Os Problemas no discurso do que chamamos de arte homoerótica

interseccionalidades contrassexuais para uma Ars Sexualis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OUV-v20n1a2024-67143

Palavras-chave:

Discurso, arte homoerótica, interseccionalidade, contrassexualidade, ars sexualis

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão crítica sobre o que chamo de "ideia de arte homoerótica" por esta não ter uma formulação conceitual sólida, mas que agencia discursos que agrupam artistas e suas obras distinguindo-os de outros artistas e obras que poderiam estar abrigados na ideia de arte homoerótica, mas que sao excluídos discursivamente. A tensão teórica é feita a partir de conceitos como interseccionalidade, de Patricia Hill Collins e Sirma Bilge; de contrassexualidade, de Paul B. Preciado. Ambos são o lastro teórico dos quais discorro para tencionar a utilização da ideia de arte homoerótica. Entre a sua aplicação, Wilton Garcia é um dos poucos pesquisadores que elabora uma reflexão um pouco mais concisa, mas que ainda assim, observo brechas que devem ser tensionadas. Por fim, proponho o acolhimento conceitual e teórico desses artistes e obras no conceito de Ars Sexualis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2024-01-29

Como Citar

NOVADVORSKI SCHEEREN, B. A. Os Problemas no discurso do que chamamos de arte homoerótica: interseccionalidades contrassexuais para uma Ars Sexualis. ouvirOUver, [S. l.], v. 20, n. 1, 2024. DOI: 10.14393/OUV-v20n1a2024-67143. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/67143. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Devires Decoloniais: Resistências, Impasses, Estratégias