“Não fale em crise, trabalhe” e a reforma trabalhista

efeitos de sentidos na pandemia da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v2n2-2020-57217

Palavras-chave:

Charge, Reforma Trabalhista, Empreendedorismo, Pandemia, Discurso

Resumo

Nas primeiras décadas do século XX, com o acesso mais popularizado à mídia digital no Brasil e com o crescimento das redes sociais, discursos heterogêneos têm se materializado no ciberespaço. Sendo o discurso constituído por/para sujeitos (Pêcheux, 2009), nos propomos nesse estudo analisar alguns dizeres que circula(ra)m nas redes sociais, através de charges de 2016 a 2020, com o objetivo de desvelar como os efeitos de sentidos do discurso “Não fale em crise, trabalhe!”, forjado no contexto da reforma trabalhista brasileira, afeta(ra)m os entregadores de aplicativo no período de crise econômica, política e sanitária. Esse dizer foi proferido pelo presidente Michel Temer em seu primeiro pronunciamento oficial como presidente em exercício, em 2016. O método utilizado para a análise das charges foi o do materialismo histórico-dialético com base no dispositivo teórico-analítico da Análise de Discurso Pêcheutiana. A partir das análises realizadas nesse estudo, desvelamos como o discurso jurídico da reforma trabalhista legitimou e acelerou o processo de precarização das condições de trabalho e de sobrevivência dos trabalhadores, com a uberização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana dos Santos Santana, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Graduanda em Letras – Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) / Campus Prof. Alberto Carvalho – Itabaiana/SE. Bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Membro temporário do grupo Historiografia Épica (GT5) do Centro Internacional e Multidisciplinar em Estudos Épicos (CIMEEP). Endereço institucional: Av. Ver. Olímpio Grande, s/n - Porto, Itabaiana - SE, 49500-000.

Samuel Barbosa Silva, Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Doutorando em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas (PPGLL-UFAL). Membro dos grupos de pesquisa: GEDON (UFAL), GrAD (UFAL) e GEPAD (UPE).

Roseane Santana Santos, Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Doutora em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas (PPGLL-UFAL). Membro do Grupo de Estudos Discurso e Ontologia / GEDON-UFAL.

Referências

ABÍLIO, Ludmila Costhek et al. Condições de trabalho de entregadores via plataforma digital durante a Covid-19. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano, Campinas, Ed. Especial – Dossiê Covid-19, 2020. Disponível em: <https://www.cesit.net.br/condicoes-de-trabalho-de-entregadores-via-plataforma-digital-durante-a-covid-19/>. Acesso em: 7 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.33239/rjtdh.v.74

AMARAL, Maria Virgínia Borges. Discurso e relações de trabalho. Maceió: EdUFAL, 2005.

AMARAL, Angela Santana do. Precarização estrutural e exploração da força de trabalho: tendências contemporâneas. Argumentum, v. 10, n. 3, p. 244-256, set.-dez. 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/19549/15689>. Acesso em: 7 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.18315/argumentum.v10i3.19549

IAMAMOTO, Marilda Villela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 2004.

MAGALHÃES, Belmira. As marcas do corpo contando a história: um estudo sobre a violência doméstica. Maceió: EdUFAL, 2005.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Petrópolis: Vozes, 2001.

PÊCHEUX, Michel. Análise de Discurso: três épocas. In: GADET, F.; HAK, T. (org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: UNICAMP, 1993.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da Memória. Campinas: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: UNICAMP, 2009.

ORLANDI, Eni. Discurso e texto: formulação e circulação de sentidos. Campinas: Pontes, 2008.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: UNICAMP, 2007. DOI: https://doi.org/10.7476/9788526814707

ORLANDI, Eni. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 2011.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

DOS SANTOS SANTANA, L.; BARBOSA SILVA, S.; SANTANA SANTOS, R. “Não fale em crise, trabalhe” e a reforma trabalhista : efeitos de sentidos na pandemia da Covid-19. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 160–179, 2020. DOI: 10.14393/HTP-v2n2-2020-57217. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/57217. Acesso em: 22 jul. 2024.