Museu da inconfidência e as marcas da educação nos livros de visitantes (1945-1965)

Conteúdo do artigo principal

Betânia dos Anjos do Carmo
https://orcid.org/0000-0002-2477-732X
Juliana Cesário Hamdan
https://orcid.org/0000-0002-3078-4876
Rosana Areal de Carvalho
https://orcid.org/0000-0002-0114-4239

Resumo

Este artigo se originou de uma pesquisa, cujo principal objetivo foi o de identificar, quantificar e analisar, no Museu da Inconfidência, localizado na cidade de Ouro Preto, Minas Gerais, a presença de sujeitos auto declarados escolares. Para isso, foram utilizados como fontes, cartas e ofícios encaminhados por professores e diretores de escolas, direcionados aos diretores do Museu, e os livros com as assinaturas dos visitantes, fontes privilegiadas nesta pesquisa. Trata-se de uma fonte original ainda pouco explorada pelas pesquisas no campo da História e da História da Educação. O período definido para este estudo compreendeu os anos de 1945, quando o museu foi inaugurado, e 1965, quando se iniciou uma nova fase política, com a instauração da ditadura, em que se observa modificações nos discursos culturais, de forma geral, e educacionais, de forma particular. As análises foram feitas a partir dos levantamentos quantitativos dos visitantes autodeclarados estudantes e professores, ou ligados a instituições de ensino. Observou-se a predominância de um maior número de visitantes ligados a instituições particulares e religiosas, e um registro significativo de visitantes de escolas militares, enquanto a presença de sujeitos ligados à escola pública, mesmo as geograficamente próximas, foi bem rarefeita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Carmo, B. dos A. do, Hamdan, J. C. ., & Carvalho, R. A. de. (2019). Museu da inconfidência e as marcas da educação nos livros de visitantes (1945-1965). Cadernos De História Da Educação, 18(2), 445–460. https://doi.org/10.14393/che-v18n2-2019-10
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Betânia dos Anjos do Carmo, Universidade Federal de Ouro Preto (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-2477-732X
http://lattes.cnpq.br/9204430058462159
betania.dosanjos@yahoo.com.br

Juliana Cesário Hamdan, Universidade Federal de Ouro Preto (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-3078-4876
http://lattes.cnpq.br/9913625333771045
julianach62@gmail.com

Rosana Areal de Carvalho, Universidade Federal de Ouro Preto (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-0114-4239
http://lattes.cnpq.br/0015367380312522
rosanareal@ufop.edu.br

Referências

ABREU, Regina. A Fabricação do imortal: memória, história e estratégias de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, Lapa, 1994. https://doi.org/10.1590/s0104-93131997000200008

ARQUIVO HISTÓRICO DO MUSEU DA INCONFIDÊNCIA. Livros de visitação da Casa do Pilar. Ouro Preto, [19--].

BRUSADIN, L. B. O Museu da Inconfidência em Ouro Preto (MG) e sua interface com o turismo, o patrimônio e a comunidade local. Rio de Janeiro: [s.n.], 2014.

CARMO, Betânia dos Anjos do. O Museu da Inconfidência e as marcas da educação nos livros de visitantes (1945-1965). Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós Graduação em Educação - PPGE do Departamento de Educação – DEEDU, da Universidade Federal de Ouro Preto - Mariana, 2018. https://doi.org/10.29280/rappge.v2i2.4342

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras,1990. https://doi.org/10.29078/rp.v0i36.41

COELHO, Priscilla Arigoni. Metáforas em rede no processo de institucionalização: um estudo sobre memória e discurso da museologia no Brasil (1932 a 1985). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Centro de Ciências Humana e Sociais. (Tese de doutorado em Memória Social). 2015. 360 f.. https://doi.org/10.1590/1807-01912016223524

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. A Inconfidência Mineira e Tiradentes vistos pela imprensa: a vitalização dos mitos (1930-1960). Rev. Bras. Hist., São Paulo, v.22, n.44, p.439-462, 2002. Disponível em . Acesso em 08 fev. 2019. https://doi.org/10.1590/s0102-01882002000200009

GATTI, Bernadete. A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p.11-30, jan./abr. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n1/ a02v30n1.pdf. Acesso em: 03 jun. 2018. https://doi.org/10.1590/s1517-97022004000100002

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2. ed. São Paulo: Ed. Centauro, 2013.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a história do museu. 2. ed. Brasília: Caderno de diretrizes museológicas, 2006, p. 17-30.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. São Paulo: Unicamp. 2003.

RIBEIRO, M. L. S. História da educação brasileira: a organização escolar. 6. ed. São Paulo: Moraes. 1986

ROCHA, M. B. M. Tradição e modernidade: o processo constituinte de 1933/34. In: FÁVERO, Osmar. (Org.). A Educação nas constituintes brasileiras: 1823-1988. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 1996, p. 119-138.

ROMANO, Luís. Manuel Bandeira e Cecília Meireles em Ouro Preto. Revista Turismo & Desenvolvimento, s.d., v.1, n. 27/28, p. 1127-1139, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018. https://doi.org/10.22533/at.ed.27919150411

VEIGA, Cynthia Greive. História da Educação. São Paulo: Ática, 2007.