para este trabalho, buscou-se encontrar no enredo da obra, ilustrações para a educação bancária e para a educação humanista, conforme a teoria de Freire. Para isso, foram feitos recortes do texto do livro que pudessem ser analogias para a aplicação da teoria em questão. O que se encontra é um retrato da mudança social teorizada por Freire e que se opera na narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Fernandes Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas

Doutoranda em Linguística na Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil; professora EBTT no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas, Minas Gerais, Brasil.

Gustavo Faria, Universidade do Vale do Sapucaí

Mestre em Ciências da Linguagem pela Universidade do Vale do Sapucaí, Minas Gerais, Brasil; professor de leitura, produção e interpretação de textos na rede particular de ensino de Pouso Alegre, Minas Gerais; co-autor do Blog Geração 88 e sócio fundador do Centro de Estudos de Arte e Texto - Atenas. 

Referências

BRASIL. Lei nº 12.612, de 13 de abril de 2012. Declara o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira. Diário Oficial da União. Seção 1. Brasília, DF, ano 149, nº 73, p. 1, 16 abr. 2012.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 23 reimp. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

SIMAS, L. A.; RUFINO, L. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

VIEIRA JUNIOR, I. [Entrevista cedida a] Roda Viva, São Paulo: TV Cultura. 15 fev. 2021. Programa de TV.

VIEIRA JUNIOR, I. Torto arado. São Paulo: Todavia, 2019.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

PEREIRA, M. F.; FARIA, G. Escola em Torto Arado: um retrato literário da importância do aprender libertador de Paulo Freire. Revista de Educação Popular, [S. l.], p. 247–258, 2021. DOI: 10.14393/REP-2021-62012. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/62012. Acesso em: 25 set. 2022.