Extensão universitária e a escola pública

um relato de experiência em tempos de pandemia

Autores

  • Geovana Larissa Amâncio da Cruz Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Maria Eduarda Aparecida Ramos Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Luiz Ernesto Guimarães Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Geraldo Magela Rodrigues de Oliveira Neto Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Esther Aparecida Santos de Assis Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Sara Dáfine Costa Lopes Universidade do Estado de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v21n12022-64004

Palavras-chave:

Extensão universitária, Ciências Sociais, Ensino Médio, Partidos políticos, Sincretismo religioso

Resumo

O presente relato objetiva destacar a importância da extensão universitária, por intermédio da descrição e análise de ações extensionistas desenvolvidas por alunos integrantes dos cursos de licenciatura da Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, em parceria com escolas de Ensino Médio da rede estadual do mesmo município. Para isso, o projeto se fez valer de palestras e discussões realizadas de forma virtual, em distintos momentos, com alunos de diferentes escolas da rede pública da cidade, nas quais foram abordados temas de suma importância para as Ciências Sociais, tais como termos da política institucional e o sincretismo religioso, demonstrando assim que, em tempos pandêmicos, a troca de saberes entre o ambiente escolar e as instituições de ensino superior ainda é possível. Os resultados mostraram que com a realização do projeto, os estudantes que participaram das dinâmicas propostas, ora via oral, ora via chat do Google Meet, alçaram conhecimentos para além do senso comum sobre ambos os temas desenvolvidos. Além disso, o projeto se propõe a contribuir para com o avanço de um dos atuais pilares da universidade pública: a extensão, enquanto reflete acerca das contribuições proporcionadas pela presente prática de extensão universitária na formação dos discentes enquanto futuros educadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geovana Larissa Amâncio da Cruz, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduanda em Pedagogia na Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, Brasil; membro do Laboratório de Pesquisa e Estudo em Relações Étnico-Raciais (LEPER/UEMG) e do Núcleo de Estudo e Pesquisa em Saúde e Educação (NEPES/UEMG). 

Maria Eduarda Aparecida Ramos, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduanda em Pedagogia na Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, Brasil.

Luiz Ernesto Guimarães, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista, São Paulo, Brasil; professor da Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, Brasil; membro do Grupo de Pesquisa História, Sociedade e Religião (UEMG/CNPq).  

Geraldo Magela Rodrigues de Oliveira Neto, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduando em Ciências Sociais na Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, Brasil.

Esther Aparecida Santos de Assis, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduanda em Ciências Sociais na Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, Brasil.

Sara Dáfine Costa Lopes, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduanda em Pedagogia na Universidade do Estado de Minas Gerais, Unidade Barbacena, Brasil.

Referências

ARAÚJO, P. C. Entre ataques e atabaques: intolerância religiosa e racismo nas escolas. São Paulo: Arché, 2017.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Editora Unesp, 1995.

BRASIL. Decreto nº 19.851, de 11 de abril de 1931. Estatuto das Universidades Brasileiras. Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferência, ao sistema universitário, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização technica e administrativa das universidades é instituída no presente Decreto, regendo-se os institutos isolados pelos respectivos regulamentos, observados os dispositivos do seguinte Estatuto das Universidades Brasileiras. Rio de Janeiro, 1931. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 5 out. 2021.

COELHO, G. C. O papel pedagógico da extensão universitária. Em Extensão, Uberlândia, v. 13, n. 2, p. 11-24, 2014. Doi: 10.14393/REE-v13n22014_art01. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/26682. Acesso em: 5 out. 2021.

GADOTTI, M. Extensão universitária: para quê? Instituto Paulo Freire, São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.paulofreire.org/noticias/557-extensao-Universitária-para-que. Acesso em: 5 out. 2021.

KUSCHNIR, K. Antropologia e política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, n. 64, p. 163-167, 2007. Doi: 10.1590/S0102-69092007000200014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/VpXXF58HsFyyWTyNBtVPbNx/?lang=pt. Acesso em: 5 out. 2021.

MADEIRA, R. M.; TAROUCO, G. S. Esquerda e direita no Brasil: uma análise conceitual. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 8, n. 15, p. 171-185, 2011. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rpcsoc/article/view/591. Acesso em: 10 out. 2021.

MADEIRA, R. M.; TAROUCO, G. S. Os partidos brasileiros segundo seus estudiosos: análise de um expert survey. Civitas: Revista de Ciências Sociais, v. 15, n. 1, p. 24-39, 2015. Doi: 10.15448/1984-7289.2015.1.18077. Disponível em: https://www.scielo.br/j/civitas/a/XPYDSP37JSDdwv3ZrvyZL6h/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

OSHIMA, F. Y. Bernadete Gatti: “Nossas faculdades não sabem formar professores”. Época, Rio de Janeiro, 6 nov. 2016. Disponível em: https://epoca.oglobo.globo.com/educacao/noticia/2016/11/bernardete-gatti-nossas-faculdades-nao-sabem-formar-professores.html. Acesso em: 5 out. 2021.

PAULA, J. A. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 5-23, jul./nov. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/18930. Acesso em: 5 out. 2021.

PRANDI, R. Sobre as religiões afro-brasileiras. Horizonte: Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Belo Horizonte, v. 11, n. 29, p. 10-12, 2013. Doi: 10.5752/P.2175-5841.2013v11n29p10. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/P.2175-5841.2013v11n29p10. Acesso em: 5 out. 2021.

SILVA, V. G. Exu do Brasil: tropos de uma identidade afro-brasileira nos trópicos. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 55, n. 2, p. 1.085-1.114, 2012. Disponível em: www.jstor.org/stable/43923870. Acesso em: 2 set. 2021.

SIMAS, L. A. O corpo encantado das ruas. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-27

Como Citar

CRUZ, G. L. A. da; RAMOS, M. E. A.; GUIMARÃES, L. E.; OLIVEIRA NETO, G. M. R. de; ASSIS, E. A. S. de; LOPES, S. D. C. Extensão universitária e a escola pública: um relato de experiência em tempos de pandemia . Revista Em Extensão, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 130–143, 2022. DOI: 10.14393/REE-v21n12022-64004. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/64004. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência