A mediação do professor no desenvolvimento da expressão escrita em textos argumentativos de alunos pré-vestibulandos uma análise a partir da perspectiva vigotskiana

Conteúdo do artigo principal

Silvia Galesso Cardoso
Teresa Cristina Rego
https://orcid.org/0000-0002-1164-8094

Resumo

Nas últimas quatro décadas, houve avanços na área educacional brasileira, principalmente no que diz respeito à ampliação da escolaridade da população e à incorporação de novas e promissoras concepções de ensino e aprendizagem, muitas delas baseadas na perspectiva sociointeracionista. No entanto, a partir de balanços estatísticos recentes, tudo leva a crer que não há, no cenário brasileiro, progresso significativo no domínio pleno das habilidades de leitura e escrita. A maneira esquemática, prescritiva e impessoal como a produção de texto argumentativo tem sido recorrentemente implementada nas salas de aula e nos materiais didáticos é um dos fatores que não contribuem para o desempenho linguístico autônomo dos estudantes. Diversos especialistas indicam que, para o exercício da escrita deixar de ser mero exercício escolar e passar a ser experiência comunicativa, exercício de reflexão sobre o mundo e sobre a própria escrita, a atuação do professor é imprescindível. Este artigo é parte de um estudo de doutorado em andamento, interessado em produzir conhecimento sobre a interação do professor no ensino da escrita argumentativa, na tentativa de traçar campos que deem visibilidade para as potências engendradas nessa experiência com o escrever. O recorte aqui proposto tem a intenção de examinar os efeitos da mediação no estudo de um caso específico, que apresenta as intervenções de uma professora e a produção de um aluno pré-vestibulando no contexto de aulas particulares semanais, realizadas ao longo de um ano, no município de São Paulo.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Cardoso, S. G., & Rego, T. C. (2017). A mediação do professor no desenvolvimento da expressão escrita em textos argumentativos de alunos pré-vestibulandos : uma análise a partir da perspectiva vigotskiana. Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 1(3), 576–605. https://doi.org/10.14393/OBv1n3a2017-7
Seção
Dossiê Olhares sobre a linguagem escrita

Referências

BRITO, C. Escrita no vestibular: quando o sujeito (des)aparece. Dissertação de mestrado. Campinas: Unicamp, 2004.

CASTALDO, M. Redação no vestibular: a língua cindida. Tese de doutorado. São Paulo: USP, 2009.

COSTA VAL, M. Redação e textualidade. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ESVAEL, E. A construção do ponto de vista dominante na escrita de pré-universitários. Tese de doutorado. São Paulo: USP, 2011.

FERREIRO, E. O ingresso na escrita e nas culturas do escrito: seleção de textos de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2013.

FIAD, R. Reescrita, dialogismo e etnografia. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, SC, v. 13, n. 3, p. 463-480, set./dez. 2013.

GERALDI, J.W. Escrita, uso da escrita e avaliação. In: O texto na sala de aula. GERALDI, J.W. 2 ed. Cascavel: Assoeste, 1984.

GERALDI, J.W. Portos de Passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GERALDI, J.W. O potencial metodológico do paradigma de Vigotski: uma porta para atravessar e não um lugar para ficar. In: Transgressões Convergentes.

GERALDI, J. W.; BENITES, M.; FICHTNER, B. Campinas: Mercado de letras. 2006.

GARCEZ, L. A escrita e o outro: os modos de participação na construção do texto. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

GÓES,M.C. A criança e a escrita: explorando a dimensão reflexiva do ato de escrever. In: A linguagem e o outro no espaço escolar: Vigotski e a construção do conhecimento. SMOLKA, A.L.; GÓES, M.C. (orgs). 5. ed. Campinas: Papirus, 1996.

GÓES, M.C..; SMOLKA, A.L. A criança e a linguagem escrita: considerações sobre a produção de textos. In: Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. ALENCAR, E. (org). 3. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

GOMES, M.F. C.; MONTEIRO, S.M. A aprendizagem e o ensino da linguagem escrita: caderno do professor.Belo Horizonte: Ceale/FaE/UFMG, 2005.

GRILLO, S. Escrever se aprende reescrevendo: um estudo da interação professor/aluno na revisão de textos. Dissertação de mestrado. Campinas: Unicamp, 1995.

JESUS, C. Reescrita: para além da higienização. Dissertação de mestrado. Campinas: Unicamp, 1995.

PÉCORA, A. Problemas de redação. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PIETRI, E. Ensino da escrita na escola: processos e rupturas. In: Cadernos de Educação. p. 133-160. Pelotas: FaE/PPGE/UFPel, set/dez 2010.

PIETRI, E. Os limites do contexto: a constituição da escrita escolar em objeto dos estudos linguísticos. Ling. (dis)curso[online]. 2013, vol.13, n.3, pp.515-542. ISSN 1982-4017.http://dx.doi.org/10.1590/S1518-76322013000300004.

POSSATI, J. A reescrita dialógica. Dissertação de mestrado. Campinas: Unicamp, 2013.

RAMOS, R. As relações entre Éthos e Páthos em redações de vestibulandos. Dissertação de mestrado. São Paulo: USP, 2009.

RIBEIRO, V. M.; LIMA, A.L.D.; BATISTA, A.A.G (orgs). Alfabetismo e letramento no Brasil: 10 anos do INAF. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2015.

ROCCO, M.T. Crise na linguagem: a redação no vestibular. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1981.

SOARES, M. Redação no vestibular: uma solução? In: Cadernos de Pesquisa. n. 24. São Paulo: Carlos Chagas, 1978.

VITA, E. O sujeito, o outro e suas relações com o texto na revisão de textos escolares. Dissertação de mestrado. São Paulo: USP, 2006.

VIGOTSKI, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VIGOTSKI, L. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.