A língua, a lei e a cisnormatividade

estratégias linguístico-discursivas em um acórdão de discriminação de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v2n2-2020-57236

Palavras-chave:

Estudos Críticos do Discurso, Discriminação de Gênero, Acórdão, Banheiro Público, Pessoas Trans

Resumo

RESUMO: Este trabalho destinou-se a explorar, a partir de um estudo de caso, sobre como o discurso jurídico pode ser um instrumento de normatização e dominação. O nosso interesse centrou-se nas relações entre a recontextualização e representação dos atores sociais, buscando compreender  as funções das escolhas linguísticas utilizadas para a construção argumentativa da decisão judicial. Assim, nos debruçamos sobre a execução de uma decisão judicial a respeito do uso de banheiros por pessoas trans, investigando os componentes e estratégias textuais, discursivas e ideológicas de sua composição. Para estes fins, utilizamos a abordagem dialético-relacional de Estudos Críticos do Discurso (FAIRCLOUGH, 2003; 2004; 2009), recorrendo as categorias de modalização, avaliação e representação de atores sociais (VAN LEEUWEN, 2008), além de correlacionarmos aos modos gerais de operação da ideologia (THOMPSON, 2011). Tendemos a observar que, na amostra em questão, a partir de um processo de recontextualização, a autora do processo, antes vítima de discriminação de gênero, passou a exercer características de agente causadora das ações que pleiteava, de maneira que assumiu a função de “agente” na grande parte das construções sintático-semânticas dos eventos negativos. Por outro lado, a parte ré foi representada como conciliadora e pacífica, com agência suprimida ou em segundo plano, nos eventos de valor negativo. Por fim, em nossa análise, notabilizamos que o caráter poroso da linguagem foi utilizado para ordenar manobras argumentativas que culminaram em uma tomada de decisão discriminatória e excludente e que urge de maiores reflexões sobre ações jurídicas cisnormativas que não reconhecem o direito das pessoas trans.

Palavras-chave: Linguística Forense; Estudos Críticos do Discurso; Discriminação de Gênero; Acórdão; O uso de banheiro por pessoas trans.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauco Damião Souza da Silva, Faculdade de Letras da Universidade do Porto - FLUP

Mestrando em Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP/Portugal) e também discente do Curso de Especialização em Linguística Forense na mesma instituição (FLUP/Portugal). É Licenciado em Letras - Português/Inglês e suas Literaturas pela Universidade de Pernambuco (UPE).

Referências

ANGERMULLER, Johannes; MAINGUENEAU, Dominique; WODAK, Ruth (eds.). The discourse studies reader: main currents in theory and analysis. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2014. DOI: https://doi.org/10.1075/z.184

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Procuradoria Geral da República – PGR. Parecer Nº 116706/2015 –ASJCIV/SAJ/PGR. RE: 845.779 – SC. Relator: Ministro Roberto Barroso. Publicado em 10/10/2015. Disponível em: <http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=307996530&ext=.pdf>. Acesso em: 5 out. 2019.

BHASKAR, Ram Roy. The possibility of Naturalism: a philosophical critique of the contemporary Human Sciences. Hemel Hempstead: Harvester Wheatsheaf, 1989.

BUNCHAFT, Maria Eugenia. Transexualidade e o “direito dos banheiros” no STF: uma reflexão à luz de Post, Siegel e Fraser. Rev. Bras. Polít. Públicas (Online), Brasília, v. 6, n. 3, p. 222-243, 2016. Disponível em: <https://www.publicacoes.uniceub.br/RBPP/article/view/4112>. Acesso em: 21 ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.5102/rbpp/bjpp.v6i3.4112

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHOULIARAKI, Lilie; FAIRCLOUGH, Norman. Discourse in late modernity: rethinking Critical discourse analysis. Edinbourg: Edinbourg University, 1999

DIAS, Afrancio Ferreira; ZOBOLI, Fabio; SANTOS, Adriana Lohanna dos. O banheiro como espaço político de gênero. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 26, n. 2, p. 165-181, mai.-ago. 2018. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/11734>. Acesso em: 21 ago. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v26i2.11734

DUCROT, Oswald. La preuve et le dire, Langage et logique. Paris: Mame, 1973.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. UnB, 2001.

FAIRCLOUGH, Norman. Analysing Discourse: Textual analysis for social research. London: Routledge, 2003. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203697078

FAIRCLOUGH, Norman. Semiotic aspects of social transformation and learning. In: ROGERS, R. An Introduction to Critical Discourse Analysis in Education. Lawrence Erlbaum, 2004, p. 225-235.

FAIRCLOUGH, Norman. A dialectical-relational approach to critical discourse analysis in social research. In: WODAK, R; MEYER, M. Methods of Critical Discourse Analysis. SAGE, 2009, p. 162-186.

FAIRCLOUGH, Norman; WODAK, Ruth. Critical discourse analysis. In: VAN DIJK, T. A. (Ed.). Discourse as social interaction. London: Sage, 1997, p. 258-284

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

HALLIDAY, Michael A. K. An Introduction to Functional Grammar. London: Arnold, 1985; 1994.

MARCUSHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Â. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (org.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

MARCUSHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MELO, Iran Ferreira. Por uma análise crítica do discurso. In: MELO, I. F. Introdução aos estudos críticos do discurso: reoria e prática. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012, p. 55-99.

MESQUITA, Caio Cipriano. O acesso ao banheiro por transexuais como condição básica para o apoderamento do espaço público: a utilização da teoria do desacordo moral razoável no RE 845.779/SC. 2016. 70f. Monografia (Graduação em Direito) - Faculdade de Direito, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

POSCHER, Ralf. Hermeneutics, Jurisprudence and Law. In: MALPAS, J.; GANDER, H. H. (eds.). Routledge Companion to Philosophical Hermeneutics. London: Routledge, 2015, p. 451-465.

RESENDE, Viviane de Melo. Análise de discurso crítica como interdisciplina para a crítica social: uma introdução. In: MELO, I. F. (org,). Introdução aos estudos críticos do discurso: teoria e prática. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012, p. 99-112.

RAMALHO, Viviane; RESENDE, Viviane de Melo. Análise de Discurso (para a) crítica: O texto como material de pesquisa. Coleção: Linguagem e Sociedade, v. 1. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

REISIGL, Michael; WODAK, Ruth. The discourse-historical approach. In: WODAK, R.; MEYER, M. (eds.). Methods of critical discourse analysis. London, UK: Sage, 2009, p. 87-121.

RESENDE, Viviane de Melo. Análise de Discurso Crítica: reflexões teóricas e epistemoógicas quase excessivas de uma analista obstinada. In: RESENDE, V.; REGIS, J. F. S. (org.) Outras perspectivas em análise de discurso crítica. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017, p. 11-52.

RIEGER, Pedro Gustavo; FIGUEIREDO, Debora. (Mis)gendering and naming practices in appellate decisions. Language and Law / Linguagem e Direito, v. 4, n. 2, p. 140-156, 2017. Disponível em: <https://www.semanticscholar.org/paper/(Mis)gendering-and-naming-practices-in-appellate-in-Rieger-Figueiredo/33e9bb4bd5ae284fdd4d94053a4a6d1ce269ccfb>. Acesso em: 21 ago. 2020.

RIOS, Roger Raupp; RESADORI, Alice Hertzog. Direitos humanos, transexualidade e “direito dos banheiros”. Revista Direito & Práxis. Rio de Janeiro, v. 06, n. 12, p. 196-227, 2015. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/16715>. Acesso em: 21 ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/dep.2015.16715

SÃO PAULO, Tribunal de Justiça. Apelação Cível nº 0036120- 87.2009.8.26.0564. Relatora Márcia Tessitore. São Paulo, 11 de março de 2014. Disponível em: <https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/123569630/apelacao-apl-361208720098260564-sp-0036120-8720098260564/inteiro-teor-123569638>. Acesso em: 30 maio 2018.

SEARLE, John. Speech Acts: an essay in the philosophy of language. Cambridge: Cambridge University Press, 1969. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139173438

THOMPSON, John B. Ideologia e Cultura Moderna: teoria social e crítica na era dos meios de comunicação de massa. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

TOMAZI, Micheline Mattedi; CUNHA, Gustavo Ximenes. O papel da polarização discursiva no processo de negociação de faces em processo judicial de violência contra a mulher. In: PINTO, R; CABRAL, A. L. T.; RODRIGUES, M. G. S. (org.). Linguagem e direito: perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Contexto, 2016, p. 145-164.

VAN LEEUWEN, Theo. Discourse and practice: new tools for critical discourse analysis. New York: Oxford, 2008. DOI: https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780195323306.001.0001

WODAK, Ruth; MEYER, Michael. Critical discourse studies: history, agenda, theory and methodology. In: WODAK, R.; MEYER, M. (eds). Methods of Critical Discourse Analysis. SAGE, 3rd edition, 2016, p. 2-22.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

DAMIÃO SOUZA DA SILVA, G. . A língua, a lei e a cisnormatividade: estratégias linguístico-discursivas em um acórdão de discriminação de gênero. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 68–92, 2020. DOI: 10.14393/HTP-v2n2-2020-57236. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/57236. Acesso em: 13 jul. 2024.