No entremeio dos sentidos de gênero, raça e sexualidade

a construção discursiva da masculinidade negra gay em Madame Satã (2002)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v5n1-2023-68084

Palavras-chave:

Análise do discurso, Sentidos de gênero, Sexualidade, Raça

Resumo

Neste artigo, buscamos compreender a intersecção dos sentidos de gênero, raça e sexualidade e seu funcionamento discursivo no processo de forja da masculinidade negra gay na obra cinematográfica Madame Satã (2002). Para tanto, apoiamo-nos, como suporte teórico-analítico, na Análise de Discurso de filiação materialista, tomando como premissa as ideias de Pêcheux ([1975] 2014) e Orlandi (2020), nas teorias de gênero e sexualidade, a partir das considerações de Lins (2021), Butler (2020) e Foucault ([1976] 2014) e nas reflexões de Fanon (2008) e Modesto (2018, 2021) sobre discursos racializados, atentando-nos para o caráter interseccional dos objetos de pesquisa. Como desenvolvimento desta pesquisa, analisamos que a masculinidade negra gay é forjada pela subversão dos sentidos hegemônicos de gênero e sexualidade alinhados aos de raça. Através da materialização dos sentidos de gênero e sexualidade em não conformidade com as expectativas da concepção biologizante de corpo-gênero, numa formação social branco-cêntrica, nas corporeidades de masculinidades pretas-e-gays, surgiram os gritos de autoafirmação e autodeterminação que constitui essa subjetividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Borges, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Graduando em Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas e Língua Inglesa e suas Literaturas pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Integrante do grupo de pesquisa Discurso e Tensões Raciais (CNPq/UESC).

Anderson Lins, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Professor Assistente da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e integrante do grupo de pesquisa Discurso e Tensões Raciais (CNPq/UESC). Doutor em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

AINOUZ, Karim. (Produtor/diretor). (2002). Madame Satã. [DVD]. Brasil: Lumiére. 105 min.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019, p.19.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 19 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.

FANON, Frantz. Peles negras, máscaras brancas. Salvador: EdUFBA, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Jonis. Compadrio em uma freguesia escravista: Senhor Bom Jesus do Rio Pardo (MG) (1838-1888). Anais..., p. 1-24, 2016.

LAGAZZI, Suzy. O desafio de dizer não. Campinas: Pontes Editores, 1988.

LINS, Anderson. Subjetividades em trama, corpos em transe: os mo(vi)mentos de identificação de sujeitos transgêneros no entremeio dos sentidos de feminilidades e masculinidades. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2021.

MODESTO, Rogério. “Você matou meu filho” e outros gritos: um estudo das formas da denúncia. Tese (Doutorado em Linguística), Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018a, p. 147.

MODESTO, Rogério. Interpelação ideológica e tensão racial: efeitos de um grito. Revista Littera, v. 9, n. 17, 2018b, p. 124-145.

MODESTO, Rogério. Os discursos racializados. Revista da ABRALIN, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 1–19, 2021. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1851. Acesso em: 24 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.25189/rabralin.v20i2

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2020.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5 ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

BORGES DE OLIVEIRA, P. H.; LINS RODRIGUES, A. No entremeio dos sentidos de gênero, raça e sexualidade: a construção discursiva da masculinidade negra gay em Madame Satã (2002). Revista Heterotópica, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 157–182, 2023. DOI: 10.14393/HTP-v5n1-2023-68084. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/68084. Acesso em: 15 jul. 2024.