Edição Especial 2022: Extensão Popular: o legado de Paulo Freire nas práticas extensionistas

2022-07-11

A Extensão Popular constitui uma perspectiva de extensão que pauta suas ações na interlocução de saberes, no diálogo horizontalizado, na produção científica, tecnológica e cultural focada nos desafios da realidade social. Em vista disso, tal abordagem aposta na inserção responsável e comprometida na sociedade, o que imprime um novo rumo à universidade brasileira, contribuindo sobremaneira para a transformação de ambas. Nesse contexto, notabilizam-se um conjunto diversificado de iniciativas extensionistas em Extensão Popular que manifestam em suas práticas uma concepção fundada nas dimensões da dialogicidade e criticidade, as quais são proficuamente influenciadas pelas contribuições do pensamento político-pedagógico de Paulo Freire, e que se consubstanciam no conceito de Extensão Popular.

A presente proposta constitui uma parceria entre a Revista de Educação Popular e o Grupo de Pesquisa em Extensão Popular (EXTELAR), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Pretende-se possibilitar a socialização de reflexões, saberes e ideias em torno da Extensão Popular, desvelando contribuições relevantes para esse campo que está inserido na área de estudos da Educação Popular.

Portanto, esse número especial caracterizar-se-á como um convite aos sujeitos cujas experiências, ideias e práticas extensionistas identificam-se com a abordagem freiriana da Educação Popular, sobretudo nesses tempos insólitos em que o legado de Paulo Freire tem sido constantemente atacado, deturpado e vilipendiado por grupos dotados de características reacionárias, ultraconservadoras e sectárias. O que se soma ao cenário de desvalorização da ciência e às contínuas mentiras e insultos perpetrados contra as universidades públicas e os pesquisadores/as brasileiros/as. Fato que se sucede juntamente com o aval e o alinhamento ao discurso tecnocrático neoliberal.

Por esse ângulo, é fundamental que busquemos dar evidência e amplitude a essa discussão, o que também permite instigar, reforçar e alimentar a reflexão crítica sobre as dimensões teóricas e práticas em torno da Extensão Popular. Primordialmente considerando a tão necessária relação dialética da denúncia-anúncio, que para além da indignação e crítica das opressões e das iniquidades, esforça-se em prospectar novas possibilidade, caminhos e estratégias de luta, tendo a problematização da realidade concreta e o diálogo entre as múltiplas culturas e formas de saberes, como pressupostos basilares do trabalho extensionista.

Nesse sentido, esta proposta de Dossiê visa incentivar a produção científica, a sistematização, a análise e a reflexão dos processos relacionados à Educação Popular como referencial teórico-metodológico da Extensão, o que tem sido destacado como importante elemento reorientador da formação universitária e do debate acerca da função social da universidade pública, em que o legado de Paulo Freire caracteriza-se como um elemento central e tem tanto a contribuir para o aprimoramento, o fortalecimento e a consolidação de uma concepção de Extensão efetivamente popular.

Convidamos protagonistas de diferentes experiências em Extensão Popular a compartilhar artigos que evidenciem os caminhos de suas iniciativas por meio de produções no contexto do presente número especial, envolvendo a socialização de metodologias e dinâmicas de organização de seus projetos e programas de Extensão Popular, bem como estudos e pesquisas oriundos de análises em torno desses projetos e seus desdobramentos, bem como perspectivas de teorias em torno da Extensão Popular e da Educação Popular.