SONAR

Uma análise visual

Autores

  • Gabriela Clemente PPG Arte/UEMG
  • Alexandre Rodrigues Universidade do Estado de Minas Gerais/Escola Guignard

DOI:

https://doi.org/10.14393/OUV-v16n2a2020-51052

Palavras-chave:

O Grivo, Esculturas sonoro-visuais, rizoma

Resumo

As composições sonoro-visuais de O Grivo possibilitam múltiplas experiências numa relação entre música, instalação e performance. As esculturas sonoras inventadas pelos artistas, a partir de fragmentos, impressionam não só pelas formas, mas também pela presença que assumem no espaço, criando uma territorialidade expansiva que transita entre a gambiarra e a harmonia. Esse território é marcado pelo movimento dos artistas que interagem com as esculturas e criam uma diversidade sonora e visual e dos espectadores, que estabelecem contato com a instalação e alteram a configuração do espaço. As sonoridades produzidas por essas engenhocas são instigantes, pois geram curiosidade em relação ao que se vê e ao que se escuta. Todas essas características, presentes nos trabalhos de O Grivo, tem forte referência com a própria ideia e imagem do Rizoma. A proposta desse artigo parte então, da intenção de explorar o âmbito visual na obra Sonar, que esteve em exposição na Funarte em Belo Horizonte no ano de 2017, através de um diálogo com o conceito de Rizoma de Deleuze e Guattari.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Clemente, PPG Arte/UEMG

Mestre em Arte pelo PPG Artes-UEMG (bolsista CAPES de 09/2018 a 09/2019). Estudante de Artes Plásticas na Escola Guignard - UEMG. Possui graduação em História pela Pontifícia Universidade de Minas Gerais (2001). Experiência em ensino de arte e de história, na educação formal e terceiro setor. Tem desenvolvido pesquisas com foco em: metodologias de ensino em arte, artista-professor, teoria da recepção - arte e YouTube.

Alexandre Rodrigues, Universidade do Estado de Minas Gerais/Escola Guignard

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (1997), mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), com a dissertação:A construção do silêncio: um estudo da obra poética de Orides Fontela;, e doutorado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005), com a tese: Transfiguração do olhar: um estudo das relações entre literatura e artes plásticas em Rainer Maria Rilke e Clarice Lispector. Em 2010 e 2011, desenvolveu pesquisa sobre as obras poéticas de Georges Bataille e Samuel Beckett como aluno de pós-doutorado junto ao Curso de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras da UFMG, financiado pela bolsa de pesquisa oferecida pela FAPEMIG. Atualmente, é Professor de Educação Superior da Escola Guignard da Universidade Estadual do Estado de Minas Gerais. Desenvolve o projeto ?Corpos labirínticos: o informe como processo de construção nas artes visuais?, com o objetivo de analisar de que maneira o verbete informe, concebido por Georges Bataille, na revista Documents, como parte de um dicionário crítico, pode ser aplicado às artes visuais, no instante que a taxonomia e os sistemas acadêmicos são questionados em prol da desordem e da desarticulação.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

CLEMENTE DE OLIVEIRA, G. .; RODRIGUES DA COSTA, A. SONAR: Uma análise visual . ouvirOUver, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 544–556, 2020. DOI: 10.14393/OUV-v16n2a2020-51052. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/51052. Acesso em: 29 maio. 2022.