A supremacia da escrita sobre a oralidade: uma análise de práticas matemáticas de sujeitos de região de colonização alemã

Conteúdo do artigo principal

Ketlin Kroetz
https://orcid.org/0000-0001-8055-8124
Mônica da Silva Gallon
http://orcid.org/0000-0003-0793-2372
José Luis Schifino Ferraro
https://orcid.org/0000-0003-4932-1051

Resumo

Este artigo problematiza algumas práticas matemáticas escritas e orais de colonos descendentes de alemães de região de colonização alemã do Vale do Rio dos Sinos, e objetiva verificar como as mesmas foram utilizadas por esses sujeitos tanto no período escolar, quanto em suas atividades laborais agrícolas. Os aportes teóricos utilizados para essa investigação estão fundamentados, principalmente, nos estudos de Weber (2002), evidenciando que práticas matemáticas orais se sobressaem nas atividades laborais desses sujeitos, enquanto que no período escolar se observa a legitimação de uma matemática caracterizada pela escrita, evidenciando uma supremacia da escrita sobre a oralidade ao longo da escolarização. Nesse sentido, a utilização de práticas que se valham da oralidade pode converter-se em possibilidade para um constante (re)pensar a educação matemática, uma vez que a escrita prepondera em diferentes instâncias do contexto escolar, produzindo subjetividades que empoderam tal discurso conferindo-lhe o status de único modo possível de matematizar.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Kroetz, K. ., Gallon, M. da S. ., & Ferraro, J. L. S. . (2020). A supremacia da escrita sobre a oralidade: uma análise de práticas matemáticas de sujeitos de região de colonização alemã. Cadernos De História Da Educação, 19(2), 614–627. https://doi.org/10.14393/che-v19n2-2020-20
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Ketlin Kroetz, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil)

https://orcid.org/0000-0001-8055-8124
http://lattes.cnpq.br/0390427253445059
ketlin.kroetz@acad.pucrs.br

Mônica da Silva Gallon, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil)

http://orcid.org/0000-0003-0793-2372
http://lattes.cnpq.br/3410967379937204
monica.gallon@gmail.com

José Luis Schifino Ferraro, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-4932-1051
http://lattes.cnpq.br/3175334112963316
jose.luis@pucrs.br

Referências

ASCHER, M.; ASCHER, R. Ethnomathematics. History of Science, n. 24, june. 1986, p. 125-144. https://doi.org/10.1177/007327538602400202

BATISTA, A. A. G. Letramentos escolares, letramentos no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 1, n. 31, p.171-190, jun./2000.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BONI, K. T.; SAVIOLI, A. M. P D.; PASSOS, M. M. Compreensões e dificuldades de professoras a respeito do cálculo mental. Acta Scientiae, Canoas, v. 17, n. 3, p. 563-577, set./dez. 2015.

BUNZEN, C. Apresentação. In: STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2014. p. 7-11.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 5. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 26. ed. São Paulo: Graal, 2014.

GAERTNER, R.; BARALDI, I. M. Um Ensaio Sobre História Oral e Educação Matemática: pontuando princípios e procedimentos. Bolema, Rio Claro, v. 21, n. 30, p. 47-61, 2008.

GARNICA, A. V. M. História oral e educação matemática. In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.) Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p.XX.

GARNICA, A. V. M. A História Oral como recurso para a pesquisa em Educação Matemática: um estudo do caso brasileiro. In: Comunicação apresentada no V Congresso Ibero Americano de Educação Matemática, Porto, 2005. Disponível em: www.jurandirsantos.com.br. Acesso em: 14 maio 2017.

KNIJNIK, G. Mathematics education and the Brazilian Landless Movement: three diferente mathematics in the context of the struggle for social justice. Philosophy of Mathematics Education Journal, v. 21, p. 1-18, 2007.

KNIJNIK, G. Itinerários da Etnomatemática: questões e desafios sobre o cultural, o social e o político na educação matemática. In: KNIJNIK, G.; WANDERER, F., OLIVEIRA, J. C. Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004, p. 19-37

KROETZ, K. Etnomatemática e relações de poder: uma análise das narrativas de colonos descendentes de alemães da região do Vale do Rio dos Sinos. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

LIZCANO, E. As matemáticas da tribo européia: um estudo de caso. In: KNIJNIK, G.; WANDERER, F.; OLIVEIRA, C. J. de (Org.). Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004, p. 124-138.

SEYFERTH, G. Imigração e Cultura no Brasil. Brasília: Universidade de Brasília, 1990.

SILVA, H; SOUZA, L. A. A História Oral na Pesquisa em Educação Matemática. Bolema, Rio Claro, v. 20, n. 28, p. 139-162, 2007.

SOUZA, M. C. R. F. Gênero e Matemática(s): jogos de verdade nas práticas de numeramento de alunas e alunos da educação de pessoas jovens e adultas. 2008. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação: conhecimento e inclusão social, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008

SOUZA, R. M. S. A cultura material escolar da Deutsche Schule. Revista Brasileira de
História da Educação. v. 7, n. 2, p. 69-94, maio/ago. 2007. Disponível em:
http://rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/download/130/140. Acesso em: 7 dez. 2015.

WANDERER, F. Escola e Matemática Escolar: mecanismos de regulação sobre sujeitos escolares de uma localidade rural de colonização alemã do Rio Grande do Sul. 2007. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2007

WEBER, F. Práticas econômicas e formas ordinárias de cálculo. Mana, Rio de Janeiro, v.8, n.2, out/ 2002, p.151-182. https://doi.org/10.1590/S0104-93132002000200006

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. São Paulo: Nova Cultural, 2004.