Escrita na Educação Infantil e Teoria Histórico-Cultural desafios e especificidades

Conteúdo do artigo principal

Elieuza Aparecida de Lima
https://orcid.org/0000-0002-4957-6356
Aline Escobar Magalhães Ribeiro
https://orcid.org/0000-0003-2880-0715
Mariana Natal Prieto
https://orcid.org/0000-0001-9166-3245

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir questões referentes à Educação Infantil, especialmente a criação da necessidade de expressão da criança por meio da escrita e as especificidades desse processo. Nosso diálogo com leitor(a) ampara-se em pesquisa bibliográfica, motivada a partir das seguintes questões: a aprendizagem da escrita restringe-se a aspectos técnicos? A aprendizagem desses aspectos efetiva a constituição de leitores e produtores de textos? Alicerçadas em pressupostos da Teoria Histórico-Cultural, compreendemos a escrita como instrumento cultural complexo (VYGOTSKI, 1995; LURIA, 1989), usado pela humanidade para comunicar e expressar pensamentos, aprendizagens e ideias. Nessa perspectiva, o ensino da escrita, nas Escolas de Educação Infantil (EEI), supera práticas alicerçadas em aspectos técnicos, expressadas na apresentação e reprodução de letras e da formação de palavras, que, por não contemplarem a essência do processo, podem limitar e comprometer o desenvolvimento pleno da criança. A fim de que a escola possa contribuir para as aprendizagens e o desenvolvimento infantil em relação à linguagem escrita, é fundamental considerar que toda aprendizagem da criança na escola tem uma pré-história. No que concerne à linguagem escrita, o desenho pictográfico e o jogo de papéis sociais são atividades que antecedem a aquisição da escrita, por impulsionarem o surgimento da representação simbólica na criança. Os estudos de Vygotski (1995) e Luria (1989) revelam o valor de a escola conhecer a pré-história da linguagem escrita como fundamento para contemplar, em suas propostas pedagógicas, as especificidades desse processo e, a partir disso, possibilitar às crianças a vivência de situações nas quais utilize a escrita como instrumento cultural, em sua função social.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Lima, E. A. de, Ribeiro, A. E. M., & Prieto, M. N. (2017). Escrita na Educação Infantil e Teoria Histórico-Cultural: desafios e especificidades . Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 1(3), 535–552. https://doi.org/10.14393/OBv1n3a2017-5
Seção
Dossiê Olhares sobre a linguagem escrita

Referências

BOMFIM, J. C. O papel do brincar na apropriação da linguagem escrita.2012. 101 f. Dissertação de mestrado em Educação. Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Marília, 2012.

GOBBO, G. R. R. A inserção da criança pré-escolar no universo da cultura escrita pela mediação do desenho. 2011. 193 f. Dissertação de mestrado em Educação. Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Marília, 2011.

JUNQUEIRA, A. M. R. A constituição autora e leitora de crianças de 3 anos de idade. 2015. 107 f. Dissertação de mestrado em Educação. Universidade de Uberaba – UNIUBE, Uberaba, 2015.

LEONTIEV, A. O homem e a cultura. In:______. O desenvolvimento do Psiquismo. Lisboa: Livros Horizontes, 1978. p. 261-284.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. SP: Ícone/EDUSP, 1989. p. 143-189.

QUINO.Biografia. Disponível em: <http://www.quino.com.ar/biografia/>. Acesso em: 20 set 2016.

SILVA, G. F. da. O leitor e re-criador de gêneros discursivos na Educação Infantil.2013. 315 f. Tese de doutorado em Educação. Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campusde Marília, 2013.

VYGOTSKI, L. S. La prehistoria del desarrollo del linguaje escrito. In: VYGOTSKI, L.S. Obras Escogidas III. Madrid: Visor Distribuiciones, 1995.