NOVAS FORMAS DE PARCELAMENTO DO SOLO: O CASO DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS/MG

Autores

Resumo

Resumo: As cidades atuais caracterizam-se pelas acentuadas articulações das formas espaciais entre campo e cidade. A expansão do tecido urbano, sobretudo nas cidades médias, constitui palco imediato desse processo. A simples delimitação espacial reflete pouco o real conteúdo do que se considera rural e urbano. Esse cenário descreve a realidade da cidade de Montes Claros, uma vez que o mercado imobiliário investeno parcelamento do solo rural com a finalidade urbana. Como consequência, formam-se chacreamentos no entorno da cidade, sem um controle efetivo do poder público na gestão municipal. Além disso, é possível observar incoerências e desrespeito quanto à Lei 6.766/79 e o Estatuto da Terra, já que a gleba é forçadamente subdividida, criando-se “falsos condomínios”. Diante dessa realidade, este trabalho objetivou analisar, por meio do Sensoriamento Remoto, a distribuição e a configuração espacialdos condomínios rurais, bem como refletiu a expansão do tecido urbano diante dessa nova realidade. O uso de geotecnologias, notadamente o sensoriamento remoto, com o uso de produtos orbitais, permitiram monitorar esses empreendimentos, mecanismos importantes para a gestão do uso e ocupação do solo. Essa metodologia evidenciou que a nova forma de moradia é própria do processo de expansão da cidade de Montes Claros, que poderá acontecer de forma desordenada, ou seja, há “descontinuidades territoriais” quanto à insuficiência da regulação do poder público nas indeterminações urbano-rural.

Palavras Chaves: condomínios rurais, parcelamento do solo, Sensoriamento Remoto, Montes Claros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Ramos Ferreira, Secretaria de Educação de Minas Gerais

Mestre em Geografia, Universidade Estadual de Montes Claros, Professor da Rede Pública de Ensino, Secretaria de Educação de Minas Gerais.

Marcos Esdras Leite, Universidade Estadual de Montes Claros

Doutor em Geografia, Professor do Departamento de Geociências, Universidade Estadual de Montes Claros.

Downloads

Publicado

2019-12-20