Expandir as escolas, aumentar a frequência, valorizar a agricultura: Celeste Gobbato e a educação municipal (Caxias do Sul, RS, 1924-1928)

Conteúdo do artigo principal

Terciane Ângela Luchese
https://orcid.org/0000-0002-6608-9728

Resumo

O presente artigo analisa a administração de Celeste Gobbato no município de Caxias nos anos de 1924 a 1928. Gobbato imigrou da Itália contratado pelo governo estadual para atuar na Escola de Engenharia de Porto Alegre como professor. Com formação superior e doutorado em Ciências Agrárias, para além de sua atuação marcante no campo da vitivinicultura e da docência, foi indicado e assumiu a intendência de Caxias na década de 1920. Chegou ao poder em nome da conciliação política e elegeu como um dos pontos prioritários a escolarização. Sua gestão foi marcante seja pela expansão das escolas municipais e investimento no ensino rural, seja pela construção e abertura do Patronato Agrícola. O artigo procura evidenciar as estratégias colocadas em jogo para a promoção da escolarização no período de sua gestão que intentou expandir a oferta, aumentar a frequência e melhorar o ensino rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Luchese, T. Ângela. (2019). Expandir as escolas, aumentar a frequência, valorizar a agricultura: Celeste Gobbato e a educação municipal (Caxias do Sul, RS, 1924-1928). Cadernos De História Da Educação, 18(1), 43–68. https://doi.org/10.14393/che-v18n1-2019-4
Seção
Dossiê: Educação em Perspectiva Local/Municipal
Biografia do Autor

Terciane Ângela Luchese, Universidade de Caxias do Sul (Brasil)

Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora da Universidade de Caxias do Sul no Programa de Pós-Graduação em Educação e no Programa de Pós-Graduação em História. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. E-mail: taluches@ucs.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6608-9728. LATTES: http://lattes.cnpq.br/7640634913198342.

Referências

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. Rio de Janeiro: O Globo; São Paulo: Folha de São Paulo, 2003.

CARVALHO. Carlos Henrique de e CARVALHO, Luciana B. de O. Bar de. O município pedagógico e a descentralização do ensino no Brasil: a educação em Minas Gerais no início da República (1889 –1906). In: Revista Ibero-americana de estudos em Educação. Araraquara, SP, Brasil, v.5, nº 2, 2010, p. 01 –17.

CORRESPONDÊNCIAS. Fundo Educação e Cultura. Códice 06.01.02, Diretoria de Instrução Pública. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

CORRESPONDÊNCIAS. Fundo Educação e Cultura. Códice 06.01.03. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

DECRETO 12.893 de 28 de fevereiro de 1918, disponível em http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-12893-28-fevereiro-1918-507076-publicacaooriginal-1-pe.htmlacesso em 02/02/2018.

DECRETO 13.706 de 25 de julho de 1919, disponível em http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-13706-25-julho-1919-521010-republicacao-95833-pe.htmlacesso em 02/02/2018.

FERNANDES, Cassiane C. Uma história do Grupo Escolar Farroupilha:sujeitos e práticas escolares (Farroupilha/RS, 1927-1949). 217fl. Dissertação (Mestrado) –Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2015.

FOTOGRAFIAS do acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, Caxias do Sul, RS.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GIRON. Loraine S. As Sombrasdo Littorio: o fascismo no Rio Grande do Sul. 2ª ed. Caxias do Sul, 2017.

GONÇALVES NETO, Wenceslau. Repensando a História da Educação brasileira na Primeira República: o município pedagógico como categoria de análise. In:GONÇALVES NETO, Wenceslau e CARVALHO, Carlos Henrique de (org.). Ação municipal e Educação na Primeira República no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2015, p. 19 –35.

I MUNICIPI DELLA COLONIA italiana nello stato di Rio Grande do Sul (Brasile) -Bento Gonçalves -1924 a 1928.

JORNAL ‘A Federação’, órgão do Partido Republicano. Diretor de redação: OtheloRosa. Gerente: Nabor Moura de Azevedo. Porto Alegre, ano XLIII, nº 105, 06/05/1925.

JORNAL ‘Correio Colonial’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Diretor-gerente: Ulysses João Castagna. Redatores: Remigio Ducchini e Julio Mottin. Ano I, nº12, 07/03/1925, p. 05.

JORNAL ‘Correio Colonial’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Diretor-gerente: Ulysses João Castagna. Redatores: Remigio Ducchini e Julio Mottin. Ano I, nº 13, 14/03/1925, p. 02.

JORNAL ‘Correio Colonial’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Diretor-gerente: Ulysses João Castagna. Redatores: Remigio Ducchini e Julio Mottin. Ano I, nº 21, 09/05/1925, p. 02.

JORNAL ‘Correio Colonial’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Diretor-gerente: Ulysses João Castagna. Redatores: Remigio Ducchini e Julio Mottin. Ano I, nº 31, 25/07/1925, p. 02.

JORNAL ‘O Regional’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Publicado aos sábados. Diretor Luiz Miranda, Gerente José Balen. Ano I, nº 11, Caxias, 27/03/1926.

JORNAL ‘O Regional’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Publicado aos sábados. Diretor Luiz Miranda, Gerente José Balen. Ano I, nº 40, Caxias, 16/10/1926.

JORNAL ‘O Regional’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Publicado aos sábados. Diretor Luiz Miranda, Gerente José Balen. Ano I, nº 4, Caxias, 30/01/1926.

JORNAL ‘O Regional’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Publicado aos sábados. Diretor Luiz Miranda, Gerente José Balen. Ano II, nº 16, Caxias,16/04/1927.

JORNAL ‘O Regional’, órgão dos interesses da região colonial do Estado. Publicado aos sábados. Diretor Luiz Miranda, Gerente José Balen. Ano III, nº 32, Caxias, 13/08/1928.

JORNAL O Brasil. Órgão do Partido Republicano. Proprietário Américo Mendes. Redatores Agnello Cavalcanti e Demétrio Niederauer. Ano XIII. Publicado aos sábados à tarde. 10/04/1920, p. 01.

JORNAL Pioneiro. Diretor Isidoro D. Moretto, Diretor e redator Mario Gardelin. Ano III, nº 21, 03/03/1951, p. 04.

JORNAL Pioneiro. DiretorMario Rocha Netto. Ano XIII, nº 16, 20/02/1961, p. 11.

JORNAL Pioneiro. Patronato Agrícola. Ano 42, nº 4.441, 03 e 04 de fevereiro de 1990. Encarte Sete Dias, p. 06.

LIVRO DE ATAS do Conselho Municipal. Livro 06, de 15/11/1921 a 01/11/1930. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, Caxias do Sul.

LUCHESE, Terciane Â. O processo escolar entre imigrantes no Rio Grande do Sul. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2015.

LUCHESE, Terciane Â. Em busca da escola pública: tensionamentos, iniciativas e processo de escolarização na Região Colonial Italiana, Rio Grande do Sul, Brasil. In: Cadernos de História da Educação. V. 11, nº 2, jul./dez. 2012, p. 667 –679.

LUCHESE, Terciane Â.;GRAZZIOTIN, Luciane S. Memórias de docentes leigas que atuaram no ensino rural da Região Colonial Italiana, Rio Grande do Sul (1930 -1950). In: Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 41, n. 02, p. 341-358, abr./jun. 2015.

LUCHESE, Terciane Â.; KREUTZ, L. Das escolas de improviso às escolas planejadas: um olhar sobre os espaços escolares da Região Colonial Italiana, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de História da Educação, v. 12, p. 45-76, 2012.

MACHADO, Maria A. Construindo uma Cidade: História de Caxias do Sul –1875/1950. Caxias do Sul: Maneco Livraria & Editora, 2001.

MAGALHÃES, Justino. O município liberal e a decisão política. In: GONÇALVES NETO, Wenceslau e CARVALHO, Carlos Henrique de (org.). Ação municipal e Educação na Primeira República no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2015, p. 37 –46.

MONTEIRO, Katani. Entre o vinho e a política: uma biografia de Celeste Gobbato (1890 –1958). Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2016. Ebook disponível em https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/ebook-entre-o-vinho.pdf acesso em 01/02/2018.

MORETTO, Paulina Soldatelli entrevistada por Cleodes Piazza Ribeiro em 08/01/1983. Transcrição de Tranquila Bambina Moresco Brando. In: Projeto Elementos Culturais das Antigas Colônias Italianas no nordeste do Rio Grande do Sul (ECIRS), Instituto de Memória Histórica e Cultural da Universidade de Caxias do Sul.

RECH, Gelson; LUCHESE, Terciane Â. Escolas italianas no Rio Grande do Sul: pesquisa e documentos. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2018 (no prelo).

REGISTRO DE Atos da Intendência Municipal (1924 –1930). Fundo Educação e Cultura. Códice 01.01.01. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

RELA, Eliana. Nossa fé, nossa vitória. Igreja Católica, maçonaria e poder político na formação de Caxias do Sul. Caxias do Sul: EDUCS, 2004.

RELATÓRIO apresentado ao Conselho Municipal pelo Intendente Coronel J. Penna de Moraes na sessão ordinária em 22 de dezembro de 1923. Porto Alegre: Officinas Graphicas d ́A Federação, 1924.

RELATÓRIO correspondente ao período administrativo de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 1926, apresentado ao Conselho Municipal pelo Intendente, Dr. Celeste Gobbato. Caxias: Livraria Mendes, 1928.

RELATÓRIO correspondente ao período administrativo de 1º de janeiro a 30 de setembro de 1928, acompanhado de um resumo dos trabalhos realizados durante o quadriênio de 1924 –1928 apresentado ao Conselho Municipal pelo Intendente, Dr. Celeste Gobbato. Porto Alegre: Centro da Boa Imprensa, 1928b.

RELATÓRIO correspondente ao período administrativo decorrido de 12 de outubro de 1924 a 31 de dezembro de 1925, apresentado ao Conselho Municipal pelo Intendente, Dr. Celeste Gobbato e Lei Orçamentária de Receita e Despesa e Autorizações ao Intendente para o exercício de 1926. Porto Alegre: Oficinas Gráficas da Escola de Engenharia de Porto Alegre, 1926.

RELATÓRIO correspondente ao período administrativo decorrido de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 1927, apresentado ao Conselho Municipal pelo Intendente, Dr. Celeste Gobbato. Caxias: Livraria Mendes, 1928a.

REVEL, Jacques (org.). Jogos de escalas.A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

TISOTT, Ramon V. Formar trabalhadores, transformar a sociedade: o ensino industrial em 3 tempos (Caxias do Sul, 1901 –1964). 231fl. Tese em História. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em História, UFRGS, 2017.

VICENTE, Magda A. O Patronato Agrícola Visconde da Graça em Pelotas/RS (1923-1934):gênese e práticas educativas. 157fl. Pelotas: Programa de Pós-Graduação em Educação, UFPel, 2010.