Escola mista? Coeducação? Um desafio histórico para a educação de meninos e meninas

Conteúdo do artigo principal

Patrícia Rodrigues Augusto Carra
https://orcid.org/0000-0003-1954-1053

Resumo

O artigo traça um panorama da educação feminina no Brasil, apresenta fatores que levaram a paisagem escolar brasileira ser majoritariamente mista, discutindo o conceito de escola mista e escolarização diferenciada por sexo. Foi produzido com base em levantamento bibliográfico das áreas História da Educação, Sociologia e História prioritariamente. Constata que escola mista não significa a oferta de uma escolarização não diferenciada por sexo e reflete sobre a possibilidade de o ambiente escolar constituir-se como um espaço contributivo para a igualdade de gêneros. O texto infere a importância de um olhar atento para o sistema educacional e suas diferentes instâncias e para sujeitos que frequentam os ambientes educativos. Refletir sobre a importância de uma educação igualitária exige, entre outros fatores, pensar sobre a instrução disponibilizada (ou não) para homens e mulheres ao longo do tempo, nesse sentido, a História da Educação é espaço de grande importância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Carra, P. R. A. (2019). Escola mista? Coeducação? Um desafio histórico para a educação de meninos e meninas. Cadernos De História Da Educação, 18(2), 548–570. https://doi.org/10.14393/che-v18n2-2019-15
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Patrícia Rodrigues Augusto Carra, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil)

https://orcid.org/0000-0003-1954-1053
http://lattes.cnpq.br/5923196932499177
prac@terra.com.br

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia. Condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudoeste do Brasil, 1750-1822. Rio de Janeiro: José Olímpio, Brasília: Edunb, 1993.

ALMEIDA, Jane Soares de. Ler as letras: por que educar meninas e mulheres? São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo: Campinas: Autores Associados, 2007. https://doi.org/10.11606/d.6.2007.tde-20032008-095247

_____. Mulheres na educação: missão, vocação e destino?: A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, Demerval; et al. O legado educacional do século XX no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.11855

ANDRADES, Javier Robles. Nuevas masculinidades. In: MAGALHÃES, Maria José; TAVARES, Manuela; COELHO, Salomé et. al. (Coords.). Quem tem medo dos feminismos? Congresso Feminista (2008) – Actas, v. I. Guide, Artes Gráficas e Nova Delphi, Funchal, Portugal, 2010, p. 249-1.

APPLE, Michael W. Currículo e Poder. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, v.14, n. 2, jul./dez, 1989, p. 46-57.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. PSIC. CLIN. Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 41-52, 2005. https://doi.org/10.1590/s0103-56652005000200004

ARAUJO, Maria Paula. Memórias estudantis – da fundação da UNE aos nossos dias. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Fundação Roberto Marinho, 2007, p. 73-95.

AREND Silvia Fávero. Trabalho, escola e lazer. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p: 65-8.

AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006. https://doi.org/10.1590/s0104-40602010000100019

_____. Educação para a democracia e co-educação: apontamentos a partir da categoria gênero. Revista USP, São Paulo, n.56, p. 136-143, dez./fev. 2002-2003.a. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i56p136-143

_____. Feminismo: que história é esta? Rio de Janeiro, DP&A, 2003. b

_____. Relações de gênero nas práticas escolares e a construção de um projeto de co-educação. GT 23. Grupo de Estudos Gênero, Sexualidade e Educação. ANAIS da 27ª Reunião da ANPED, Caxambu/MG, 21 a 24/11/2004. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012. https://doi.org/10.1590/s1413-24782013000400006

BASTOS, Maria Helena Camara. A Educação Elementar e o Método Lancaster no Correio Braziliense (1816) Revista História da Educação [en línea] 2005, 9 (Enero-Junio) Disponible en: ISSN 1414-3518. Acesso: 02/2015. a

BASTOS, Maria Helena Camara. O ensino monitorial/mútuo no Brasil (1827-1854). In: Histórias e Memórias da Educação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005 (pp. 34- 51).b

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. Sinopse educar meninos e meninas. In: AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006. (Capa). https://doi.org/10.1590/s0104-40602010000100019
_____. Democracia de Iguais, mas Diferentes, in Angela Borba; Nalu Faria; Tatau Godinho. Mulher e Política: Gênero e Feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 1998 a.

_____. A cidadania ativa: referendo, plebiscito e iniciativa popular. São Paulo: Ática. 1998 b.

_____. Educação para a Democracia. São Paulo: Lua Nova, n. 38, São Paulo, 1996.

BERGER, Manfredo. Educação e dependência. São Paulo: DIFEL; Porto Alegre, UFRGS, 1984.

BERGER, P. e LUCKMANNT, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2010.

BESSE, Susan. Modernizando a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil (1914 -1940), São Paulo, Edusp, 1999.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CANOTILHO Ana Paula; MAGALHÃES, Maria José; RIBEIRO, Patrícia. Gostar de mim, gostar de ti: prevenção da violência nas escolas. In: MAGALHÃES, Maria José; TAVARES, Manuela; COELHO, Salomé; et. al. (Coords.). Quem tem medo dos feminismos? Congresso Feminista 2008 – Actas, v. I. Guide. Delphi Funchal, Portugal: Artes Gráficas e Nova, 2010, p. 168-172. https://doi.org/10.19146/pibic-2015-37431

CARRA, Patrícia Rodrigues Augusto. O Casarão da várzea: um espaço masculino integrando o feminino (1960 a 1990). Porto Alegre: PUCRS, 2008. (Dissertação Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre, 2008. https://doi.org/10.19070/2572-7354-160006

_____. Baleiros e baleiras no velho Casarão: co-educação ou escola mista no Colégio Militar de Porto Alegre? (RS – 1989 a 2013). (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Porto Alegre, 2014. https://doi.org/10.19070/2572-7354-160006

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 14. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

CHARRO, Maria Calvo. Desafios y perspectivas de La metodologia por gêneros em la escuela. In: LA MARCA, Alessandra. (Org). L´educazione differenziata per Le ragazze e per i ragazzi. Um modello di scuolla per Il XXI secolo. Roma: Armando, 2009, p. 111-147.

CORREA, M. Morte em família: representações jurídicas de papéis sexuais. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

_____. Os crimes de paixão. São Paulo: Brasiliense, 1981.

COSTA, Maria Regina Ferreira da; SILVA, Rogério Goulart. O ensino da diferença sexual nas aulas de educação física. In: Anais do 1º Encontro da ALESDE (Asociacíon Latinoamericana de Estudios Socioculturales del Deporte). Esporte na América Latina: atualidade e perspectivas. Realizado nos dias 30, 31/10 e 01/11/2008. UFPR – Curitiba/PR, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2012. ‎ https://doi.org/10.5016/dt000609408

DA COSTA, Emília Viotti. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 9 ed. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estud. av. [online]. 2003, v. 17, n. 49, p. 151-172. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2013. https://doi.org/10.1590/s0103-40142003000300010

ENGEL, M. G. Paixão, crime e relações de gênero (Rio de Janeiro, 1890-1930). Topoi. V. 1, p.153-177, 2000. https://doi.org/10.1590/2237-101x001001004

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

FREITAS, Marcos Cezar de. O aluno incluído na educação básica – avaliação e permanência. Coleção Educação e Saúde. Cortez Editora: São Paulo,2013.

GRUPIONI, Luís Donisete (org.). As leis e a educação escolar indígena: Programa Parâmetros em Ação de Educação Escolar Indígena. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental, 2001. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v23i47.1078

HABNER, June E. Honra e distinção das famílias. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. (Orgs.). Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p. 43-64.

JABLONSKI, B. A difícil extinção do boçalossauro. In: NOLASCO, S. (Org.). A desconstrução do masculino. Rio de Janeiro: Rocco, 1995, p. 156-65.

JOAQUIM, Teresa. (Org.). Masculinidades - feminilidades. Porto/Portugal: Edições Afrontamento, 2010.

JORNAL EL PAÍS. Cordeiro, Jaime – entrevista María Calvo Charro - Universidad Carlos III – La Coeducación. Se ignoran lãs diferencias intrínsecas entre lós sexos. 24 de abril de 2006.

MACEDO, Helder. O feminino como principio de desassossego. In: JOAQUIM, Teresa (Org.). Masculinidades - feminilidades. Porto, Portugal: Edições Afrontamento, 2010, p. 53-60.

MACHADO. Maria Cristina Gomes. O decreto de Leôncio de Carvalho e os pareceres de Rui Barbosa em debate: a criação da escola para o povo no Brasil no século XIX. In: Bastos, Maria Helena e Stephanou, Maria (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol. II: século XIX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. Páginas 91 a 103. https://doi.org/10.9771/2317-1219rf.v5i4.2936

_____. Rui Barbosa, Recife:Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

MANOEL, Ivan Aparecido. Igreja e educação feminina (1859 -1919). Uma face do conservadorismo. São Paulo. Editora da Universidade Estadual Paulista, 1996. https://doi.org/10.1590/s0101-73301999000400012
MISKOLCI, Richard. Sexualidade e orientação sexual. In: MISKOLCI, Richard (Org.). Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos, 2010. (Cap. 3). https://doi.org/10.1590/s0104-83332013000100012

MOACYR, Primitivo. A instrução e o Império Subsídios para a história da educação no Brasil, 1850 – 1887. Vol. 2. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1937.

MURARO, Rose Marie. A mulher no terceiro milênio. 4ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1995.

NOLASCO, Sócrates. A desconstrução do masculino. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

NÓVOA, Antonio. Por que a História da Educação? In: STEFHANOU, Maria e BASTOS, Maria Helena Camara (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol. 1: séculos XVI – XVII. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004. Páginas 9 a 13. https://doi.org/10.29388/978-85-53111-25-1-0-f.97-108

NOVAIS, Maria Eliana. Professora primária: mestra ou tia.São Paulo: Cortez, 1984.

OLIVEIRA, Jane Souto de. “Brasil mostra a tua cara”: imagens da população brasileira nos censos demográficos de 1872 a 2000. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Escola Nacional de Ciências Estatísticas (texto para discussão número 6): Rio de Janeiro, 2003. https://doi.org/10.17143/ciaed/xxiilciaed.2017.00322

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. Discursos sobre a masculinidade. In: Estudos feministas, Florianópolis, UFSC, v. 6 (1), p. 91-112, 1998.

PAECHTER, Carrie. Meninos e Meninas: aprendendo sobre masculinidades e feminilidades. Tradução de Rita Terezinha Schmidt. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PAIVA, Clotilde A.; GODOY, Marcelo Magalhães; RODARTE, Mario Marcos Sampaio; SANTOS, Douglas. Publicação Crítica do Recenseamento Geral do Império do Brasil de 1872 – Núcleo de Pesquisa em História Econômica e Demográfica – NPHED. Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Ciências Econômicas, Centro de Planejamento Regional, 2012. Relatório Provisório. Disponível [on-line] em < http://www.nphed.cedeplar.ufmg.br/wp-content/uploads/2013/02/Relatorio_preliminar_1872_site_nphed.pdf>. Acesso julho a outubro de 2015. https://doi.org/10.31492/2184-2043.rilp2018.33/pp.27-36

PASINATO, Wânia. Femicídios e as mortes de mulheres no Brasil. Cad. Pagu [online]. 2011, n. 37, p. 219-6. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013. https://doi.org/10.1590/s0104-83332011000200008

ROMERO, Sonia Mara Thater. Gestão da diversidade de gênero nas organizações: estudo de casos múltiplos sobre homens e mulheres iguais nas desigualdades. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

ROSEMBERG, Fúlvia. Mulheres Educadas e a Educação das Mulheres. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. (Orgs.). Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p. 333-59. https://doi.org/10.4000/clio.210

_____. Educação Formal, Mulher e Gênero no Brasil Contemporâneo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 515, jan. 2001. ISSN 0104-026X. Disponível em: . Acesso em: 08 Jul. 2015. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2001000200011

_____. Organizações multilaterais, Estado e políticas de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 25-64, 2002. https://doi.org/10.1590/s0100-15742002000100002

_____. Expansão da educação infantil e processos de exclusão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 107, p. 7- 40, 1999. https://doi.org/10.1590/s0100-15741999000200001

_____; PINTO, Regina Pahim. A Educação da mulher. São Paulo: Nobel: Conselho Estadual da Condição Feminina, 1985 (Década da Mulher).

_____; PIZA, Edith Pompeu; MONTENEGRO, Thereza. Mulher e educação formal no Brasil: Estado da Arte e Bibliografia. Brasília: Fundação Carlos Chagas, 1990.

SAFFIOTI, Heleieth, I.B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Liv. Quatro Artes, 1969.

SAVIANI. Demerval. Aberturas para a história da educação – do debate teórico-metodológico no campo da história ao debate sobre a construção do sistema nacional de educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013. https://doi.org/10.1590/s0101-73302000000400017

SCOTT, Ana Sílvia. O Caleidoscópio dos Arranjos Familiares. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. (Orgs.). Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p. 15-42.

SOUZA-LEITE, Célia Regina Vieira de. Subjetividade e construção dos gêneros no decorrer da história. In: SOUZA-LEITE, Célia Regina Vieira de e MATTOS, Maria de Fátima S. Costa G de (orgs). Constituição do Sujeito: história, educação e gênero. São Paulo: Iglu, 2009. https://doi.org/10.24824/978854440734.9

SOUZA, Rosa Fátima de. Lições da escola primária In: O legado Educacional do século XX no Brasil. 2. Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

_____. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: UNESP, 1998. https://doi.org/10.1590/0104-4060.453

STAMATTO, Maria Inês Sucupira. Um olhar na história: a mulher na escola (Brasil: 1549- 1910). In: Anais do II Congresso Brasileiro de História da Educação. Relações de Gênero e Educação Brasileira. Natal: SBHE – Sociedade Brasileira de Educação, 2002, p. 01-11. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2014. https://doi.org/10.17648/galoa-cbee-6-30107

TEIXEIRA, Beatriz Bastos. Por uma escola democrática. Tese de Doutorado, faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2000. https://doi.org/10.11606/t.42.2019.tde-12042018-141555

TOLSON, A. Os limites da masculinidade. Lisboa: Assírio Alvim. 1977.

UMAR (União de mulheres alternativa e resposta). Manifesto Feminista – 87 medidas para 10 áreas fundamentais, 2008. Disponível em: ; . Acesso em: nov. 2012.

WAISELFISZ, Julio Jacabo; MACIEL, Maria. Mapa da violência 2012. Caderno Complementar 1: homicídio de mulheres no Brasil. Instituto Sangari. São Paulo, abril, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2012.

_____; MACIEL, Maria. Revertendo violências, semeando futuros: avaliação de impacto do Programa Abrindo Espaços no Rio de Janeiro e em Pernambuco. Brasília: UNESCO, 2003, 124p.

WELZER-LANG, D. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. In: Estudos Feministas, 9 (2), p. 460-81, 2001. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2001000200008

WOOLF. Virginia. Profissões para mulheres e outros artigos. Tradução de Denisse Bottmann. Coleção L&PM POCKET, v. 1032. Porto Alegre, RS: L&PM, 2012.

ZAIDMAN, Claude. La mixité à l’ école primaire. Paris, L’ Harmattan, 1996.