Reflexões sobre o ensino da taxonomia e da sistemática filogenética e o desenvolvimento do pensamento abstrato

Conteúdo do artigo principal

Júlia Mazinini Rosa
Lígia Márcia Martins
https://orcid.org/0000-0002-4293-9580

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar resultados preliminares de reflexões a respeito do ensino dos sistemas de classificação dos seres vivos (abordando a taxonomia e a sistemática filogenética) e o desenvolvimento da função psíquica pensamento, tendo como enfoque o pensamento abstrato empírico e o pensamento abstrato teórico. Para isso, tomamos como referencial as proposições de Vigotski e Davidov sobre o desenvolvimento do pensamento conceitual, bem como elementos fundamentais da taxonomia e da sistemática filogenética sistematizados por Mayr e Amorim. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica a partir da qual foi possível identificar elementos da ciência empírica e da lógica formal na taxonomia, bem como elementos da ciência teórica e da lógica dialética na sistemática filogenética. Discutimos a relação entre o ensino destes sistemas de classificação e o desenvolvimento do pensamento rigorosamente abstrato. Merece atenção o fato de que, lamentavelmente, a sistemática não é elemento constituinte do ensino de Biologia na educação básica.


 


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Rosa, J. M., & Martins, L. M. (2017). Reflexões sobre o ensino da taxonomia e da sistemática filogenética e o desenvolvimento do pensamento abstrato . Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 1(2), 376–410. https://doi.org/10.14393/OBv1n2a2017-7
Seção
Dossiê Psicologia Pedagógica

Referências

BRUSCA, G.; BRUSCA, R. Invertebrados. Rio de Janeiro: Guanabara. 2007.

DAVIDOV, V. La enseñansa escolar y el desarollo psiquico. Moscou: Editorial Progreso. 1988.

DARWIN,C.R. A origem das espécies. FONSECA,E. (Trad.). Rio de Janeiro: Ediouro. 2004.

GOULD, S. J.; LEWONTIN, R. The spandrels of San Marco and the Panglossian Paradigm: a critique of the adaptation ist programme. Proceedings of the Royal Society of London, p.581-598. 1979.

KOSIK, K.. Dialética do concreto. São Paulo: Paz e Terra. 2002.

LAMARCK, J. B. Zoological Philosophy: an exposition with regard to the natural history os animals. ELLIOT, H. (Trad.) Vol. 1. Londres: Mac Millan and Co. 1914.

LEFEBVRE, H. Lógica formal, lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.1991.

LEONTIEV,A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte. Portugal.1978.

LEWONTIN,R. Atriplahélice: gene, organismo, ambiente. Lisboa: Edições 70. 1988. 94p.

LIPORINI, T. Q. O ensino de sistemática e taxonomia biológica no Ensino Médio da Rede Estadual no município de São Paulo-SP. 2016. 202f.

Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências. Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”. Bauru-SP, 2016.

LURIA, A. R. Curso de psicologia geral. Vol. IV. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.1979.

MAYR,E. Biologia, ciência única. São Paulo: Companhia das Letras. 2004.

______.Isto é biologia. São Paulo: Schwartz. 2008.

______.O desenvolvimento do pensamento biológico. Brasília: Editora UNB. 1998.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11.ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SPIVAK, E. El árbol de la vida: una representación de una evolución y la evolución de una representación. Ciencia Hoy. Vol.16, n.91,p.10-24.2006.

TIDON, R. A teoria evolutiva de Lamarck. Genética na Escola. Vol.1, n.1, p.64-71. 2014.

TONET,I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács. 2013.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 4.ed. 1991.

______.Obras escogidas. TomoII. Madrid: Visor, 2001.

______.Obras escogidas. TomoIII. Madrid: Visor,1995.