Limites e avanços da política de permanência implicações para afetos e vivências no ensino superior

Conteúdo do artigo principal

Adélia Augusta Souto de Oliveira
https://orcid.org/0000-0001-5635-1510
Lucélia Maria Lima da Silva Gomes
https://orcid.org/0000-0001-8932-6039

Resumo

A assistência deve ser um instrumento de promoção de justiça social e enfrentamento às desigualdades históricas, no contexto da educação superior brasileira. Observam-se, por meio das práticas de sua implantação, os afetos e vivências (re)produzidos nesse âmbito. A presente proposta objetiva refletir, criticamente, a inserção da Política Nacional de Assistência, na universidade pública federal brasileira, seus afetos e vivências políticas. Para tanto, recorre à experiência profissional da Psicologia, nesse novo campo de atuação, a partir da perspectiva vigotskiana. Observa-se uma melhoria no nível de acesso, com a amplitude e a diversidade de estudantes na universidade, com os programas e ações governamentais, no período de 2001 a 2012. Desafios que, ainda, apresentam-se na sua permanência, obtenção de sucesso, vivência de afetos potencializadores, na superação da fragmentação dos campos de saber e de ênfase em ações compensatórias e assistencialistas. Conclui-se que demarcar as fragilidades econômicas pode reafirmar estigmas que se sobrepõem ao sujeito, ativo no estabelecimento de encontros afetivos e (com) vivências potencializadores. A Psicologia deve, portanto, refletir sobre as práticas emancipadoras desenvolvidas no contexto da política de permanência, a partir da concepção de sujeito ético-político, produzido por meio da apropriação e transformação das práticas culturais, mediadas nas relações sociais (com)partilhadas no processo histórico vivenciado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Oliveira, A. A. S. de ., & Gomes, L. M. L. da S. . (2019). Limites e avanços da política de permanência: implicações para afetos e vivências no ensino superior. Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 3(2), 1–15. https://doi.org/10.14393/OBv3n2.a2019-51564
Seção
Dossiê: Aprendizagem e Desenvolvimento na Teoria Histórico-Cultural

Referências

BRAGA, G. P. de O. Programa Nacional de Assistência estudantil: fundamentos críticos e problematizações. Sociedade em debate, Pelotas, v.25, n.2, p. 25-38, 2018. Disponível em:< http://revistas.ucpel.tche.br/index.php/rsd/article/view/1832/1178>. Acesso em 20/01/19.

BRASIL. Decreto nº 7.234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES, 2010. Diário Oficial da União, 20 jul. 2010. Disponível in:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7234.htm>. Acesso em 20/07/18. https://doi.org/10.5377/lrd.v31i0.1247

CÊPEDA, V. A. II Pesquisa Nacional do Perfil das Instituições Federais do Ensino Superior para a Assistência Estudantil – um mapeamento de capacidades e instrumentos. Resultados da Coleta 2016. São Carlos: Ideias, Intelectuais e Instituições; FONAPRACE; ANDIFES, 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362011000100007

DUTRA, N. G. R.; SANTOS, M. F. S. Assistência estudantil sob múltiplos olhares: a disputa de concepções. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 25, n. 94, p. 148-181, 2017. Disponível em: . Acesso em 20/09/18. https://doi.org/10.1590/s0104-40362017000100006

FONAPRACE - Fórum Nacional de Pró-reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis. I Pesquisa do Perfil Sócio-econômico e Cultural do Estudante de Graduação das IFES Brasileiras. Belo Horizonte, 1997.

______. Plano nacional de assistência estudantil. 2007. Disponível em: . Acesso em 05/06/18. https://doi.org/10.26512/ser_social.v14i31.13025

FONAPRACE. IV Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras. Brasília, 2017. https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2017v12n1.34380

______. Relatório da V Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras. Belo Horizonte, 2019.

LEITE, J. de O. As múltiplas determinações do programa nacional de assistência estudantil – Pnaes nos governos Luiz Inácio Lula da Silva. 2015. 544f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2015. https://doi.org/10.11606/d.48.2012.tde-12112012-143546

LEITE, J. L. Política de Assistência Estudantil: direito da carência ou carência de direitos? SER social, Brasília, v. 14, n. 31, p. 453-472, 2012. https://doi.org/10.26512/ser_social.v14i31.13024

MACHADO, J. P.; PAN, M. A. G. de S. Política pública e subjetividade: a assistência estudantil na universidade. Textos & contextos, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 184-198. 2014. Disponível em: Acesso em 23/01/19. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2014.1.15929


MANCEBO, D.; VALE, A. A.; BARBOSA, M. T. Políticas de expansão da educação superior no Brasil 1995-2010. Revista Brasileira de Educação, vol. 20, n.60, p. 31-50, 2015. Disponível em: . Acesso em 20/09/18. https://doi.org/10.1590/s1413-24782015206003

MARINHO-ARAÚJO, C. M. Inovações em Psicologia Escolar: O contexto da educação superior. Estud. psicol., Campinas, v. 33, n. 2, p. 199-211, 2016. Disponível em: . Acesso em 15/06/2018. https://doi.org/10.1590/1982-02752016000200003

PAN, M. A. G. S.; ZONTA, G. A. Acolhimento por pares como prática de formação de psicólogos: Plantão institucional e Rodas de Conversa. In: PAN, M. A. G. S.; ALBANESE, L.; FERRARINI, N. L (org.). Psicologia e educação superior: formação e(m) prática. Curitiba: Juruá, 2017, p. 35-54. https://doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v18n3p156-167

PEREIRA, T. I.; MAY, F.; GUTIERREZ, D. O acesso das classes populares ao ensino superior: novas políticas, antigos desafios. Revista pedagógica, v. 16, n 32, p. 117-140, 2014. Disponível em: . Acesso em 20/10/18. https://doi.org/10.22196/rp.v16i32.2726

ROCHA, F. et al. “Colegas de estudo” e a produção de contextos sociais de apoio para universitários com dificuldades de persistência na permanência no ensino superior. In: PAN, M. A. G. de S; ALBANESE, L.; FERRARINI, N. L. Psicologia e educação superior: formação e(m) prática. Curitiba: Juruá, 2017, p. 231-252. https://doi.org/10.18256/2447-3944.2017.v3i2.1555

SANTOS, A. S. et al. Atuação do Psicólogo Escolar e Educacional no ensino superior: reflexões sobre práticas. Psicologia escolar e educacional. Campinas, v. 19, n. 3, p. 515-524, 2015. Disponível in: Acesso em: 20/06/2018. https://doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0193888

SANTIAGO, S. N. A política de assistência estudantil no governo Lula: 2003 a 2010. 219 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Instituto de Ciências em Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, 2014. https://doi.org/10.31419/issn.2594-942x.v52018i3a3arc

SAWAIA, B. B. O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In: Sawaia. B. (org.). As artimanhas da exclusão: uma análise ético-psicossocial da desigualdade (pp. 97-119). Petrópolis: Vozes, 2006. https://doi.org/10.1590/s0102-71822014000600007


SAWAIA, B. B. Psicologia e desigualdade social: uma reflexão sobre a liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 364-372, 2009. Disponível em . Acesso em 15/07/18. https://doi.org/10.1590/s0102-71822009000300010

SAWAIA, B. B.; MAGIOLINO, L. L. S. As nuances da afetividade: emoção, sentimento e paixão em perspectiva. In: BANKS-LEITE, L.; SMOLKA, A. L. B.; DOS ANJOS, D. D. (org.). Diálogos na perspectiva histórico-cultural interlocuções com a clínica da atividade. Campinas: Mercado de Letras, 2016, p. 61-86. https://doi.org/10.1590/2175-35392015020302

SAWAIA, B. B.; SILVA, D. N. H. Pelo reencantamento da Psicologia: em busca da positividade epistemológica da imaginação e da emoção no desenvolvimento humano. Cad. CEDES [online], Campinas, v.35, n.spe, p .343-360, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-32622015000400343&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 20/01/19. https://doi.org/10.1590/cc0101-32622015v35especial154115

VASCONCELOS, N. B. Programa nacional de assistência estudantil: uma análise da evolução da assistência estudantil ao longo da história da educação superior no Brasil. Ensino Em-Revista, Uberlândia, v. 17, n. 2, p. 599-616, 2010. Disponível in: < http://www.seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/11361>. Acesso em 10/11/18. https://doi.org/10.12957/rep.2019.45213

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas: el significado historico de la crisis de la psicologia. Madrid: Visor, 1991. i.

______. Obras escogidas: Problemas de Psicologia General. Madrid: Visor, 1993. ii.

______. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, L. S. Teoría de las emociones – Estudio histórico psicológico. Madrid: Akal, 2004.