O papel da improvisação em quatro obras para percussão e meios eletrônicos em tempo real

Autores

  • Daniel Luis Barreiro Universidade Federal de Uberlândia
  • César Adriano Traldi Universidade Federal de Uberlândia
  • Celso L. A. Cintra Universidade Federal de Uberlândia
  • Carlos R. F. Menezes Júnior Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Percussão. Interatividade. Improvisação. Composição.

Resumo

Este artigo aborda quatro obras musicais compostas para percussionista e meios eletrônicos em tempo real que apresentam diferentes graus de abertura à improvisação: Iluminura (vibrafone e computador), de Carlos Menezes Júnior; Granada (caixa-clara e computador), de Cesar Traldi; Altar ou A Resposta dos Deuses (temple bell e computador), de Celso Cintra; e Natural Tech (marimba e computador) de Daniel Barreiro. As obras, compostas em 2010, estão vinculadas a uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). Iluminura estabelece um diálogo em tempo real entre vibrafone e computador, explorando momentos de fusão e momentos de forte contraste entre os sons acústicos e eletroacústicos. A maior parte dos eventos é definida na partitura, mas há trechos que abrem espaço para improvisações com conjuntos predeterminados de classes de notas. Granada explora trechos precisamente prescritos na partitura e delays de trechos improvisados baseados no ritmo do baião. Isso cria uma base rítmica sobre a qual são retomados elementos anteriores entremeados com momentos de livre improvisação. Altar ou A Resposta dos Deuses é concebida como uma improvisação livre, exceto o primeiro ataque forte indicado nas instruções. A obra possui três seções, mas o intérprete define a sua duração total. Trechos instrumentais são gravados e reproduzidos aleatoriamente com transformações e faz-se uso de delays cujos parâmetros mudam aleatoriamente. Natural Tech também não tem uma duração fixa e apresenta apenas instruções textuais sobre os tipos de comportamentos sonoros que devem ser explorados em cada uma das suas três seções principais. O roteiro apresenta ao(à) percussionista um contexto de improvisação fundado num processo global de transformação sonora que parte de eventos pontuais e espaçados em direção a eventos com um caráter mais contínuo. A parte eletroacústica é gerada em tempo real a partir do material instrumental captado durante a performance e busca delinear o processo global de transformação sonora mencionado. O conjunto das quatro obras apresenta um leque diversificado de abordagens, porém com alguns pontos em comum no que tange às pesquisas composicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Luis Barreiro, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Composição Musical pela University of Birmingham (Inglaterra, 2007), é também Bacharel em Música - Composição e Regência pela UNESP (1997) e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP (2000). Suas pesquisas estão centradas principalmente nos seguintes temas: música contemporânea, música eletroacústica, música e tecnologia, Max/MSP, difusão sonora (espacialização) de obras eletroacústicas, tempo musical e análise musical. Foi bolsista do CNPq (Pós-Doutorado em Ciência da Computação, 2008), da CAPES (Doutorado no Exterior, 2003-2007), da FAPESP (Mestrado, 1998-2000; e Iniciação Científica, 1994-1996) e do PIBIC/CNPq/UNESP (Iniciação Científica, 1997). Sua produção composicional inclui obras eletroacústicas acusmáticas em stereo e em oito canais, obras mistas (para instrumentos e sons eletroacústicos/interação sonora em tempo-real), paisagens sonoras para instalação de arte interativa e trilhas-sonoras para curtas-metragens e vídeos. Tem obtido reconhecimento em prestigiosos concursos internacionais de composição, tais como Bourges (Prêmio e Menção Honrosa, em 2006; e Seleção - Categoria Residence, em 2005), Metamorphoses (Primeiro Prêmio Ex-Aequo, em 2006), e CIMESP (Finalista, em 2005). Tem obras incluídas nos CDs "Concours de Composition Acousmatique Metamorphoses 2006", lançado na Bélgica, e "Cultures Electroniques 19", lançado na França. Suas obras têm sido apresentadas em importantes festivais, conferências e concertos em diferentes países como Alemanha, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, Colômbia, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Inglaterra, Irlanda do Norte, Itália, México e Suíça. Recebeu o Prêmio de Melhor Artigo Musical de estudante no XI Simpósio Brasileiro de Computação Musical (SBCM'2007) da Sociedade Brasileira de Computação. Cursou disciplinas, cursos e workshops ministrados por Sérgio Freitas (1991), Flo Menezes (1992-1998), Hans Joachim Koellreutter (1993-1995), Edson Zampronha (1996-2000), Graciela Paraskevaidis (1996), Hans Tutschku (1997, 2003 e 2006), Sílvio Ferraz (1999-2000), Erik Oña (2003), Jonty Harrison (2003-2007), Scott Wilson (2004), Bernard Parmegiani (2004), Miller Puckette, Richard Dudas e David Zicarelli (2005), entre outros. Atualmente é Professor Adjunto II da Universidade Federal de Uberlândia (MG), onde atua na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Artes.

César Adriano Traldi, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Música pela Unicamp.

Celso L. A. Cintra, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorando em Musicologia pela ECA/USP. Mestre em Música pela UNESP.

Carlos R. F. Menezes Júnior, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Ciências na área de processamento da informação/inteligência artificial/computer music pela UFU. Bacharel em Violão pela UFU.

Downloads

Publicado

2012-05-28

Como Citar

BARREIRO, D. L.; TRALDI, C. A.; CINTRA, C. L. A.; JÚNIOR, C. R. F. M. O papel da improvisação em quatro obras para percussão e meios eletrônicos em tempo real. ouvirOUver, [S. l.], v. 7, n. 1, 2012. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/17190. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Artes Contemporâneas 2