FRAGILIDADE FINANCEIRA E FLUXO DE CAPITAIS: SUAS IMPLICAÇÕES PARA UMA ECONOMIA ABERTA E INTEGRADA A PARTIR DO CASO DA UNIÃO MONETÁRIA EUROPEIA

Autores

  • Luciano Ferreira Gabriel FIEP
  • Thaiza Bahry UP

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo utilizar-se da literatura minskyana de fragilidade financeira a partir dos desenvolvimentos de Gray e Gray (1994), Dymski (1998) e Foley (2003) para analisar a crise observada na União Européia a partir da Grécia. O financiamento do déficit em transações correntes na Grécia foi realizado por meio de "debt creating inflows". Nesse sentido, a maior parte dos recursos necessários para cobertura dos seus déficits gêmeos (fiscal e em transações correntes) foi adquirido por meio de fluxos de investimento em títulos públicos e investimentos em portfólio, colocando àquela economia em uma situação especulativa. A intensidade da crise daí resultante depende, em larga medida, da intervenção do emprestador de última instância (Big Bank), que no caso de uma economia aberta e integrada em uma União Monetária, não está situado dentro do país, o que pode gerar dificuldades de coordenação internacional para uma recuperação econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-10-04

Edição

Seção

Artigos